10 vilões que venceram nos filmes e você nem se ligou

5

Às vezes, os filmes são tão focados em garantir que os heróis saiam por cima que se esquecem da própria trama, inclusive dos vilões.Na maioria das vezes, o bem triunfa sobre o mal, mas de vez em quando – se você olhar mais de perto – é o vilão que sai vitorioso. Isso pode vir por uma série de fatores, mas, em geral, se eles conseguiram o seu plano antes de terem sua punição, não seriam classificados como vencedores?

Isso acontece em uma variedade de gêneros, quando a história começa a cair em torno de si com a conveniência do protagonismo. Abaixo, estão alguns exemplos em que, embora pareça que o herói venceu, não foi o que aconteceu. Filmes de terror não serão mencionados, já que é o único gênero onde vilões têm sucesso em exterminar o resto do elenco sem suar a camisa.

Algumas dessas opções podem ser vistas como vitórias ideológicas, enquanto outras exigem que você pense além dos créditos finais.

Com isso em mente, vamos rodar os nossos bigodes, gargalhar histericamente e comemorar os vilões que você não sabia que, na verdade, ganharam em 10 filmes.

10) Donaka – “O Homem do Tai Chi”

Donaka – O Homem do Tai Chi

Quebrando o molde por aparecer como um vilão, Donaka, por Keanu Reeves é, sem dúvida, a coisa mais interessante sobre “O Homem do Tai Chi”.

O tema principal do filme é a corrupção, com Donaka coagindo o inicialmente relutante Tiger Chen Linhu a entrar em seu jogo mortal como um concorrente. Tiger se encontra atraído pelo dinheiro e gradualmente se torna um combatente mais brutal, resultando nele alienado de suas raízes.

Revela-se eventualmente que o sindicato de Donaka estava assistindo Tiger muito antes de sua entrada no torneio e seu objetivo final é transformá-lo em um assassino. Até então ele está trabalhando com a polícia de Hong Kong e se recusa a lutar contra o adversário que seria sua primeira vítima. Ele se redime e parece que o objetivo de Donaka falhou.

Este teria sido um triunfo do bem sobre o mal, se não fosse o confronto final. Tendo escapado da polícia, Donaka rastreia Tiger e o desafia para um combate. Previsivelmente, Tiger sai vitorioso, mas ele percorre o caminho da virtude e poupa Donaka? Claro que não; ele cumpre o plano do vilão, tornando-se um assassino.

9) Mr. Glass – “Corpo Fechado”

Mr. Glass – Corpo Fechado

Em um filme fantástico dirigido por M. Night Shyamalan, a história de David Dunn (Bruce Willis), quando ele se dá conta de que ele está de posse de superpoderes. Era uma visão muito interessante sobre o gênero de super-heróis.

O antagonista é Elijah Price (Samuel L. Jackson), que sofre de uma condição rara que torna os ossos extremamente frágeis. Tomando consolo nas histórias em quadrinhos, ele começa a teorizar que, se existem pessoas como ele em uma extremidade do espectro, certamente deve haver polos opostos, alguém ‘inquebrável’. Ele se propõe a testar sua hipótese na forma insana dos vilões que ele idolatra, sabotando o transporte público e matando muitos inocentes na esperança de encontrar o único sobrevivente.

Eventualmente descobrindo Dunn, ele descobre suas habilidades especiais e, em essência, cria o seu próprio arqui-inimigo. É aqui que ele encontra sua vitória. Durante anos, ele tem procurado o yin ao seu yang e, ao fazê-lo, ele cumpriu a ambição de uma vida. Ele é institucionalizado por seus crimes no final do filme, mas vai elaborar um plano de fuga e voltar para suas travessuras assassinas em algum momento.

8) A indústria da moda – “Zoolander”

A indústria da moda – Zoolander

Zoolander é o velho conto de um ícone da moda que recebe uma lavagem cerebral para se tornar um assassino. Comédia, romance e ação em harmonia.

