Mês de janeiro terá nova ‘Super Lua de Sangue’; entenda o fenômeno

0

O ano de 2018 foi marcado por belos eclipses lunares e quem sente falta dos fenômenos poderá matar a saudade já em janeiro, quando teremos uma Super Lua de Sangue. O nome pode ser até um pouco assustador, mas trata-se de dois eventos relativamente comuns e a boa notícia é que o eclipse será perfeitamente visível em todo o continente americano, enquanto o resto do mundo não terá a mesma sorte.

A Super Lua de Sangue na verdade são dois fenômenos diferentes. A Super Lua por si só, é o momento em que o nosso satélite atinge seu perigeu, o ponto em que sua órbita mais se aproxima da Terra, tornando sua silhueta noturna um pouco maior e ainda mais nítida. A influência gravitacional também é ligeiramente maior, mas não ao ponto de ser percebida.

Já a Lua de Sangue corresponde ao eclipse lunar, evento onde a luz solar atravessa a atmosfera da Terra antes de atingir a superfície lunar, jogando assim uma sombra avermelhada sobre o satélite, algo que os povos antigos associavam ao sangue e em muitas culturas era símbolo de tempos difíceis por vir. Teorias conspiratórias mais recentes associam o fenômeno com o fim do mundo, mas como podemos perceber, até agora isso não aconteceu.

Quem é apaixonado pelo céu deve aproveitar a oportunidade para ver e registrar boas imagens, já que a próxima Super Lua de Sangue deve demorar um pouco mais do que o normal para aparecer. Quem perder o evento do início de 2019 só vai poder observá-la em março de 2021.

Veja também:   Cientistas brasileiros calculam possibilidade de vida extraterrestre

Quando e onde

A Super Lua de Sangue acontecerá no dia 21 de janeiro no Brasil, com o início do eclipse marcado para a 1h15 da manhã. O espetáculo deve durar até as 4h45, mas quem quiser ver o ápice do fenômeno, pode colocar o despertador para as 3h15. Basta torcer para que o céu esteja limpo e sem nuvens. Pouca iluminação ajuda na hora de registrar imagens.

O eclipse poderá ser visto de todo o continente americano, enquanto partes da Europa e da África verão parcialmente. A Ásia e a Oceania, que tiveram o privilégio de ver a Super Lua Azul de Sangue em 2018, dessa vez ficarão fora da festa e verão o evento através de fotos na internet mesmo.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com