5 crimes terríveis nunca solucionados

0

Crimes, geralmente, não são cometidos por gênios do mal. Por isso, o culpado quase sempre aparece mais cedo ou mais tarde.

Infelizmente, enquanto muitos crimes são resolvidos e os responsáveis ​​jogados na cadeia, ainda existem aqueles que se eternizaram sem que a justiça vencesse no final. Aqui estão alguns crimes nunca resolvidos que nos mantém acordados a noite.

Elisa Lam

Elisa Lam, uma estudante da University of British Columbia, estava hospedada em Los Angeles no Cecil Hotel quando desapareceu e depois foi encontrada morta. Elisa sofria de transtorno bipolar e depressão, o que ajudou a lançar dúvidas sobre seu sumiço, mas isso não explica os acontecimentos que levaram à sua morte. Em 31 de janeiro de 2013, o dia em que ela deviria fazer o check-out do hotel e continuar sua viagem de férias, ela foi vista e até falou com funcionários do hotel e lojistas nas proximidades, mas não fez seu telefonema diário pros seus pais, que ficaram preocupados e deram o alarme. Apesar das investigações no hotel – incluindo o uso de cães farejadores -, nenhum sinal dela foi encontrado e, apesar dos apelos na mídia, nada foi ouvido dela por duas semanas.

Em 14 de fevereiro, a polícia divulgou um vídeo de vigilância de um dos elevadores do hotel. Misteriosamente gravado em 1 de fevereiro, um dia depois que ela deveria ter saído de Los Angeles, o vídeo dura vários minutos e mostra Lam se comportando de forma incrivelmente estranha, entrando e saindo do elevador, se escondendo no canto e aparentemente falando com alguém de fora do alcance da câmara. Alguns dias mais tarde, após os hóspedes começarem a reclamar sobre a baixa pressão e do gosto ruim da água, os funcionários do hotel encontraram Elisa Lam flutuando nua e morta, cercada por suas roupas e pertences, em um dos tanques de água no telhado. A causa da morte foi finalmente anunciada como afogamento acidental, mas várias partes do mistério não foram respondidas: seu comportamento no elevador, como ela chegou ao telhado com seus pertences sem soar alarmes ou destrancar as portas, como ela conseguiu abrir e fechar a pesada tampa do tanque de água e por que os cães não encontraram nenhum vestígio dela, apesar de ir ao telhado durante a sua investigação. Apesar do relatório oficial, as perguntas não respondidas que cercam esta morte trágica e misteriosa continuarão a assombrar a imaginação do público pelos próximos anos.

O Assassino em Série de Long Island

Assassinatos em Hinterkaifeck

O Assassino em Série de Long Island foi ativo entre 1996 e 2013 – até onde se sabe – e, até o momento, 10 a 17 assassinatos foram atribuídos a ele. Os corpos foram encontrados abandonados perto e ao longo da Gilgo Beach, em Long Island, e todos tinham sido estrangulados e envoltos numa sacola antes de serem despejados.

Foi durante a investigação de uma pessoa desaparecida em 2010, Shannan Gilbert, quando a polícia se deparou com o primeiro corpo e não demorou pra que mais corpos começassem a ser descobertos na área circundante. O corpo de Gilbert foi descoberto mais tarde perto de onde o primeiro corpo foi encontrado, no entanto, apesar das semelhanças entre os casos, nenhuma conexão foi encontrada. Muitos dos corpos foram identificados como prostitutas, no entanto houve vários, incluindo uma criança e um rapaz – que nunca foram identificados. O caso ainda está aberto e, desde dezembro de 2015, o FBI se envolveu oficialmente, mas apesar dos recursos extras, eles não parecem mais perto de resolver o mistério – e um possível assassino brutal permanece à solta.

