10 Espetaculares Formações Geológicas e Eventos da Terra Antiga

0

A evolução da Terra Antiga apresentou formações geológicas incríveis. Ao longo de sua posse de 4,5 bilhões de anos, a Terra já foi palco de numerosas formações geológicas de tirar o fôlego e de eventos inspiradores. E foi cada evento desse que moldou o planeta de hoje, bem como os organismos que surgiram, e ninguém pode imaginar como seria a terra sem esses eventos, e muitos deles catastróficos. Veja como foi a evolução da Terra antiga.

O Planeta Terra nos dias atuais
O Planeta Terra nos dias atuais
TERRA, O PLANETA ÁGUA

Aproximadamente 71% da camada exterior da Terra é coberta com água, Embora isso ainda deixa uma boa quantidade de terreno seco com paisagens. Agora volte vários bilhões de anos, no entanto, O nosso planeta foi o Planeta Água.

Quaisquer extraterrestres que viajavam pelo nosso sistema solar a 2,5 bilhões de anos atrás teriam olhado para uma esfera azul e brilhante. Nessa época, a terra antiga era um oceano quase eterno, com apenas 2 á 3 por cento da superfície acima da água. De acordo com Nicolas Flament da Universidade de Sydney, isso é porque o manto terrestre foi de 200 graus Celsius (360 ° F) mais quente do que é hoje, devido a uma abundância de material radioativo. As fontes de calor radioativas levantaram a crosta oceânica, empurrando os mares para cima e causando inundações, digamos que aquelas mesmas inundações citadas pela bíblica.

O planeta oceano foi como uma panela escaldante e com poucos minerais, mas uma nova pesquisa de Stanford sugere temperaturas francamente agradáveis. Estimativas anteriores ocorreram tão elevados quanto 55 a 85 graus Celsius (131-185 ° F), o suficiente para derreter organismos Exordial do planeta em hidrocarbonetos. No entanto, os isótopos de hidrogênio e oxigênio em sílex, ou rocha sedimentar, mostram os mares sendo cobertos em 40 graus Celsius (104 ° F), perfeita temperatura para uma banheira de hidromassagem. A abundância de hidrogénio pode ter prejudicado algumas espécies de início, aumentando a acidez aquática, mas a maior parte escapou para o espaço.

A terra já foi coberta com 71% de água
A terra já foi coberta com 71% de água
OS ASTEROIDES INDUZIRAM ERUPÇÕES BASÁLTICAS

O asteroide que atingiu a Península de Yucatán a 66 milhões de anos atrás não foi a única causadora do desaparecimento dos dinossauros. Como dizia alguns parentes seus, “Se você quer algo bem feito, faça você mesmo”, a própria Terra deu o último golpe de misericórdia com uma enxurrada de violência vulcânica.

Um novo estudo da UC Berkeley sugere que o asteroide tocou a terra antiga como um sino, enviando vibrações ondulantes em todo o planeta e “ding dong” vulcões enfurecidos explodiram. Além da força transmitida pelo impacto cósmico, também surgiram as plumas espumantes de rocha fundida, naturalmente ficaram borbulhando através do manto cerca de 20 a 30 milhões de anos. De facto, tais efeitos têm sido a explicação de várias extinções em massa. Além disso, a evidência geológica mostra que os terremotos desencadearam atividades vulcânicas, Pesquisadores acreditam que o trauma desse asteroide resultou em uma magnitude de 9 tremores em todo o globo.

As erupções mais notáveis ocorreram no que é hoje a Índia, desencadeando fluxos vasto de basalto, que criou o The Deccan Traps em um ponto coberto com um pedaço da Califórnia, parte dessa região foi ocupada por 1,6 km (1 mi) de lava vulcânica. Esta região já estava ativa antes do desastre, mas a rocha espacial parece ter redobrado a fúria na região de Deccan.

Não foram apenas os asteroides culpado pela extinção dos Dinossauros
Não foram apenas os asteroides culpado pela extinção dos Dinossauros
O LAGO GLACIAL MISSOULA

Durante a última era do gelo, geleiras bloqueavam o noroeste do Pacífico. Os grandes congelamentos invadiram o Panhandle Idaho e bloquearam os canais de drenagem, criando os 600 metros de profundidade, assim criando o Glacial Lake Missoula. Com mais água no Lago Erie e Lago Ontário foi se criando uma barragem de gelo, e isso não foi nada bom, as catástrofes eram inevitáveis… e ao mesmo tempo magníficas para testemunhar!

Veja também:   Sol vermelho e céu cinzento chamam a atenção em todo o Brasil

Propensas a vazamentos, A barragem de gelo começou a se desfazer entre 13.000 a 18.000 anos atrás. Como nada poderia conter as águas, Missoula lançou uma enorme quantidade de água nos dois grandes lagos em todo Idaho, Washington e os rostos do Oregon. O grande lago atingiu um pico de fluxo 10 vezes maior do que todos os rios da Terra combinadas e esvaziou-se ao longo de alguns dias.

