Pesquisa diz que insônia e problemas para dormir são resquícios de mecanismos de sobrevivência do passado

0

Se você sofre de insônia ou tem problemas para ter uma boa noite de sono, saiba que isso pode ser fruto de um antigo mecanismo de sobrevivência. Um estudo feito com caçadores modernos na Tanzânia, na África, mostrou que pessoas que vivem em grupos com grandes diferenças de idades sempre garantem que uma pessoa fique acordada o tempo todo.

Os pesquisadores sugerem que uma agenda de sono disfuncional e noites sem dormir é fruto de uma sobra evolucionária, pois nos primórdios do ser humano, tínhamos de ficar alerta, já que um leão poderia te atacar as duas da manhã.

“A ideia de que é benéfico viver ao lado de seus avós já está presente há algum tempo, mas esse estudo estende esse pensamento para vigilância durante uma noite de sono”, disse o coautor David Samson, da Universidade de Duke, nos Estados Unidos.

O povo Hadza, que vive no norte da Tanzânia, até hoje sobrevive por meio da caça e coleta para se alimentar, seguido de ritmos de dia e noite, da mesma forma que humanos fizeram por centenas de milhares de anos até começar a plantar e criar gado e outros animais. Eles vivem em grupos de 20 a 30 pessoas.

Homens do povo Hadza
Homens do povo Hadza

Durante o dia, homens e mulheres se dividem para colher tubérculos, bagas silvestres, mel e carne, nas savanas do entorno do Lago Eyasi.

  Brasil quer proteger 1 milhão de quilômetros quadrados de oceano

Quando a noite chega, eles se reúnem no mesmo lugar, onde os mais jovens e os mais velhos dormem ao lado de uma fogueira ou dentro de tendas feitas com tranças de grama e galhos.

“Ele são modernos como você e eu, mas eles contam uma parte importante da evolução humana, por que eles vivem um estilo de vida que é semelhante às caçadas e colheitas do passado”, afirmou a coautora Alyssa Crittenden, da Universidade de Nevada, nos Estados Unidos.

Como parte do estudo, 33 homens e mulheres saudáveis, com idades entre 20 e 60 anos, utilizaram um pequeno aparelho parecido com um relógio em seus pulsos por 20 dias, que recordava seus movimentos durante a noite.

No final, foi possível observar que o padrão de sono dos Hadzas não era sincronizado. Na média, os participantes dormiam pouco após as 10 da noite e acordavam por volta das 7 da manhã.

Mas também havia quem dormisse antes da oito da noite e acordava às 6 da manhã, enquanto que outros ficavam acordados até às 11 da noite e só despertavam após as 8.

Durante o sono, eles acordavam diversas vezes, seja apenas para se acomodar melhor ou acudir um bebê chorando, fazer necessidades ou até mesmo fumar. Como resultado, momentos em que todos estavam dormindo eram muito raros.

  Eclipse solar que cobrirá Estados Unidos será visto de 8 estados do Brasil

Em 220 horas de observação, os pesquisadores se surpreenderam ao descobrir que todos os adultos dormiram simultaneamente por apenas 18 minutos. Na média, mais de um terço do grupo estava alerta, ou pelo menos em estado de despertar, em qualquer momento.

Essas descobertas comprovam por que os Hadzas, geralmente, não colocam pessoas para vigiar as demais durante a noite. Eles não precisam, disseram os pesquisadores.

Essa variação natural no padrão de seu sono, junto do fato de que os adultos possuem sono leve ou mal conseguem dormir, é o suficiente para garantir que, pelo menos, uma pessoa está alerta em qualquer momento.

“Se você está em um estado de sono mais leve, você está mais ligado a qualquer tipo de perigo presente no ambiente”, disse o coautor Charlie Nunn, antropólogo da Universidade de Duke.

Os pesquisadores também afirmaram que essa agenda desalinhada dos Hadzas é um produto das mudanças de padrão de sono que são associadas com a idade. Participantes entre os seus 50 e 60 anos dormiam e acordavam mais cedo que aqueles na faixa dos 20 e 30 anos.

Essa teoria já ganhou o nome de “hipótese dos avós que dormem mal.”

31534763_3a1d6cc4d3_o

A ideia básica, nesse caso, é que durante a história humana, viver e dormir em grupos de pessoas com diferentes hábitos de sono ajudou nossos ancestrais a manterem um olho nos perigos da noite, e assim sobreviver.

  E se a Terra dobrasse de tamanho?

Os pesquisadores esperam que essa descoberta ajude a melhorar e entender desordens de sono.

“Muitas pessoas procuram os médicos reclamando que acordam cedo demais e não conseguem voltar a dormir. Mas não há nada de errado com elas. Alguns dos problemas médicos que temos hoje podem ser explicados não como desordens, mas sim como uma consequência do nosso passado evolucionário”, disse Charlie Nunn.

Fonte: Daily Mail

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com