Spa ‘vampiro’ que usava sangue em tratamento facial é fechado nos EUA

0

Um spa em Albuquerque, no estado americano do Novo México, foi fechado pelas autoridades americanas. O motivo é um tratamento facial feito à base do sangue da própria pessoa, que estava fazendo sucesso, inclusive entre famosos, mas foi considerado perigoso por risco de contaminação de diversas doenças, além de ser um tanto quanto macabro.

O tratamento consiste em retirar uma porção de sangue da própria pessoa que vai realizar o tratamento. Esse sangue é então submetido a um processo de centrífuga, onde o plasma sanguíneo é separado do restante dos elementos. O plasma do sangue é então espalhado no rosto, acreditando-se que possua propriedades rejuvenescedoras e benéficas para a pele.

Para auxiliar na penetração da substância na pele, muitas vezes o rosto passa por uma série de microfuros ou pequenas ranhuras, para que o plasma seja absorvido com maior eficácia. No entanto, a técnica, que não tem os benefícios confirmados, quando aplicada sem rígidos padrões de higiene e esterilização, pode causar a disseminação de uma série de doenças como HIV e hepatite, que utilizam o sangue como veículo.

O Departamento de Saúde do Novo México decidiu fechar o spa depois que um dos funcionários contraiu uma infecção que pode ter se originado desse tratamento. As autoridades também aconselham qualquer pessoa que tenha realizado o tratamento nos últimos meses a procurar um médico para que exames possam ser feitos, garantindo assim que ninguém tenha contraído alguma doença.

Sangue rejuvenescedor

Não é de hoje que a ideia de que sangue rejuvenesce vem mexendo com a cabeça das pessoas que fazem tudo para manter a boa aparência. A condessa Elizabeth Bathory, que viveu na Hungria entre os séculos XVI e XVII, foi uma serial killer que gerou uma lenda que perdura até os dias de hoje.

Veja também:   Asteroide vai passar muito perto da Terra nesta quarta-feira; saiba mais

A lenda conta que Bathory torturava e matava jovens mulheres para então se banhar em seu sangue. A condessa acreditava que a técnica era capaz de rejuvenescê-la e por isso ela praticou assassinatos entre os anos de 1585 e 1609. Em 1610 ela foi presa e acabou falecendo em 1614, aos 54 anos de idade.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com