As 10 batalhas mais sangrentas e mortais da história da humanidade

0

Infelizmente, parte da história da humanidade também envolve diversas guerras, conflitos e batalhas em que muitos soldados ou inocentes, já perderam suas vidas. E isso ocorre desde os primórdios da humanidade. Mas nas últimas décadas, com os avanços da tecnologia, as lutas se tornaram conflitos sangrentos em que até mesmo milhões de pessoas perderam suas vidas.

Com isso em mente, confira abaixo as 10 batalhas mais sangretos e mortais da história da humanidade.

A Batalha de Manila

Quando 1945 começou, as btalhas da 2ª Guerra Mundial estavam terminando . No front europeu. Não demorou muito para os nazistas se renderem um Berlin no mês de abril, mas a história ainda era diferente no front do pacífico. Em fevereiro e março, forças americanas e filipinas se juntaram para tomar a capital do país asiático, Manila, das mãos dos japoneses.

Levou mais um mês para que os soldados aliados retomassem o controle da cidade. Mas os soldados japoneses botaram em prática uma política que resultou na morte de 100 mil civis filipinos, mas algumas fontes afirmam que esses números chegaram a casa de 240 mil mortos. Além disso, pouco mais de mil soldados americanos e 16 mil soldados japoneses morreram no conflito.

Essa é considerada a batalha mais sangreta do front do Pacífico da 2ª Guerra Mundial.

Batalha da Normandia

batalhas-1

A Batalha da Normandia é uma das batalhas mais famosas da história. Em questão de um mês, os exércitos das Forças Aliadas foram até o norte da França e capturaram a região do Eixo. Esse é considerado o conflito que mudou o panorama da maior guerra da história da humanidade, mas veio com um alto preço.

Aproximadamente 425 mil soldados dos dois lados do conflito morreram ou ficaram feridos durante a Batalha da Normandia. Um número desconhecido de civis franceses também perderam a vida durante o conflito, mas estimativas afirmam que entre 15 e 20 mil pessoas faleceram.

A Terceira Batalha dos Ypres

A Terceira Batalha dos Ypres, também conhecida como Batalha de Passchendaele, foi uma das mais sangrentas da 1ª Guerra Mundial. Durante três anos, os aliados mal conseguiram avançar contra o Império Alemão na Bélgica. Apesar disso, o Marechal Douglas Haig, do Reino Unido, estava convencido de que os alemães estavam prestes a entrar em colapso e que derrotá-los seria uma forma de garantir a vitória no conflito. Assim, em 31 de julho de 1917, ele ordenou um ataque que durou três meses.

Várias divisões dos exércitos britânicos e franceses atacaram os alemães perto da vila de Passchendaele, na Bélgica. Apesar de algumas vitórias, a chuva que caía com frequência na região atrapalhou um pouco os planos. O local só foi retomado em 6 de novembro.

O exército britânico perdeu 310 mil homens, enquanto que os alemães viram 260 mil soldados morrerem. Muitos se afogaram na mala criada pelo clima turbulento da região. No entanto, a luta não teve grande impacto para o decorrer da guerra.

Batalha de Verdun

Fonte: Collier and Son - Collier's New Photographic History of the World's War
Fonte: Collier and Son – Collier’s New Photographic History of the World’s War

Apenas oito meses antes do início da Terceira Batalha dos Ypres, outro conflito ainda mais longo e feroz da 1ª Guerra Mundial acabou terminando. A Batalha de Verdun começou após o General Erich von Falkenhayn, do Império Alemão, decidir atacar os franceses para conseguir vencer os britânicos.

Assim, em 21 de fevereiro de 1916, o exército alemão atacou seus inimigos na cidada de Verdun-sur-Meuse, no nordeste da França. O conflito ficou em meio a um impasse por meses, mas em dezembro do mesmo ano, os franceses conseguiram retomar parte do território perdido com a ajuda dos britânicos. Os dois lados desse embate perderam de 300 mil a 400 mil soldados.

O alagamento do Rio Amarelo

Em 1938, as coisas não andavam boas para os chineses, já que nesse ano, o país foi invadido pelos japoneses, que cometeram atrocidades com os soldados que se tornaram prisioneiros e civis. Para terminar a invasão de uma vez, os japoneses optaram por invadir a cidade de Zhengzhou. Só que para isso, precisariam cruzar o Rio Amarelo.

Os chineses conseguiram diminuir os avanços dos japoneses após destruírem uma ponte que ligava a cidade. Só que mais tarde, tomaram uma decisão arriscada: destruíram os diques que protegiam a cidade, mas sequer avisaram a população para garantir que tudo ocorresse em segredo e pegasse os japoneses de surpresa.

Em 9 de junho, os chineses destruíram os diques e a águas do Rio Amarelo inundaram a região. 800 mil pessoas morreram, entre soldados japoneses e soldados e civis chineses. A decisão é, até hoje, cercada de controvérsias, justamente por conta da morte de muitos inocentes.