Enquanto as camadas de gelo recuavam até a próxima era do gelo, essa catástrofe ainda tinha deixado mais uma lembrança. Partes do noroeste dos Estados Unidos são cobertos em ondulações, semelhantes aos formados em praias pelas ondas. No entanto, esses sulcos são de até 15 metros de altura, produzidas pelas famosas “inundações bíblicas”.

Missoula, conhecido como a catástrofe bíblica
Missoula, conhecido como a catástrofe bíblica
O OCEANO VULCÂNICO

Antes da vida complexa, a maioria da massa terrestre eram presas em um supercontinente chamado Rodinia. Com Rodinia se dividindo e as suas massas de terra constituintes originando-se, os níveis de dióxido de carbono na atmosfera foram caindo. Em seguida, cerca de 700 milhões de anos atrás, o planeta estava mergulhado em uma era de gelo, também conhecido como “A Terra bola de neve”.

Parece que a catástrofe que congelou o nosso mundo, eventualmente, foi ele quem salvou a terra e até mesmo criando os oceanos para as primeiras formas de vida. De acordo com uma pesquisa liderada pelo Southampton, Rodinia começou a se fragmentar até nascer nos oceanos milhares de penhascos. Estes penhascos foram formados por inúmeros vulcões que enriqueceram os mares com minerais do fundo do planeta.

Esta ideia é chamada de formação carbonato de cálcio de espessura grossa, depósitos rochosos formados por vulcões primitivos. Estes não poderiam ter sido formados, no entanto, a menos que o oceano foi imprevistamente alcalino. Especula-se que as chuvas varreram minerais dissolvidos no oceano, transformando a escala de pH em suas células, mas é improvável que isso poderia ter ocorrido a tal ponto. Em vez disso, vulcões submarinos explosivos foram recheando os mares com todos os tipos de guloseimas químicas, especialmente o fósforo, que é essencial para a construção de membranas celulares e DNA, criando abrigos de vida multicelular.

A maioria dos minerais estão nos oceanos
A maioria dos minerais estão nos oceanos
VULCÃO QUE MOSTRA CICATRIZES E SINAIS DE ANTIGO MEGA-TSUNAMI

A algumas milhas da costa oeste da África, a ilha de Cabo Verde suporta os sinais sutis de uma catástrofe pré-histórica. Em Santiago, a maior ilha é lar de 250.000 pessoas, os pesquisadores descobriram algo estranho, Pedras de Sísifo que não combinavam com a paisagem da região. Diferente de magia, apenas um tsunami poderia arremessar essas pedras de até 700 toneladas a cerca de 800 metros (2.600 pés) para a ilha.

Cerca de 50 quilômetros de distância de Santiago, os investigadores pegaram um agressor em flagrante, um dos vulcões da ilha mais beligerantes (agressor) da Terra. O vulcão com mais vestígios e cicatrizes antigas nos diz que cerca de 73.000 anos atrás, um de seus lados caiu no mar, deslocando grandes quantidades de água e enviando ondas apocalípticas para Cabo Verde.

Veja também:   Tunguska brasileiro: saiba o que foi e como ocorreu o evento de Curuçá

O tsunami poderia cobrir torres de 170 metros de altura, tão altas quanto o Monumento de Washington. Para efeito de comparação, os tsunamis induzidos por terremotos que atingiram o Oceano Índico e no Japão, em 2004 e 2011, respectivamente, chegou a altura de 40 metros de onda. Felizmente, esses eventos são extremamente raros. Os pesquisadores especulam que um desastre como esse só acontecerá uma vez nos próximos 100.000 anos.

Tsunamis imagináveis
Tsunamis imagináveis
UM DESLIZAMENTO DE TERRA GIGANTESCO EM MARKAGUNT

Utah nem sempre foi um deserto salgado. Texmex Utah foi pontilhado com lavas vulcânicas escorrendo o tempo todo cerca de 20 a 30 milhões de anos atrás. Embora isso seja muito tempo, esses vulcões deixaram para trás um grande tapete de cinzas e material de ígnea em uma ampla faixa de terra que é agora conhecido como o campo vulcânico Marysvale.

Inesperadamente, os geólogos também descobriram pedaços de pedras quebradas ensanduichadas entre as camadas de material vulcânico, como alguns fósseis que foram encontrados dentro de pedras. Por um tempo, eles assumiram que as pedras tinham aparecido aleatoriamente a partir de diferentes fontes, como rochas estão acostumados a fazer. Agora, parece que as rochas ensanduichadas foram depositadas simultaneamente durante um evento de deslizamento de terra registro denominado “The Markagunt Gravity Slide”

E foi marcado historicamente como um dos maiores deslizamentos já acontecido, cobrindo uma área maior que 39 Manhattans juntas. Ao todo, 1,700 a 2,000 quilômetros cúbicos de rocha, agora espalhados por 3.400 quilômetros quadrados pela paisagem de Utah. Datando os estratos de cinzas acima e abaixo das rochas, geólogos estimam que o deslizamento de terra teria ocorrido no local cerca de 21,6 e 22 milhões de anos atrás.
A causa disso tudo ainda é desconhecida. É possível que o aumento do magma de um vulcão fosse jogado para fora, criando uma pilha instável de rocha quebrada. O que se sabe é que fomentação foi suficiente para derreter e fazer com que as rochas escorregassem produzindo o material em fragmentos de vidro de 2 a 5 centímetros de espessura.