Veja também:   As 10 histórias mais bizarras da ciência registradas em 2018

Embora perpetue o estereótipo de que modelos são todos manequins sem cérebro (que eu não questiono muito), Zoolander é um filme inegavelmente engraçado. As únicas pessoas que não saem ilesas são os magnatas da indústria da moda, que são apresentados como vilões covardes. Embora haja muita verdade escura escondida sob o humor do filme, está tudo bem, porque os mocinhos triunfam no final e o dia é salvo.

Ou seria, se optar por esquecer o resto dos magnatas da moda, livres para continuar suas práticas nefastas. Jacobim Mugatu pode ter sido preso, mas ele não é o peixe grande, é evidente que existem pessoas piores que puxam as cordas e quem sabe muito mais por trás deles. Quando você pensa sobre isso, é realmente uma conclusão sinistra para uma comédia do Ben Stiller.

7) Os nazistas – “Fugindo do Inferno”

Os Nazistas – Fugindo do Inferno

Fugindo do Inferno é um clássico indiscutível. É exibido o espírito destemido dos Aliados, mesmo quando foram mantidos em cativeiro sob a bota tirânica dos nazistas. Também provou que é legal saltar sobre as coisas em motos.

Enquanto a escuridão do assunto certamente não foi evitada, em sua maior parte é um conto de camaradagem em tempos difíceis. Ao apresentar este como eles fazem, o filme consegue trazer um pouco de leveza para um período de outro modo sombrio da história. Não tem medo de mostrar a verdade deprimente do que aconteceu com os fugitivos. A ruptura real da prisão desceu da mesma maneira.

Mesmo o status de Steve McQueen como o homem mais legal do mundo não salva seu personagem de entrar em conflito com arame farpado e ser pego. Pode parecer um pouco infortúnio, mas em termos de vilões triunfando, eu diria que, infelizmente, os nazistas ganharam com este.

6) Sociedade – “Um Dia de Fúria”

Sociedade – Um Dia de Fúria

Embora possa parecer mais relacionado à moralidade da vida moderna, nossa sociedade é apresentada como uma terrível entidade corrupta. Até aí, tudo certo, né? É um vilão muito próprio e, enquanto seguimos o nosso protagonista questionavelmente motivado enquanto ele tenta fazer a festa de aniversário de sua filha, vemos todos os aspectos no seu pior.

William ‘D-Fens’ Foster – o personagem que seguimos – teve o suficiente de decadência social e torna sua missão corrigir os erros que ele vê no mundo. Ele foi empurrado sobre a borda de uma idade ele não pode se relacionar mais. Tudo considerado, é a parábola final de “a vida não é justa.”

Embora exibindo psicopatia flagrante através de suas ações, é difícil não apoiar Foster, que perdeu o seu emprego e sua família, enquanto ele tenta combater o declínio da sociedade. O exagero da criminalidade e da injustiça cotidiana serve para destacar essas questões sérias e a frustração que nós todos experimentamos quando chegamos um minuto após o final da hora de servir o café da manhã na pousada.

No fim das contas, a sociedade triunfa sobre Foster. Enquanto ele pode obter o seu ponto de vista e sair em seus próprios termos, ele não mudou nada. Foi um passeio divertido, mas todos os problemas que ele enfrentou continuaram e, possivelmente, pioraram com o tempo.

5) Hans Landa – “Bastardos Inglórios”

Hans Landa – Bastardos Inglórios

Amado e desprezado em igual medida, Hans Landa é certamente uma figura polarizadora. Por um lado, ele é um nazista, mas por outro lado, seu carisma é extremamente infeccioso. Lançamento de Christoph Waltz da obscuridade para o estrelato merecido, Landa é um dos personagens mais interessantes da história do cinema.

Veja também:   Participantes do Big Brother Brasil 19 afirmam ter visto OVNIs na casa

Introduzido em uma cena deliciosamente tensa que estabelece que ele está à caça de judeus e aqueles que os abriga, seu intelecto aguçado e sagacidade espumante o tornam mais do que páreo para qualquer um que ele interroga, algo que vemos repetidas vezes ao longo do filme. Ele é claramente perigoso e não deve ser subestimado.

Ele é capaz de transformar qualquer situação a seu favor, mesmo a queda de Hitler como uma oportunidade para criar uma nova vida para si mesmo nos EUA.