Batalha de Somme

Em 1916, o exército britânico decidiu lançar uma ofensiva às margens do Rio Somme, na França, como forma de fazer os alemães desviarem seu foco da Batalha de Verdun. Em julho deste ano, 100 mil soldados britânicos deixaram suas trincheiras e avançaram contra seus inimigos. No entanto, quase 20 mil perderam suas vidas apenas no primeiro dia de luta.

Em 141 dias de conflito, os britânicos avançaram apenas pouco mais de 10 km. Eles perderam um total de 420 mil soldados, enquanto que os franceses tiveram 200 mil perdas e os alemães viram 450 mil homens morrerem. No total, aproximadamente um milhão de pessoas morreram no Rio Somme. Por conta das grandes perdas, a batalha terminou sem um vencedor.

A Batalha de Berlim

Fonte: Carl Weinrother/Bundesarchiv
Fonte: Carl Weinrother/Bundesarchiv

Esse foi o conflito que encerrou as batalhas da 2ª Guerra Mundial na Europa. Americanos e britânicos invadiram a capital alemã pelo oeste, enquanto que os soviéticos marchavam pelo leste. Foram eles os responsáveis por tomarem o controle de Berlim e conseguiram derrotar 300 mil soldados alemães.

Em 30 de abril de 1945, Hitler cometeu suicídio ao lado de sua esposa e outros oficiais nazistas, enquanto que a capital alemã caiu de vez em 2 de maio. De acordo com dados britânicos, perto de 1,3 milhão de pessoas morreram até Berlim cair.

Ofensiva dos Cem Dias

A chamada Ofensiva dos Cem Dias foi uma série de batalhas que marcou o final da 1ª Guerra Mundial. Tudo começou em 26 de setembro de 1918, quando os americanos lançaram um ataque na região francesa de Meuse-Argonne, seguido por outra ofensiva britânica na região belga de Flandres no dia seguinte. E no dia 29, os exércitos juntaram forças para atacar a Linhas de Hindenburg.

E essas ofensivas deram muito certo, pois pegaram os alemães de surpresa. O próprio General Erich von Ludendorff avisou Paul von Hindenburg que era melhor se render ou a Alemanha estava sob o risco de sofrer uma aniquilação.

No total, as duas forças perderam quase 1,5 milhão de soldados, mas especialistas acreditam que esse números são ainda maiores.

Batalha de Stalingrado

Fonte: Bundesarchiv/Bild
Fonte: Bundesarchiv/Bild

O Dia D marcou o início da vitória dos aliados na 2ª Guerra Mundial, mas o conflito que permitiu que isso acontecesse foi a Batalha de Stalingrado. Por sete meses, os soviéticos conseguiram defender a cidade de Stalingrado dos nazistas em uma das batalhas mais sangrentas da história.

Adolf Hitler tinha planos de conquistar a cidade e transformá-la em uma base para conseguir chegar a Moscou e completar a invasão da Rússia. Em resposta, Josef Stalin lançou a Ordem Número 227, que fazia com que os defensores de Stalingrado não dessem “nenhum passo para trás” e não autorizou a evacuação dos civis da cidade para incentivar seus soldados.

Em setembro de 1942, os alemães quase tomaram a cidade, mas os soviéticos conseguiram lançar uma ofensiva surpresa em novembro. O rigoroso inverno russo pegou os alemães de surpresa, mas Hitler não autorizou a recuada do seu exército. Mas não teve jeito: em 2 de fevereiro de 1943, 91 mil soldados alemães se renderam.

Os números não são exatos, mas em torno de 1,1 milhão de pessoas morreram no conflito, sendo 40 mil civis russos.

Cerco a Leningrado

Fonte: David Trahtenberg/RIA Novosti archive
Fonte: David Trahtenberg/RIA Novosti archive

O Cerco a Leningrado durou 872 dias, de setembro de 1941 a janeiro de 1944.  Atualmente conhecida como São Petersburgo, ela era de grande importância para os dois lados do conflito: a União Soviética e a união dos exércitos da Alemanha, Itália e Finlândia.

Os soviéticos montaram enormes barricadas para proteger a cidade, o que deu certo. Em resposta, os alemães e seus aliados montaram um cerco no entorno da cidade, o que fez com que muita gente morresse de fome. Apesar de algumas evacuações, muita gente optou por continuar na cidade. A fome logo se tornou um problema e existem relatos até mesmo de canibalismo entre a população de Leningrado.

A situação só foi melhorar em 1944, por conta de uma ofensiva lançada pelos soviéticos, que conseguiu retirar o cerco imposto pelos alemães uma das batalhas mais famosas da história.

1 milhão de soldados soviéticos morreram, enquanto que os alemães perderam 580 mil homens. Além disso, entre 670 mil e 1,5 milhão de civis também faleceram, o que faz o Cerco de Stanlingrado ser considerado o conflito mais sangrento e mortal da história da humanidade.

Fonte: Grunge



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com