Vamos poder falar com os animais um dia?

0

“O que é isso Flipper? O tesouro está lá?” A série de TV dos anos 60, Dolphin, tinha como personagem principal o amigável golfinho Flipper, que conseguia se comunicar com seus tutores e com isso ajudava a prender os criminosos.

A ideia de que animais como Flipper possam se comunicar com os seres humanos não está apenas na TV ou cinema. A história está repleta de animais de celebridades que se comunicavam com cientistas, com variados graus de sucesso. Muitos macacos, incluindo Washoe e Nim, e os chimpanzés Kanzi o bonobo, aprenderam a se comunicar usando a linguagem de sinais ou símbolos em um teclado. Alex, um papagaio cinza Africano aprendeu mais de 100 palavras em inglês, que ele poderia usar e combinar de forma adequada; suas triste últimas palavras para Irene Pepperberg, sua instrutora cientista, foram “Você ser bom. Eu te amo. Te vejo amanhã”. Não teve amanhã para você, Alex… infelizmente.

Golfinhos nos causam um fascínio particular; somos cativados por sua inteligência e beleza, e nadar com golfinhos está regularmente nas listas de coisas para fazer antes de morrer. Denise Herzing tem uma vida útil de tais experiências. Durante os últimos 27 anos, ela nada com um grupo de golfinhos do Atlântico na Flórida, como parte do Projeto Golfinho Selvagem. Ela consegue identificar cada animal e eles, por sua vez, parecem confiar e reconhecê-la. É uma base sólida para a mais ousada tentativa de falar com golfinhos.

Bate-papo de uma só via

A “conversa” é difícil de definir. Um instrutor da SeaWorld, que solicita que um golfinho salte para pegar um peixe está, sem dúvida, se comunicando com ele. Mas tais interações de uma via simples estão muito longe do mundo da conversação do Dr. Doolittle. Aqui, o golfinho responde, mas não diz nada de volta de forma inteligível. A visão de Herzing é muito mais ambiciosa – ela quer estabelecer a comunicação bidirecional com os golfinhos, com ambas as espécies trocando e compreendendo informações.

A idéia de falar com golfinhos tem uma história longa e variada. Foi amplamente divulgado na década de 1960 por John Lilly, que argumentou que os golfinhos têm cérebros grandes o suficientes para serem extremamente inteligentes e terem uma linguagem natural. Tudo o que tínhamos a fazer era “quebrar o código”. Muito do trabalho de Lilly foi altamente questionável. Certa vez, ele inundou uma casa para manter um golfinho cativo, e diversas tentativas para ensinar os golfinhos a falarem Inglês falharam. Ele até mesmo deu LSD aos animais (enquanto também, ele próprio, tomava a droga). Mas não há como negar sua influência na popularização da idéia da comunicação em duas vias com os golfinhos. “Ele disse que, em poucos anos, teremos estabelecido um diálogo complexo com eles”, disse Justin Gregg do Projeto de Comunicação Dolphin.

Veja também:   Estudo revela que seu cérebro pode ser treinado para curar doenças

Lilly estava certo sobre a inteligência dos golfinhos, mas não sobre a linguagem dos golfinhos. Uma linguagem de verdade envolve pequenos elementos que se combinam em cadeias maiores, para transmitir complexas e, às vezes abstratas, informações. E não há boas evidências de que os golfinhos têm isso, apesar de seu rico repertório de assobios e cliques.

Pouca conversação

A comunicação com o golfinho selvagem é difícil de estudar. Eles são rápidos e difíceis de seguir. Eles viajam em grupos, tornando-se difícil atribuir qualquer chamada para um indivíduo específico. E eles se comunicam em frequências além do que os seres humanos podem ouvir. Apesar destes desafios, há alguma evidência de que os golfinhos usam sons para representar conceitos. Cada indivíduo tem o seu próprio “assovio”, como uma assinatura, que pode agir como um nome. Desenvolvido no primeiro ano de vida, golfinhos usam esses assovios como crachás de identidade e podem variá-los para refletir a motivação e humor. Este ano, um estudo mostrou que, quando golfinhos selvagens se encontram, um membro de cada grupo assovia trocando assinaturas.

Mas, além disso, o bate-papo dos golfinhos ainda é, em grande parte, misteriosa. “Para se comunicar com golfinhos, precisamos entender como eles se comunicam uns com os outros no mundo natural”, diz o psicólogo Stan Kuczaj da Universidade de Southern Mississippi. “Nós ainda não sabemos coisas básicas como o que as unidades de comunicação dos golfinhos são. Seria um apito o equivalente a uma “palavra” ou uma “pequena frase”? Nós não sabemos.”

Podemos não ser capazes de compreendê-los ainda, mas sabemos que os golfinhos podem aprender a nos compreender. Na década de 1970, Louis Herman ensinou uma línguagem de sinais inventada, completa, com sintaxe básica, para um golfinho chamado Akeakamai. Por exemplo, se ele fizesse os gestos para “pessoa prancha buscar”, Akeakamai traria a prancha para a pessoa, enquanto “prancha pessoa buscar” levaria a pessoa até a prancha. Seus experimentos mostraram que os golfinhos poderiam compreender centenas de palavras, e que essas palavras poderiam ser combinadas usando as regras gramaticais.

