5 fatos sobre a censura

0

A censura sempre esteve presente na sociedade, desde séculos atrás até os dias de hoje, principalmente em países de regime militar, onde o governo dita o que se deve ou não fazer.

Mas com o advento da internet, nunca se discutiu tanto sobre censura – seja ela no entretenimento, no jornalismo ou até mesmo nas redes sociais.

Confira os cinco fatos sobre a censura:

5. A Igreja Católica proibiu por 400 anos que livros fossem publicados

índice-livros-proibidos
O “Index Librorum Prohibitorum” ou “Índice dos Livros Proibidos”, em português, foi uma publicação da Igreja Católica feita no ano de 1559, pelo Papa Paulo IV. Por centenas de anos, a igreja teve conflitos sobre o que devia ou não ser publicado, como parte de sua doutrina. Foi a partir desse índice que a instituição começou a censurar obras públicas.

Assim que as obras entravam para a lista de livros proibidos, os autores poderiam tentar uma defesa. Mas em última instância, se quisessem mesmo que seus trabalhos fossem publicados, eles eram forçados a revisar sua obra com a aprovação da Igreja.

A lista era composta com obras dos mais diversos temas, como astronomia, filosofia e literatura, inclusive obras de algumas das maiores mentes de todos os tempos, como Johannes Kepler, John Locke e François Voltaire foram censuradas. A última edição foi publicada em 1948 e o Index só foi abolido pela Igreja Católica em 1966 pelo Papa Paulo VI.

  10 curiosidades sobre os Kamikazes que você não sabia

4. Os nazistas podiam censurar filmes em Hollywood

censura-nazista-hollywood
Em seu livro “A Colaboração: Pacto de Hollywood com Hitler”, o autor Ben Urwand, que teve sua obra publicada pela Universidade de Harvard em 2013, desenterra o que ele afirma ser uma colaboração desagradável entre grandes estúdios de cinema americano e o partido nazista, entre as décadas de 1930 e 1940, apesar de alguns críticos contestarem duramente suas afirmações.

Em 1933, o governo de Hitler nomeou Georg Gyssling como diplomata e o enviou para Los Angeles, para que ele pudesse intervir fervorosamente em qualquer filme que criticasse o partido nazista. Embora parecesse que Gyssling não tivesse nenhuma autoridade oficial, muitos estúdios de cinema eram conhecidos por fazerem sua vontade.

Filmes que aparentassem simpatia com o povo judeu eram revisados em pelo menos uma instância. Até mesmo a palavra “judeu” era completamente removida do diálogo. O filme “Lancer Spy”, de 1937, foi completamente descartado após Georg Gyssling atestar que havia cenas que ofendiam oficiais alemães.

3. Os romanos inventaram o censo

censores-romanos
Os romanos nos deram o “census” (lista de cidadãos e de seus bens, que era elaborada pelos censores). Mas estes “censores”, como eram chamados estes reguladores, também tinham outra tarefa sinistra: o regime “morum”, que tinha o propósito de “manter a moral pública”.

Os censores romanos não eram apenas encarregados de registrar os status da população de uma nação – eles também eram responsáveis por decidir se cidadãos mereciam ou não todos os direitos que lhes eram dados. Sua responsabilidade era impor o caráter e a ética romana, como bem entendessem, independentemente se uma lei estivesse sendo quebrada ou não. Parte do seu trabalho era o de colocar marcas físicas no corpo de quem estivesse quebrando a “moral pública”.

  Conheça as belezas dos Lençóis Maranhenses

2. A censura nas redes sociais pode ameaçar a liberdade de expressão

censura-facebook
De acordo com a organização Pew Research Center, mais de 60% dos americanos usam redes sociais como sua principal fonte de notícias. Por um lado, isso é ótimo, porque muitos portais de notícias podem usar o Facebook como uma plataforma para atingir um maior público. Mas a desvantagem, é que eles tem que jogar conforme as regras de censura impostas pelo Facebook, que simplesmente ferem muitas leis em diversos países.

Cineastas, cartunistas políticos e jornalistas têm relatado casos onde seus posts controversos foram removidos pela rede social, sem nenhuma explicação descente. E não é somente em outros países onde essa censura acontece, recentemente, no Brasil, o Facebook bloqueou dezenas de páginas e conteúdos que faziam criticas ao atual governo.

O YouTube também tem se juntado a governos para censurar conteúdos em sua plataforma, assim como fizeram no Paquistão. O potencial problema nisso tudo é que tomar esse tipo de medida pode prejudicar a eficácia das informações de uma mídia livre e independente, o que é essencial para uma sociedade democrática.

1. O governo chinês é o mestre da censura na internet

censura-china-internet
O Irã pode ter sido recentemente nomeado o número 1 em censura na internet, mas há algo que coloca a China no 1° lugar dessa lista. Com mais de 700 milhões de internautas no país, censurá-los não é uma tarefa fácil, então eles desenvolveram algumas ferramentas engenhosas para fazer o trabalho.

  Os 10 animais mais perigosos da Austrália

O “Incrível Firewall Chinês” é mantido por 30 mil funcionários do governo, que monitoram toda a atividade online utilizando programas específicos que registram todas as teclas pressionadas pelos chineses enquanto na internet, até mesmo conversas privadas e chats de jogos online são analisados pelo “Firewall”. Não somente sites de mídia social e blogs são bloqueados, mas os buscadores também são filtrados e não oferecem resultados de palavras-chave proibidas pelo governo.

Existam maneiras de contornar esses obstáculos, mas tal atitude quebraria as leis de censura do país, e caso a pessoa seja pega, ela pode ter que pagar multas de quase US$2.000 dólares ou até mesmo ser presa por crimes graves.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com