Cientistas tentam provar que a quinta dimensão existe; entenda

0

Vivemos em um mundo de três dimensões e estamos acostumados com isso. Expandindo o pensamento, podemos determinar o tempo como uma quarta dimensão. Mas e a quinta? Cientistas atualmente tentam provar que ela existe e que é possível que haja muitas outras além dela.

Veja também:   Cientistas observam efeitos de uma possível quarta dimensão do espaço

A chamada quinta dimensão é basicamente o que os pesquisadores do CERN, em Genebra, na Suíça, estão tentando descobrir através dos experimentos no já famoso Grande Colisor de Hádrons (LHC na sigla em inglês). E a chave de tudo isso pode estar na gravidade, como acreditam os cientistas.

A física Rakhi Mahbubani, do CERN, explica o conceito por trás disso. “Se eu te der um ímã de geladeira e uma chave qualquer, o ímã levantará a chave com muita facilidade. A força magnética desse pequeno ímã supera a força da gravidade da Terra, que é enorme, que puxa a chave na direção oposta”, afirma.

O que Mahbubani e os físicos afirmam é que a gravidade pode estar “diluída” em várias dimensões, sendo por isso relativamente fraca por aqui. Portanto, saber mais sobre o funcionamento da gravidade é um caminho para descobrir novas dimensões onde ela pode funcionar de formas diferentes.

Para isso, os cientistas do CERN buscam observar a partícula conhecida como gráviton, que seria responsável por “transportar a gravidade”, assim como os fótons transportam luz, entre outros vários tipos de partículas.

O lendário gráviton

O problema com o gráviton e que dificulta a descoberta da quinta dimensão é que mesmo após 14 anos de estudos com o LHC, ele nunca foi realmente observado. Enquanto a esperança permanece na maior parte da comunidade científica, há quem acredite que a partícula nunca será descoberta, pelo menos não no grande acelerador de partículas.

É o caso de Sean Carrol, do Instituto de Tecnologia da Califórnia. “Existem teorias e estamos testando-as, mas se os grávitons estivessem lá, poderíamos tê-los visto facilmente e não os vimos, então as probabilidades são mínimas”, explica. Mas a busca pelo entendimento completo do universo continua.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com