Veja também:   Cientistas divulgam primeira imagem de um buraco negro já registrada

Qual é a minha motivação?

O trabalho de Herman foi inovador, mas ainda era uma comunicação de uma só via. Ela é focada em compreensão, não conversação. Na década de 1980, Diana Reiss teve mais sorte ao mostrar que os golfinhos poderiam usar teclados subaquáticos para fazer solicitações básicas. Quando eles cutucavam teclas com seus focinhos, um apito iria tocar e Reiss dava uma recompensa como uma bola. Eventualmente, os golfinhos utilizavam os apitos artificiais para pedir os benefícios associados.

Mas, ainda assim, não era uma conversa. “Os golfinhos estavam realmente interessados em comunicar apenas sobre as suas necessidades, como uma ferramenta para dar-lhes comida sempre que queriam”, disse Kuczaj, que estava envolvida em um projeto semelhante na EPCOT Center da DisneyWorld. “Esperávamos que eles também comentassem sobre outras coisas acontecendo no aquário, mas eles não fizeram.”

É difíceis persuadir os golfinhos a aprender alguns sinais arbitrários, como um apito significando uma bola, e então usá-los em um contexto social, admite Gregg. “Eles não parecem lidar com isso da mesma forma que os chimpanzés ou os bonobos. O grande obstáculo é a motivação. Golfinhos parecem não se importar.”

Herzing discorda. Ela observa que animais em cativeiro, que muitas vezes não têm estímulo, irão responder a sistemas como na experiência dos teclados subaquáticos. Ela acha que esses experimentos desapontaram porque eram pesados. “Os golfinhos nadam muito rápido, e era nisso que se baseava o experimento, mas os seres humanos são muito lentos na água. Não há suficiente interação em tempo real. ”

O dispositivo CHAT

Dra. Herzing testa seu dispositivo CHAT antes de entrar na água. O CHAT é composto por um alto-falante subaquático (verde), dois hidrofones (em baixo), e um teclado (em cima) que desencadeia a produção de um som na água. O mergulhador também usa um fone de ouvido que confirma, através do computador, que som foi transmitido ou se um som foi recebido.
Dra. Herzing testa seu dispositivo CHAT antes de entrar na água. O CHAT é composto por um alto-falante subaquático (verde), dois hidrofones (em baixo), e um teclado (em cima) que desencadeia a produção de um som na água. O mergulhador também usa um fone de ouvido que confirma, através do computador, que som foi transmitido ou se um som foi recebido.

Herzing está tentando resolver esse problema com o dispositivo conhecido por Cetacean Hearing and Telemetry (CHAT) – uma versão mais leve, portátil dos teclados subaquáticos. Ele consiste de um pequeno computador do tamanho de um telefone, amarrado ao peito de um mergulhador e ligado a dois gravadores subaquáticos, ou hidrofones. O computador irá detectar e diferenciar sons de golfinhos, incluindo os ultra-sons que não podemos ouvir, e usar luzes para dizer ao mergulhador qual animal fez a chamada.

Veja também:   Sabia que o fogovivo de Game of Thrones existiu de verdade? Entenda

O dispositivo CHAT também pode tocar chamadas artificiais, permitindo Herzing a cunhar “palavras” para golfinhos para as coisas que são relevantes para eles, como “algas” ou “ondas de surf”. Ela espera que os golfinhos imitem os assobios artificiais e use-os voluntariamente. Ao trabalhar com animais selvagens, e focalizar objetos em seu ambiente natural, ao invés de bolas ou aros, Herzing espera despertar o seu interesse.

Herzing enfatiza que seu dispositivo não é um tradutor. Em vez disso, ela quer que ambas as espécies criem uma forma comum de comunicação que ambas já estão investindo. Ela espera que o CHAT vá tocar na “propensão natural” que os golfinhos têm “para a criação de informação comum quando têm de interagir”. Por exemplo, na Costa Rica, os parentes distantes, os goslfinhos da Guiana, vão adotar uma coleção compartilhada de sons quando eles vêm juntos, usando sons que eles não usam quando separados.

“Eu conheço os golfinhos pessoalmente – suas personalidades e relacionamentos. Nós temos uma boa idéia sobre o que eles estariam interessados”.

Tal como aconteceu com projetos anteriores, tudo isso depende se os golfinhos tocam juntos. Kuczaj disse: “É um desafio notável porque ela está trabalhando com golfinhos selvagens, de modo que eles têm a opção de participar ou não”. Aqui, Herzing tem uma vantagem, já que os animais a conhecem, e vice-versa. “Nós temos observado os golfinhos debaixo d’água a cada verão desde 1985”, diz ela. “Eu conheço os golfinhos pessoalmente – suas personalidades e relacionamentos. Nós temos uma boa idéia sobre o que eles estariam interessados”.

Talvez esta combinação de tecnologia de ponta e trabalho de campo vá, finalmente, produzir as conversas que têm deixado os cientistas frustrados há tanto tempo.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com