‘Doença da Urina Preta’: conheça e saiba como tratar a rara Síndrome de Haff

0

Recentemente a internet foi movimentada pela notícia de uma veterinária pernambucana, Pryscila Andrade, de 31 anos, que foi vítima da “doença da urina preta”. Um caso desse tipo, em meio a uma pandemia como a que vivemos, assusta qualquer um, mas felizmente não é tão comum assim.

A irmã da profissional, Flávia Andrade, também foi internada no hospital da capital pernambucana, mas se recuperou e já está em casa. As duas comeram um peixe da espécie arabaiana, conhecido como “olho de boi”.

A condição rara, na verdade, se chama Síndrome de Haff e sua transmissão depende de uma série de fatores incomuns para ocorrer. Desde 2017, Pernambuco só registrou quinze casos da doença, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

A doença é causada por meio do consumo de pescados de água doce, como o já citado “olho de boi” e badejo, contaminados por toxina que causa necrose muscular, falta de ar, dormência e altera a coloração da urina para um tom preto.

Ela se constitui em um tipo de rabdomiólise, nome dado para designar uma síndrome que gera a destruição de fibras musculares esqueléticas e libera elementos de dentro das fibras (como eletrólitos, mioglobinas e proteínas) no sangue.

A doença de Haff gera uma rigidez muscular. Além disso, frequentemente ocorre como consequência o aparecimento de uma urina escura em função da insuficiência renal, razão pela qual essa expressão é utilizada para se referir à enfermidade.

Tratamento da Síndrome de Haff

Para o seu tratamento, é indicado que o paciente se hidrate bem nas 48 e 72 horas seguintes aos primeiros sintomas, pois assim é possível diminuir a concentração da toxina no sangue e favorece a eliminação da mesma pela própria urina.

Também pode ser recomendado o uso de analgésicos para alivio da dor e desconforto e até mesmo diuréticos.

As complicações da doença surgem quando não é feito o tratamento adequado, causando insuficiência renal aguda e aumento da pressão arterial em um determinado ponto do corpo que coloca os músculos e nervos desta região em risco.

Os infectologistas ainda não sabem afirmar ao certo se a contaminação do animal ocorre pelo mau acondicionamento ou de algas presentes em sua alimentação.

A principal dificuldade está no fato de que a toxina não tem nem gosto nem cheiro específicos, o que torna mais complexa a sua percepção. Ela também não é eliminada pelo processo de cocção do peixe.

Peixes que podem transmitir a ‘doença da urina preta’, a Síndrome de Haff

Nos relatos registrados ao longo dos anos, pessoas acometidas da doença ingeriram diferentes tipos de peixe, como:

  • Salmão;
  • Arabaiana (olho de boi);
  • Badejo;
  • Pacu-manteiga;
  • Pirapitinga
  • Tambaqui;
  • Diversas outras famílias, como Cambaridae e Parastacidae.

Nem todo peixe das espécies citadas é responsável pela infecção, que é considerada rara.

Peixe-pênis? Criaturas de aspecto inusitado invadem praia da Califórnia



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com