Evelyn Hernandez

Ponte de San Francisco

Evelyn Hernandez era uma mãe solteira grávida de 24 anos vivendo em San Francisco quando desapareceu com o filho de cinco anos de idade no dia 1 de maio de 2002. Além de sua carteira, que foi encontrada abandonada no sul de San Francisco, não encontraram nenhum traço dela por mais dois meses, quando o que restava do seu corpo foi visto flutuando perto da ponte de San Francisco em 24 de julho. Testes de DNA tiveram que ser usados pra identificá-la, uma vez que seus restos foram descritos como “parte de um torso humano” nos relatórios da mídia. Seu filho de cinco anos de idade e a criança que estava prestes a nascer – faltando apenas alguns dias – nunca foram encontrados e foram dados como mortos.

Em uma reviravolta bizarra e estranhamente similar, cinco meses após o dia do corpo de Evelyn Hernandez ser descoberto, outra mulher grávida, Laci Peterson, desapareceu. Quatro meses depois, os restos mortais do seu feto foram encontrados por caminhantes e no dia seguinte a própria Laci foi encontrada uma milha de distância da criança. Ela não tinha a cabeça, mãos e partes de ambas as pernas, o que inevitavelmente levantou comparações com o assassinato ainda não resolvido de Evelyn Hernandez, mas quando o marido de Laci Peterson foi condenado por seu assassinato, qualquer conexão entre os dois casos foi desconsiderado oficialmente.

Crimes de Assassinato em Hinterkaifeck

Assassinatos em Hinterkaifeck

Em 31 de março de 1922, seis membros de uma mesma família foram brutalmente assassinados em sua fazenda na zona rural da Alemanha – entretanto, a história realmente começou alguns dias antes disso. Fora da fazenda, o fazendeiro descobriu pegadas na neve que conduziam pras proximidades de uma floresta, mas ninguém se aventurou pra além. Ao longo dos próximos dias, a família relatou ter ouvido barulhos estranhos e passos vindos do sótão, ter encontrado coisas fora do lugar, ter perdido chaves da casa e até mesmo encontrado um jornal que ninguém conseguia se lembrar de ter comprado.

No dia do assassinato, os investigadores acreditam que o fazendeiro, sua esposa e as duas de suas filhas foram de alguma forma atraídos pra um dos celeiros, onde foram assassinados e decapitados um por um com uma picareta. O assassino então invadiu a casa, onde matou o filho mais novo ainda em seu berço, juntamente com uma empregada que tinha acabado de começar a trabalhar lá naquele dia. As autópsias confirmaram a data da morte como o 31 de março, embora vizinhos relataram ter visto fumaça saindo da chaminé após essa data. Além disso, quando os investigadores chegaram, ficou claro que os animais da fazenda haviam sido recentemente alimentados, sugerindo que após o assassinato, o assassino efetivamente ficou na fazenda por vários dias.

Uma vez que este crime foi cometido há quase cem anos atrás, é seguro dizer que o assassino provavelmente já morreu há muito tempo… E nunca pagou pelos seus crimes.

O Crime do Desenhista

doodler desenhista

Entre 1974 e 1975, uma série de assassinatos foram cometidos em San Francisco que atingiram a comunidade gay da cidade. Quatorze assassinatos foram eventualmente atribuídos ao assassino, que ganhou o apelido de “Doodler” – termo pra desenhar/rabiscar – devido ao seu método de atrair suas vítimas, que envolvia ir a bares e clubes e desenhar as pessoas pra quebrar o gelo. Ele, então, atraía sua vítima pra um local remoto, como um parque ou uma praia, onde esfaqueava repetidamente na frente e nas costas e escondia o corpo. Três vítimas sobreviveram aos ataques e, como tinham passado algum tempo com seu atacante antes de serem agredidos, eles foram capazes de fornecer descrições pra polícia.

No entanto, apesar de ter um homem em custódia, a polícia foi incapaz de prosseguir porque as testemunhas se recusaram a depor em tribunal, pois tinham medo de exporem sua sexualidade em público. Então o assassino suspeito de quatorze homens e tentativa de assassinato de mais três foi solto, sua identidade nunca revelada e os crimes permaneceram “sem solução”.

Fonte: http://www.grunge.com/17477/terrifying-crimes-nobody-ever-solved/



Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com