Povo indígena Ashaninka, do Acre, adota isolamento rígido e não tem casos de Covid-19 até hoje

0

O Povo Ashanika, que vive no interior do Acre, pode ser considerado um exemplo nesses tempos de pandemia: seus moradores fizeram, desde o início, um isolamento rígido que deu certo, pois o local não registrou um único caso de Covid-19 até agora. As informações são de Aline Nascimento, do G1.

O Povo Ashanika mora na Terra Indígena Kampa do Rio Amônia, que fica na cidade de Marechal Thaumaturgo, a 557 km de distância da capital, Rio Branco. Eles fazem parte da aldeia chamada Apiwtxa, que conta com pouco mais de mil pessoas.

Desde que a pandemia foi declarada, os líderes logo tomaram uma série de medidas de prevenção contra a Covid-19.

A primeira delas foi a criação de uma comissão para encaminhar até Marechal Thaumaturgo os habitantes que precisam resolver alguma pendência na cidade.

No entanto, só podem deixar a aldeia as pessoas que precisam sacar benefícios como Bolsa Família e o Auxílio Emergencial e resolver pendências bancárias ou algo de grande necessidade. Uma vez que o problema é resolvido, os habitantes não podem ficar andando pela cidade e logo retornaram para a comunidade.

Além disso, para sair do local, também é preciso ter autorização dos líderes. No caso de pendências bancárias, eles ainda escolhem apenas um representante por família para ir até a cidade.

Essa comissão também é a responsável por comprar alimentos e itens de primeira necessidade em Marechal Thaumaturgo. Todas as mercadorias adquiridas na cidade são higienizadas e as pessoas envolvidas na compra trocam de roupa e tomam banho antes de retornarem ao local.

Outra medida importante dos líderes da comunidade foi o cancelamento de visitas turísticas.

Francisco Piyãko, um dos líderes da comunidade, explicou que outra decisão importante foi priorizar as plantações da própria aldeia para garantir que nenhum morador fique sem alimento, o que segundo ele, rendeu bons frutos.

Piyãko também disse que tirando todas essas medidas de segurança, a vida continua normal na aldeia Apiwtxa.

“Fizemos o isolamento de fora da comunidade para dentro, lá dentro a vida segue normal. Trabalhamos muito, temos um resultado muito bom esse ano, a produção triplicou. A comunidade se preparou, fizemos muita coisa nessa linha para garantir um estoque para que se tivesse que ter uma crise, uma situação desabastecimento local, nossa comunidade estaria segura para passar os tempos necessários”, afirmou.

Em julho, Associação Apiwtxa e Instituto Yorenka Tasorentsia também iniciaram uma campanha para ajudar os povos que vivem no interior do Acre durante a pandemia.

Até o momento, ela já arrecadou R$ 55 mil e foram distribuídos 1,2 mil kits de cesta básica e 42 toneladas de produtos. As doações continuam abertas. Caso queria contribuir, clique aqui.

O G1 entrou em contato com os Distritos Sanitários Especiais Indígenas do Alto Rio Juruá e Purus (Dsei). Os dois órgãos confirmaram que os Ashaninkas são o único povo indígena que não registrou casos da Covid-19 em todo o estado do Acre.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com