Autoaplicável e pelo correio: como serão as vacinas no futuro?

0

Chega de filas de espera e agulhas que apavoram. No futuro, as vacinas poderão ser enviadas pelo correio e aplicadas pelo próprio paciente com uma microagulha que não chega tão fundo na musculatura e torna todo o processo mais simples e seguro, possibilitando que mais pessoas tenham acesso aos medicamentos. E acredite: não é tão absurdo assim.

É o que garante um grupo de cientistas de diversas universidades dos Estados Unidos, Canadá e Israel. Eles publicaram um estudo onde mostram os bons resultados que obtiveram em testes com vacinas para gripe que podem ser autoadministradas, ou seja, aplicadas pelo próprio indivíduo que vai receber a dose.

Todo esse sistema foi pensado para a possibilidade de uma pandemia ou grande infecção, mas ele também pode ser aplicado para vacinas mais comuns, como a da gripe. A microagulha tornaria a aplicação mais rápida e simples, acabando com filas em hospitais e centros médicos em geral.

As novas tecnologias não impactam apenas na aplicação e distribuição das vacinas, mas também na produção delas, algo que muitas vezes é considerado o maior problema no combate a certos tipos de infecções. As vacinas do futuro devem ser não só mais fáceis e simples de se aplicar, mas também mais eficientes, podendo ser consideradas como versões mais potentes dos medicamentos atuais.

Normal ou aditivada?

Algumas pesquisas estão avançando na descoberta de substâncias químicas que serviriam como verdadeiros aditivos nas vacinas, que teriam sua capacidade de imunização aumentada com a adição de alguns elementos. Testes envolvendo animais já mostraram resultados animadores e a experiência em seres humanos deve ser o próximo passo.

Veja também:   Neurônios são 'fotografados' em 3D por cientistas brasileiros pela 1ª vez

Outra tecnologia que seria importante na produção das vacinas é o uso de lasers que fariam a leitura de determinadas infecções e poderiam determinar graus de infectividade viral, a capacidade de um agente de causar infecção. Assim, seria possível produzir vacinas especiais para cada paciente e tipo de infecção.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com