Ponto para a América certo? Errado. Não é como se eles o tivessem matado, ele é livre para exigir que os danos sejam reparados quando vai para os Estados Unidos. Essa cicatriz seria uma correção relativamente fácil, mesmo naquela época, deixando-o para desfrutar da nova vida que ele tão habilmente manobrou. Os Bastardos têm sua vingança, mas Landa é o verdadeiro vencedor.

4) Alex DeLarge – “A Laranja Mecânica”

Alex DeLarge – A Laranja Mecânica

Um fã de Beethoven, drogas e, claro, um pouco da velha violência, Alex DeLarge é um dos exemplos mais sombrios da juventude em revolta. Pensando nada de estupro e assassinato, ele e seus droogs aparentemente estão autorizados a circular livremente e fazer o que quiserem em sua distópica Londres. Vemos sua gangue atacar os sem-teto, cometem agressões sexuais e deleitar-se com cada segundo de terror de suas vítimas.

Esta carnificina desenfreada não pode durar para sempre e o passado de Alex finalmente o alcança. Torturado, condicionado e abandonado por aqueles mais próximos a ele, parece que realmente começou sua punição. É interessante ver essas consequências para o personagem, especialmente porque ele é o único que narra o filme, seu charme é capaz de reunir algum nível de simpatia, apesar de sua depravação clara.

Avancemos para sua cama de hospital depois de sobreviver a uma tentativa de suicídio, provocada por uma de suas vítimas do passado. Os agentes penitenciários se reúnem em torno dele (apesar de o terem brutalizado anteriormente) e louvam-no como uma história de sucesso para o programa de lavagem cerebral. Alex joga junto e sorri para todas as imagens, mas a realidade de sua condição é revelada em sua narração final. Nada mudou; ele ainda é tão mau e perigoso como sempre foi.

3) Tyler Durden – “Clube da Luta”

Tyler Durden – Clube da Luta

Fazendo sabão e socando tolos, Tyler Durden é anarquia com músculos. Ao longo de Clube da Luta, ele leva o narrador sem nome (Edward Norton) por um caminho violento de raiva reprimida e desejo para um mundo de luta e espionagem corporativa. Ao longo do caminho, ele recruta e treina um exército de pessoas igualmente desesperadas para ajudá-lo a atingir seus objetivos.

A não ser que você tenha se trancado em um armário por mais de uma década, você já sabe que Tyler e o narrador são revelados como a mesma pessoa. A dupla personalidade tornou-se tão comum no cinema como russos maus e zumbis, mas Clube da Luta lida com isso de uma forma tão inteligente que, com razão, alcançou o status de cult.

Na conclusão emocionante do filme, aprendemos que Durden ordenou seus seguidores a explodir níveis de arranha-céus que abrigam empresas de cartões de crédito. O dedo médio definitivo para o capitalismo que garante (pelo menos no universo do filme) que a história de crédito será apagada e todos serão levados para o mesmo nível. Isso força o narrador a confrontar diretamente com seu alter ego “do mal” e depois de vencer a si mesmo/Tyler quase até a morte, o narrador termina o governo tirânico de Durden sobre sua mente, atirando na própria face para simbolicamente matar aquela parte dele.

Veja também:   De perfume a churrasco: 10 coisas cotidianas que podem ser feitas com urina e fezes

Na realidade, isso não acaba com a destruição de um quarteirão inteiro – Project Mayhem acaba sendo bem sucedido independentemente. O legado de Durden é cimentado e tudo o que o narrador escolhe fazer a seguir, sua vida foi mudada irrevogavelmente quando criou essa personalidade alternativa violenta. A personificação de sua identidade pode ter sido banida, mas não antes que conseguisse tudo que queria.

2) Coringa – “Batman: O Cavaleiro das Trevas”

Coringa – Batman O Cavaleiro das Trevas

A força do desempenho de Heath Ledger como o Príncipe Palhaço do Crime já se tornou lendária. Ele capturou a insanidade brincalhona e a escuridão assustadora do personagem de uma maneira que poucas pessoas poderiam esperar que um dia fosse feito. Mais do que ser uma combinação apropriada ao retrato de Batman de Bale, ele se tornou um padrão para todos os vilões da tela.

