Lembra da Felícia? Ciência explica vontade humana de apertar animais fofinhos

0

Você provavelmente se lembra da Felícia, uma das personagens mais famosas dos ‘Tiny Toons’. Felícia era conhecida por amar tanto a fofura dos animais que tinha um comportamento quase agressivo: ela esmagava os pobrezinhos até seus olhos saírem das órbitas.

Pode ser que você já tenha se sentido exatamente igual à personagem quando encontrou um animalzinho muito muito muito fofo, não? A resposta provavelmente é sim e você não é o único! A ciência consegue explicar esse tipo de comportamento, que é bastante comum.

Uma pesquisa foi realizada por uma equipe na Universidade Yale, nos Estados Unidos. O estudo foi publicado na revista especializada ‘Psychological Science’ e revelou que é normal sentir uma euforia positiva quando se vê um filhotinho muito fofo de animal.

O que acontece é que um segundo impulso, o de morder e apertar até a morte, surge como forma de neutralizar o primeiro sentimento positivo, que o corpo interpreta como fora de controle.

Os cientistas batizaram essa reação com o nome de “agressão fofinha” (“cute aggression”, no original em inglês). Esse tipo de sentimento é ao mesmo tempo positivo e negativo e é super parecido quando você chora de alegria ou ri de nervoso, por exemplo.

A primeira vez que a “agressão fofinha” foi estudada foi no ano de 2012. Nessa ocasião, duas pesquisadoras ofereceram um pedaço de plástico-bolha para 109 pessoas. Depois, foram exibidas várias imagens aleatórias de animais engraçados, neutros ou super lindos.

Veja também:   Cientistas podem ter encontrado primeira lua fora do Sistema Solar

O que elas esperavam era que os animais mais fofos gerassem mais estouros de bolhas, mas foi relatado que os voluntários entraram num estado louco e inesperado de euforia em excesso.

“A capacidade de regularmos a própria força da resposta emocional é altamente adaptável: ela nos impede de investir muita energia nas coisas”, explica Anna Brooks, pesquisadora em neurociência cognitiva da Universidade Southern Cross, na Austrália.

Ou seja, é perfeitamente natural que o bem-estar instantâneo ao ver algo fofinho seja rapidamente “combatido” pelo seu cérebro com algum tipo de sentimento agressivo para tentar neutralizar o excesso de felicidade que você está sentindo.

Foca atira polvo no rosto de homem e vídeo bomba nas redes; assista

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com