10 recentes descobertas sobre os dinossauros

0

Os dinossauros foram extintos há dezenas de milhões de anos. E muitos mistérios sobre eles ainda não foram desvendados. 2016 não foi diferente dos anos anteriores, os historiadores e arqueólogos trabalharam pesado para tentar descobrir novas evidências sobre esses répteis. E acredite, algumas descobertas recentes são bastante curiosas.

dinossauros

Confira essa lista incrível das descobertas mais recentes sobre esses répteis gigantes

 

 

10. Um novo dinossauro com chifres

novo-dinossauro

A revelação de novas espécies de dinossauros é geralmente comum. No entanto, este exemplo pode ser o mais importante para a sua presença peculiar. Poderia ter sido um dinossauro de chifres, comparativo dos bem conhecidos Triceratops. Apesar de, agora dispostos igualmente, uma classe verdadeiramente nova. Seu nome que foi dado oficialmente é Spiclypeus shipporum. Não oficialmente, o dinossauro será chamado de Judith, que segue a maneira do curso de água de Judith. Previamente, Montana é o lugar que pôde ter sido descoberto.

A principal característica que diferencia o Spiclypeus dos outros é o arranjo incomum entre os seus chifre e folhos. Os dois chofres que estão acima do seu olho estendem-se para os lados. E os folhos que cercam sua cabeça se enrolam para frente quando atingem a linha média. Além de mostrar características novas e bastante curiosas, Judith vai servir para preencher algumas lacunas que ficaram sem resposta sobre a evolução dos dinossauros.

  O que transforma uma pessoa em um gênio?

9. Os rituais de acasalamento dos dinossauros

ritual-de-acasalamento

Mesmo que seja capaz de reconstruir as características físicas de um dinossauro, seu comportamento é bastante discutível. Isso porque faltam fósseis que possam ser estudados para um aprofundamento maior a respeito da vida desses répteis. No entanto, uma equipe de pesquisadores dizem ter encontrado provas que uma espécie de dinossauro, pelo que parece, realizou danças para conquistar o companheiro.

O ritual é conhecido como lekking – vários machos se reunindo no mesmo lugar para realizar uma espécie de dança para atrair as fêmeas. Que assistem de perto. Esse tipo de prática é bastante comum hoje em aves.

8. Pegada recorde

recorde-de-pegada

Uma pegada gigantes foi descoberta esse ano por um guia turístico boliviano enquanto viajava pela cratera Maragua perto da capital boliviana de Sucre. Mal sabia ele que se tratava de um novo recorde. A pegada provavelmente pertence a um Abelisaurus, um enorme predador que rivalizava com o Tyrannosaurs em tamanho. Com 115 centímetros (3,7 pés), é agora considerada a maior pegada de um dinossauro carnívoro, ultrapassando o recorde anterior que era de 110 centímetros (3,6 pés).

7. Como o T.Rex se tornou rei

t-rex

Um dinossauro recém-descoberto que é de tamanho médio nos ajudou montar o cronograma evolutivo dos tiranossáuridos, a ponte entre o início tyrannosauroids basal e os predadores de grande ápice, como o T. Rex que dominou o Cretáceo. Segundo o registro fóssil, As espécies conhecidas de tiranossauro eram caçadores pequenos e ágeis do período Jurássico Médio. Até o Cretáceo que é tarde, evoluiu para alguns dos maiores predadores do planeta. Até agora, havia uma lacuna que é de 20 milhões de anos o registro fóssil entre os dois grupos. Este dinossauro que é novo no Uzbequistão era do tamanho de um cavalo, e já desenvolveu o cérebro e orelha interna características características de tiranossauros.

  Frio pode afetar a sua mente; descubra cinco formas

6. Dinossauros compartilharam a cor vermelha com pássaros e tartarugas

gene-vermelho

Um estudo publicado pela Sociedade Real fez o exame da linhagem de um gene que permite que espécies de aves e tartarugas para produziam e vejam a cor vermelha. Ao reconstruir a história que é evolutiva do gene, os cientistas descobriram que ele tem centenas de milhões de anos de idade e, muito provavelmente, também foi encontrado em dinossauros. O gene é questão é chamado CYP2J19. Ele cria gotas de óleo vermelho em retinas para melhorar a visão do espectro vermelho. Os animais também usam o gene para exibir cores que são vermelhas em seus bicos, penas ou conchas, normalmente para seleção de acasalamento. O gene tem 250 milhões de anos de idade, aparecendo antes das tartarugas se separarem da linha de arcos-restos. É provável que os dinossauros também carregaram o gene, uma vez que também é encontrado em toda a evolução da ave. Isso significaria que certos dinossauros tinham pigmentação vermelha suas escamas ou penas. Um mistério não resolvido seria a razão pela qual os crocodilianos perderam o gene em algum momento, uma vez que também provavelmente o possuíam.