Deslizamentos de terra gigantesco
Deslizamentos de terra gigantesco
OS GRANDES LAGOS OCIDENTAIS

Durante o pico mais recente da era glacial, conhecido como o Último Máximo Glacial, o oeste dos Estados Unidos possui o seu próprio conjunto de grandes lagos, como o volumoso Great Lakes. Pesquisadores de Stanford finalmente descobriram que seu tamanho tão vasto foi devido a taxas de evaporação mais baixas.

Cobrindo grandes partes da Califórnia, Nevada, Oregon e Utah, o lago cresceu lentamente, alimentado por rios e riachos. Consequentemente, o aumento da chuva e a queda de neve foram falsamente envolvido no crescimento dos lagos.

A partir da perda de carbono e de urânio, e como a relação entre isótopos de oxigênio, os pesquisadores descobriram que as taxas de evaporação foram 40% mais baixas do que hoje em dia, devido ao esfriamento em massa. Os pesquisadores também descobriram que em Lake Surprise já foi tão grande como San Francisco Bay, com uma superfície de 1.010 quilômetros quadrados.

Grandes lagos ocidentais
Grandes lagos ocidentais
MONTANHAS ANTIGAS ESTIMULARAM AS PRIMEIRAS ESPECIES

É o maior enigma duradouro: Cerca de 600 milhões de anos atrás, uma fonte misteriosa enriqueceu os oceanos com blocos de construção molecular e estimulou uma grande proliferação com formas de vida. Agora, a pesquisa revelou que a cordilheira antiga é muito parecida com a dos Himalaias.

Veja também:   Por que julho de 2019 foi o mês mais quente da história?

O ciclo foi formado como duas placas continentais colidindo uma com a outra, forçando pedaços de crosta terrestre de 100 km para dentro do manto terrestre. Assim nasceu a maior cordilheira pré-histórica do mundo, Como uma gama de novos materiais a partir do aquecimento de massa e de pressurização das rochas. A descoberta também confirma que Himalaia landforms pode ter existido no passado.

As montanhas esticam-se a 2.500 quilômetros em toda a África e no Brasil, que foram então conectados como parte de um supercontinente conhecido como Gondwana. A gama sofreu erosão brutal, o destino de todas as formações terrestres gigantes, e seus muitos minerais derramados nos mares. Ao longo de centenas de milhões de anos, as montanhas foram moídas em pó. Tudo o que resta hoje é uma rede de raízes rochosas e alguns cactos para marcar o local.

Fonte que enriqueceram os oceanos
Fonte que enriqueceram os oceanos
O MAR INTERIOR OCIDENTAL

Durante o período Cretáceo, América do Norte foi dividida pelo mar interior ocidental (The Western Interior Seaway), que conectado ao Labrador e Hudson Seaways que circula o Canadá e a ponte alta do Norte. Estes mares rasos foram formados conforme as mudanças tectônicas e se afundou nas Américas, permitindo que as águas ficassem mais aceleradas. O Seaway dominou completamente o terreno, que se estendeu desde o Oceano Ártico até o Golfo do México.

A atividade tectônica ao acaso fez com que os mares interiores estremecesse, drasticamente mudando suas linhas costeiras, deixando depósitos expostos de areia, lodos e argila. Alguns desses restos são visíveis até hoje.

Como a paisagem continuou mudando na era final Cretácea, o Seaway gradualmente se deslocou para o norte e deixou para trás vastas planícies aluviais, revelando alguns dos mais ricos locais com fósseis de dinossauros da América do Norte.

The Western Interior Seaway
The Western Interior Seaway
OÁSIS SARIANOS (SAHARAN OASES)

O Deserto do Saara é um deserto inóspito, Geólogos descobriram os contornos das três principais rodovias ciliares que atravessavam o deserto a 100.000 anos atrás, O Harharhar, Sahaba, e o Rivers Kufrah.

Não eram apenas pingos de água. Os rios eram poderosos, com canais férteis e com muita paisagem. Esses fatores podem ter ajudado os primeiros humanos a migrarem para regiões mais suaves, digamos que com um clima mais agradável. Exatamente quando e onde nossos ancestrais atravessaram a fronteira para o Mediterrâneo continua sendo um mistério, embora os pesquisadores acreditam que ele pode ter sido ao longo dessas mudanças de vegetação. Além de rios, na região nordeste da Líbia teria cerca de 70.000 quilômetros quadrados de lagoas e pântanos, um conforto entanto para os primeiros viajantes e um local perfeito para nossos antepassados começaram com as primeiras caças.

Uma pesquisa com um satélite japonês também descobriu uma rede de vias muito longe escondida sobres as areias da Mauritânia. O canal atravessa mais de 500 km do Saara Ocidental em sua trajetória para o mar. A última inundação aconteceu cerca de 5.000 anos atrás, e se um dia o rio for restaurado como era antigamente, ele seria reconhecido como o 12º maior rio do mundo.

O deserto já teve uma boa vegetação
O deserto já teve uma boa vegetação



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com