23 curiosidades sobre os raios X

0

Há muito tempo, os raios X foram descobertos acidentalmente por Conrad Röntgen. Hoje, eles são um dos avanços mais úteis da história da Medicina, sendo usados no tratamento do câncer, na indústria e em muitos outros campos da ciência e da tecnologia. Veja algumas curiosidades sobre os raios X.

curiosidades sobre os raios x

Confira 23 curiosidades sobre os raios X

 

O acidente que deu certo
Os raios X foram descobertos acidentalmente quando o cientista alemão Wilhelm Conrad Röntgen (27 de março de 1845 – 10 fevereiro de 1923) estava fazendo experimentos com tubos de vácuo em 1895.
Nobel na humildade
Wilhelm Röntgen, o cientista que descobriu os raios X, foi gratificado com o primeiro Prêmio Nobel de Física em 1901. Ele se recusou a tirar patentes relacionadas à sua descoberta porque queria que a humanidade como um todo se beneficiasse.
As radiações eletromagnéticas
A radiação X ou raio X é uma forma de radiação eletromagnética de alta energia. Outros tipos de radiação eletromagnética que compõem o espectro eletromagnético são microondas, luz infravermelha, luz visível, luz ultravioleta e raios gama. Todos eles viajam em ondas, mas têm comprimentos de onda diferentes.
Um dos avanços mais úteis
Da identificação de ossos quebrados à doença, o raio X é um dos avanços médicos mais úteis na história. É também a forma mais antiga e mais comum de imagiologia (especialidade médica que permite a obtenção de imagens de diversos órgãos e sistemas).
Os dois tipos
Os raios X podem ser divididos em raios X duros e raios X moles. Como os raios X duros têm maior energia e, portanto, maior capacidade de penetração, são usados na radiografia médica e na segurança do aeroporto.
A primeira radiografia
O primeiro raio X (ou radiografia) foi da mão da esposa de Röntgen, completa com aliança de casamento, em 1895. Sua esposa ficou menos impressionada e declarou: “Eu vi minha morte!”
O efeito cumulativo
O efeito dos raios X é cumulativo, o que significa que doses menores ao longo de vários anos podem ser iguais a uma dose grande de uma só vez.
O erro comum no português
Um erro bastante comum em português é confundir a palavra “Raio X” (sem hífen), que se refere à própria radiação eletromagnética, com a palavra “raio-x” (com hífen), que é usada para se referir ao exame. Ex: Fiz um raio-x à coluna.
Um pouco prejudicial
Os raios X têm energia suficiente para ionizar átomos e romper as ligações moleculares, o que os torna prejudiciais ao tecido vivo.
Nome por acidente
Wilhelm Conrad Röntgen ficou confuso com a radiação que havia descoberto quando encontrou os raios X, então os chamou temporariamente de “raios X”, sendo o “x” um símbolo matemático de algo desconhecido. Embora ele tenha se contrariado, o nome se fixou, mesmo que os raios X sejam ocasionalmente chamados raios Röntgen em países de língua alemã.
Se protegendo da radiação
Röntgen usara uma caixa de zinco e uma placa de chumbo para seus feixes de raios X, que protegiam as placas fotográficas em seu laboratório de serem expostas acidentalmente. Isso casualmente o protegia. Outros cientistas cedo não tiveram tanta sorte, e muitos sofreram queimaduras, doença de radiação, envelhecimento prematuro, perda de cabelo e câncer.
A primeira morte por raio x
O primeiro ser humano conhecido a ser morto por raios X foi Clarence Dally, que tinha passado um número de anos trabalhando na lâmpada de raios X de Thomas Edison. Depois de anos de trabalho, seu cabelo caiu e sua pele rompeu em lesões que não cicatrizavam. Enquanto Edison cancelou a lâmpada, Dally continuou trabalhando com raios X. Queimaduras em suas mãos tornaram-se cancerosas, e ele teve ambos os seus braços amputados. Morreu em 1898 com 39 anos.
A origem da radioterapia
Emil Grubbe (1875-1960), um estudante do Hahnemann Medical College em Chicago, percebeu que a pele de sua mão iria cair depois de colocá-la em uma máquina de raios X. Ele sugeriu tentar os raios em uma paciente com câncer de mama, Rose Lee, que foi diagnosticada com a doença e sem esperança de cura. Seu câncer encolheu e pareceu sumir. Nasceu, então, a radioterapia.
Protegidos pela atmosfera
A atmosfera da Terra é espessa o suficiente para que quase nenhum raio X do espaço exterior possa fazer todo o caminho até a superfície terrestre.
Raio X não só na Terra
Muitos objetos no espaço emitem raios X, incluindo buracos negros, estrelas de nêutrons, o Sol, alguns cometas, remanescentes de supernova e sistemas de estrelas binárias.
Ondas poderosas
Um raio X fornece cerca de 10 milhões de vezes mais energia do que uma onda de rádio, o que dá uma ideia de porque as ondas de rádio não nos fazem mal, mas os raios X podem.
A frase de Thomas Edison
Depois que um de seus assistentes trabalhando em seu projeto de raio X mostrou sinais de doença, Thomas Edison disse: “Não fale comigo sobre raios X. Tenho medo deles. “
Do menos para o mais perigoso
A escala do menos perigoso (comprimento de onda mais longo) para o mais perigoso (mais curto) tem ondas de rádio em uma extremidade e, em seguida, microondas, radiação infravermelha, luz visível, radiação UV, raios X e, em seguida, raios gama na outra extremidade.
Como funcionam as cores na chapa de raio X
Quando os raios X são passados através do corpo, algumas ondas passam através do tecido e transformam o filme preto. Outras ondas são bloqueadas (por exemplo, por ossos), que deixa sombras brancas na película. Cada tipo de tecido permite que os raios X passem de forma diferente.
Usando o raio X para o bem
Depois que Röntgen descobriu os raios-X, o Dr. Harvey Cushing, de Harvard, promoveu o desenvolvimento de raios X clínicos que o levaram a um trabalho pioneiro na cirurgia cerebral. Ele usaria raios X para ajudá-lo a localizar e remover tumores.
Segurança com os raios
Os raios X foram inicialmente considerados seguros – até que cientistas e outros que trabalharam com eles começaram a morrer misteriosamente. Foi o trabalho de Marie Curie que levaria a avanços de segurança no campo da radiologia e radiografia.
Alguns tipos especiais
Tipos especiais de raios X incluem mamografias, radiografias dentárias, contraste de raios X, fluoroscopia e tomografias computadorizadas. Outras técnicas de imagem, tais como imagem por ressonância magnética e ultrassom não utilizam raios X.
Em 1999, a NASA lançou seu Observatório de raios-X Chandra, que foi projetado para capturar as emissões de raios X das regiões quentes do Universo, e capturar imagens espetaculares como explosões de estrelas, buracos negros e aglomerados de galáxias.
  A mudança climática está mexendo com o eixo da Terra

 

FONTE



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com