5. Possivelmente um novo ancestral para os pássaros

passaros

Uma nova espécie de dinossauro foi encontrado na China e nos permitiu saber mais sobre uma das últimas famílias dos répteis a evoluir antes do evento de impacto de 66 milhões de anos atrás. Essas pequenas criaturas eram eram aladas e, às vezes, chamadas de “galinhas do inferno”. Esse grupo de dinossauros foi chamado de oviraptossaurus. A descoberta foi realizada em Ghanzou. Durante a construção do fóssil, ele quase foi destruído por dinamites, mas os cientistas conseguiram recuperar o fóssil datado de 66-72 milhões de anos atrás. Eles o chamaram de limusus Tongtianlong, que significa “dragão enlameado na estrada para o céu.”

  Operação Lava Jato completa três anos de investigações com 260 acusados

4. Dinossauros como animais sociais

sociais

Um estudo realizado pela Universidade de Alberta contesta a crença de que os dinossauros eram figuras solitárias. Essa ideia veio de um leito de ossos dos répteis que foram encontrados no deserto da Mongólia há mais de uma década. Os cientistas descobriram que a maioria dos ossos pertencia a um grupo de 18 Avimimus, uma espécie de oviraptorossauro que percorreu a Mongólia há cerca de 70 milhões de anos atrás. De acordo com muitos cientistas, essa é a primeira análise concreta de que os dinossauros andavam em rebanhos.

3. Os dinossauros já estavam morrendo antes do impacto do meteorito

impacto-meteorito

Para a surpresa de muitos, uma estudo feito pelas Universidades de Bristol e Reading aponta que o declínio dos dinossauros na Terra já vinha acontecendo há dezenas de milhões de anos antes do impacto do meteorito que causou o evento extinção Cretácico-Paleogênico. Os paleontólogos utilizaram a análise estatística e vários dados de fósseis disponíveis para mostrar que o declínio da espécie já havia acontecendo há mais de 50 milhões de anos antes do evento. Os saurópodes – aqueles com pescoço longo – foram os que mais sofreram. Enquanto os terópodes mostraram vários fatores que provam a sua resistência.

2. Cauda emplumada preservada em âmbar

cauda-com-penas

Os dinossauros com penas são muito discutidos nos últimos anos, pois, muitas pessoas tem a dificuldade em acreditar nessa condição, já que, esses répteis eram vistos como seres enormes e escamosos. Mas parece que essa teoria dos dinossauros não possuírem penas já meio ultrapassada. Visto que pesquisadores britânicos, canadenses e chineses fizeram uma descoberta bastante interessante em 2016, uma cauda de dinossauro com penas foi encontrada preservada em âmbar. Essa não foi a primeira vez que fósseis foram encontrados com penas. Porém, nas outras vezes os fósseis eram pequenos demais para serem estudados como de algum réptil. Essa amostra recente possui 8 vértebras cobertas com penas. Chegaram a essa conclusão porque as penas encontradas não eram fundidas como as de aves comuns.

  Carnes encontradas pela Operação Carne Fraca podem causar câncer?

1. Primeira amostra de um cérebro de dinossauro

cerebro-de-dinossauro

Depois de muitos anos de estudo, pesquisadores concluíram que um pedaço de fóssil de uma rocha marrom encontrada há mais de uma década é, de fato, o fóssil do pedaço do cérebro de um dinossauro. Essa foi a primeira vez na história que os cientistas conseguiram realmente descobrir um fóssil de um cérebro tão antigo. Pois, o tecido do cérebro é incrivelmente duro e conseguiu ser preservado. O fóssil foi encontrado em 2004 em Sussex, na Inglaterra. Os pesquisadores foram capazes de identificar que era um cérebro devido às membranas que o cercam. Bem como os remanescentes de vasos sanguíneos e vertentes de colágeno.

 

FONTE



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com