Concurso Agar Art apresenta obras de arte com micróbios

0

Este é o terceiro ano que a Sociedade Americana de Microbiologia dirige o concurso Agar Art, pedindo “obras que são em seu núcleo organismo(s) que cresce(m) em ágar”. A arte pode ser qualquer tipo de micróbio cultivado em qualquer tamanho ou forma de placa de Petri.

O tipo de imagem criada pelos cientistas é surpreendente, com uma enorme variação de cores e detalhes que poucos conseguiriam imaginar a origem. A vencedora deste ano, Jasmine Temple, usou fermento para criar esta imagem de um pôr do sol sobre a água:

Sunset at the End, by Jasmine Temple of New York University Lagone Medical Center (1st place)
“Sunset at the End”, por Jasmine Temple da Universidade de Nova York, Lagone Medical Center (1º lugar).

Temple é uma técnica de laboratório no Lagone Medical Center da Universidade de Nova York. Esta não foi a sua primeira obra-prima microbiana. Quando Temple se juntou ao laboratório de Jef Boeke, em fevereiro de 2016, ela escolheu participar de um projeto chamado Yeast Art.

O projeto tinha começado vários anos antes, diz ela, quando a pós-doutora Leslie Mitchell publicou um artigo sobre um fermento capaz de produzir pigmentos que ela havia projetado anteriormente.

Colônias de levedura que produziam beta-caroteno poderiam aparecer com a cor laranja, amarelo ou rosa claro, dependendo de ajustes genéticos. Outros fermentos fizeram um pigmento chamado violaceína. Estas colônias poderiam crescer apresentando cores pretas, roxas ou cinzas.

“Quando entrei no laboratório, herdei a paleta de cores da levedura”, diz Temple, que tinha formação em arte além de biologia. Ela criou um site para o projeto Yeast Art e continuou adicionando novas cores de pigmento ao fermento. O estudante de pós-graduação Michael Shen também trabalha no projeto.

Para fazer um pedaço de arte usando fermento, os cientistas imprimem nanodropos das diferentes cepas de levedura em uma grande placa de agar, como uma tela de pontilhismo. À medida que os micróbios de levedura nas gotículas crescem, os pigmentos tornam-se visíveis.

"Finding Pneumo", por Linh Ngo do Sunnybrook Health Sciences Centre (2º lugar).
“Finding Pneumo”, por Linh Ngo do Sunnybrook Health Sciences Centre (2º lugar).

A equipe pode agora fazer levedura da cor rosa escuro, graças à uma proteína vermelha fluorescente. Estas leveduras contêm uma forma modificada de um gene de proteína verde fluorescente, emprestado de uma água-viva.

Há também levedura azul, que tem um gene de anêmona. O gene beta-caroteno que faz as cores laranja, rosa e amarelo começou em outra linhagem de levedura, e o gene capaz de produzir a violaceína (para preto, cinza e roxo) veio de uma bactéria.

“Descobrimos que essa é uma ótima maneira de envolver as pessoas em um laboratório de leveduras”, disse Temple. Grupos de estudantes visitaram o laboratório para desenhar com seus pigmentos de levedura. Ela planeja continuar adicionando à paleta e criando imagens mais complicadas.

A entrada do segundo lugar do concurso foi uma imagem de um recife de coral criado com vários tipos de bactérias naturalmente coloridas, além da levedura. Já o terceiro lugar foi conquistado por um estudante em Tbilisi, Geórgia.

"Dancing Microbes", por Ana Tsitsishvili, estudante na Agricultural University of Georgia (3º lugar).
“Dancing Microbes”, por Ana Tsitsishvili, estudante na Agricultural University of Georgia (3º lugar).

Você pode ver mais das 265 submissões nos três álbuns do Facebook da American Society for Microbiology. Outras entradas incluem uma recriação do retrato de Marilyn Monroe de Andy Warhol, um Donald  Trump, além de várias outras obras incríveis.

Fonte: Discovery

  Top 10 Tentativas de Criar Movimento Perpétuo



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com