Jovem com Síndrome da Bela Adormecida dorme até 22 horas por dia

0

Em um mundo corrido e atarefado como o atual, muitas pessoas gostariam de ter algumas horas a mais de sono para descansar. Mas quem não gosta disso são as pessoas que sofrem com a chamada Síndrome de Kleine-Levin, conhecida também como Síndrome da Bela Adormecida, o que faz com que o portador durma diversas horas por dia.

Beth Goodier, uma jovem inglesa de 22 anos, é uma das pessoas que sofrem com a Síndrome de Kleine-Levin. Uma vez, a garota chegou a dormir por aproximadamente 6 meses, pouco antes de completar 17 anos de idade. Goodier já deveria ter concluído a faculdade de psicologia, mas por conta do problema, até hoje não conseguiu.

Goodier superou os 6 meses de sono, mas ainda assim, chega a dormir 22 horas por dia. Sua mãe, Janenine, afirma que a filha acorda apenas para ir ao banheiro e se alimentar, e muitas vezes ainda sonâmbula.

A condição de Goodier é tão crítica que ela precisa ser levada de cadeiras de rodas nas consultas com seu médico, pois seu sono é tão profundo que ela sequer consegue andar. A causa do seu distúrbio ainda não foi descoberta, muitos menos uma cura para sua condição.

“O sintoma mais horrível é a confusão que ela apresenta quando acorda. Não sabe onde está, fica muito agitada. Parte meu coração ver os melhores anos de sua vida escapando”, disse Janenine.

  10 teorias incrivelmente insanas sobre a morte

Síndrome de Kleine-Levin

Beth Goodier, que sofre da Síndrome da Bela Adormecida
Beth Goodier, que sofre da Síndrome da Bela Adormecida

A Síndrome de Kleine-Levin (Síndrome da Bela Adormecida) é causada por um distúrbio neurológico, o que faz com que a pessoa durma diversas horas por dia. Como relatado pela mãe de Goodier, os portadores, ao acordarem, demostram comportamento confuso, alterado e desorientado, bem como letargia (ausência de energia) e apatia (falta de emoções).

Os portadores também relatam hipersensibilidade a luz e ruídos e hiperfagia compulsiva (desejo de comer altas quantidades de comida), além de tudo parecer fora de foco. Em alguns casos, também foram relatados hipersexualidade desinibida em pacientes do sexo masculino, e depressão em pacientes do sexo feminino.

Por conta disso, os portadores da Síndrome de Kleine-Levin não são capazes de frequentar a escola, faculdade ou trabalho, bem como cuidar de si mesmos. Portanto, todo o apoio da família é importante neste momento.

A Síndrome da Bela Adormecida é tão rara que, no momento, existem aproximadamente apenas mil casos da síndrome em todo o mundo.

Texto por Augusto Ikeda, edição por Igor Miranda.

Deixe um Comentário