Espalhando sua própria forma de caos e criminalidade em torno das ruas de Gotham, ele causa problemas para os heróis e vilões. E ele certamente não está acima de sujar as mãos quando a situação exige.

Ele não é motivado por qualquer ganho pessoal, o que faz dele quase impossível de prever. Isto lhe permite ser criativo em sua criminalidade; atacar um comboio policial para assassinar o promotor de Gotham e segurar dois reféns com grandes quantidades de explosivos.

A principal coisa a ser tirada é que ele consegue o que ele se propõe a fazer com Gotham e seus heróis. Ele consegue agarrar toda a cidade com medo; Harvey Dent é corrompido e morto, além de Batman ser forçado ao exílio.

Enquanto a trágica morte de Ledger impediu o retorno do personagem para a terceira parte da trilogia, é seguro dizer que ele não teria sido preso por muito tempo. Enquanto foi Bane que quebrou o Batman, nunca se esqueça de que o Coringa que conseguiu esmagar seu espírito. “Só é preciso um pequeno empurrão”, como diz o Coringa… um impulso que finalmente traz Batman para matar Dent no clímax.

1) Raoul Silva – “Skyfall”

Raoul Silva – Skyfall

Um homem com o cabelo tão louco como ele é (talvez um pouco mais), Raoul Silva foi o inimigo de Bond no aclamado Skyfall.

Interpretado com uma teatralidade real por Javier Bardem, você nunca soube o que o cara ia fazer a seguir. Ele esteve um passo à frente de todos até o fim e ainda conseguiu destruir completamente a casa de infância de 007.

Ele foi capturado em uma missão, sofrendo lesões faciais traumáticas por uma cápsula de cianureto fora de época. Isso é motivação suficiente para uma vingança, se você me perguntar.

Ao longo do filme somos levados por uma série de conjuntos de peças tipicamente bizarras e intrigas, até chegarmos à conclusão emocionante em uma pequena capela na Escócia. Depois de um breve impasse, Bond mata Silva com uma faca, mas não antes do psicopata completar seu objetivo. Mais uma vez, 007 não protege uma mulher importante em sua vida, permitindo que o vilão tenha sucesso.

Sim, Silva morre, mas ele teve a vingança que desejava. Além de planejar isso, ele apenas comete atos desenfreados de terrorismo sem razão real. Bond fez um favor a ele, ao matá-lo, permitindo que o cara fosse vitorioso para o túmulo.
O que você acha dessas escolhas? Você tem alguns que perdemos fora? Cabeça aos comentários e dê a sua opinião.

Fonte: Ei Nerd



Discussion5 Comentários

  1. Esqueceram do filme Seven onde o vilão prova que estava com sua teoria em relação aos sete pecados capitais. A personagem de Brad Pitt mata o vilão e se torna vítima do pecado da ira como o vilão previu.
    O vilão Hannibal Lecter também consegue cumprir seus objetivos nos filmes de sua trilogia (O silêncio dos inocentes, Hannibal e Dragão Vermelho).

  2. O orc pálido, Azog, o profano do filme”O Hobit”, apesar de ser morto cumpre seu objetivo de matar Thorin, escudo de carvalho e acabar com sua linhagem já que seus dois sobrinhos Killi e Filli também são mortos por seu bando de orcs.

  3. Equeceu do filme Perfume – A História de um Assassino, que conta a história de Jean-Baptiste Grenouille (Ben Whishaw) um serial killer que conseguiu seu objetivo e no final se mata (indiretamente).

  4. Eduardo Pedro Gonçalves

    Todo filme deve ter uma ação do vilão, para uma reação do herói. A priori, todos os vilões conseguem algum grau de sucesso, para serem derrotados, presos ou mortos pelo herói ao final. Em se tratando de trilogias a redenção final do herói só deverá aparecer no último filme. Em outras palavras, não, não acho que os vilões ganharam, mas eles tem que cumprir seu papel para haver história. O que seria de Jesus sem Judas?

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com