Novo chip de IA mobile da Apple pode criar novo nível de inteligência

0

A Apple está trabalhando em um chip chamado Apple Neural Engine, que seria dedicado a realizar o processamento de inteligência artificial (IA) em seus dispositivos móveis. O novo chip poderia revolucionar os aparelhos criados pela empresa.

Embora a IA já esteja sendo usada amplamente para capacitar assistentes digitais como a Siri e o Assistente do Google, essas tecnologias contam com servidores de computador para processar os dados enviados para eles, em vez de o processamento acontecer no próprio dispositivo móvel.

A realidade aumentada e os assistentes digitais não são as únicas aplicações de IA que se tornarão importantes em dispositivos móveis. Uma vez que a capacidade esteja disponível para todos os desenvolvedores de aplicativos, isso trará novos tipos de recursos para os dispositivos móveis.

As aplicações de saúde, por exemplo, serão capazes de saber quando as leituras de dados do seu corpo, a partir de sensores no telefone ou dispositivos associados, são anormais e precisam ser atualizadas.

Mas os usos são potencialmente ilimitados e trarão uma nova fase de como confiamos nas aplicações e nos dispositivos móveis na nossa vida cotidiana. E com o chip, eles funcionarão, mesmo quando o dispositivo não estiver conectado à internet.

Estritamente falando, um processador específico não é um requisito essencial para se usar uma IA em um telefone celular.

A fabricante de chips, Qualcomm, por exemplo, forneceu uma abordagem baseada em software, chamada de mecanismo de processamento neural Snapdragon, para permitir que os desenvolvedores usem seus chips convencionais para incorporar a IA em seus softwares.

Um exemplo disso é um carro que monitora o  motorista usando uma câmera e avisa quando ele está usando seu celular, ou dirigindo erraticamente. O hardware específico da IA, no entanto, acelera muito o processo chamado “aprendizagem da máquina” e permite que tipos mais avançados de IA sejam usados.

O início da revolução

O hardware de IA do Google, chamado de Unidade de Processamento de Tensor, é de 15 a 30 vezes mais rápido do que os processadores de computador (CPUs) e processadores gráficos (GPUs) que são usados nos computadores atualmente.

Essas TPUs permitiram que a DeepMind do Google tivesse sua capacidade de vencer os campeões mundiais do jogo chinês de Go. Estas TPUs também possuem um software automatizado de tradução de idiomas, o Google Translate.

A inclusão de IA no software móvel aumentará massivamente a utilidade potencial desse software e, por isso, o quanto nós dependemos do celular. Nosso estado de saúde, por exemplo, é uma questão sobre como nos sentimos em determinado momento em relação à forma como nos sentimos habitualmente.

Alterações no comportamento podem sinalizar mudanças na saúde mental, incluindo condições como demência e Parkinson. Elas também podem ser precursoras de doenças como diabetes, ou doenças respiratórias e cardiovasculares.

Nossos telefones poderiam monitorar padrões de atividade e até mesmo como caminhamos. Essa habilidade seria baseada no software que aprende nossos padrões normais e uma vez que ele detectar uma mudança, decide o que fazer sobre isso.

O telefone seria parte de um ecossistema auto-dirigido de máquinas inteligentes e autônomas, incluindo carros. Não só a condução de carros autônomos é completamente dependente da IA para funcionar, mas também é provável que as pessoas eventualmente compartilhem o uso desses carros quando necessário, ao invés de possuir um deles.

A IA será novamente essencial para gerenciar como esse compartilhamento funcionaria, para gerenciar a distribuição mais eficiente de carros, direcionando quais carros precisam escolher quais clientes.

Para fazer isso, o serviço de agendamento de uma IA precisará manter contato com o software de IA em todos os telefones, para determinar onde e quando eles estarão em um determinado local e onde eles precisam chegar.

IA em um dispositivo móvel também será usada cada vez mais para manter o dispositivo protegido, verificando se as aplicações e as comunicações são seguras ou se provavelmente são uma ameaça.

Esta tecnologia já está sendo implementada em eletrodomésticos inteligentes, mas como software. A adição de chips especiais de IA permitirá que eles sejam muito mais rápidos e façam mais coisas.

Os pesquisadores também estão analisando a forma como nós nos movemos como um meio de identificação exclusiva do usuário de um dispositivo.

A IA será essencialmente capaz de preencher e aplicar a compreensão e o conhecimento que nem todos possuem. E mesmo para quem possui o conhecimento, lembrar de fazer certas tarefas, mesmo quando é algo do nosso interesse, pode ser difícil.

Como sempre, há um contra argumento para os benefícios de aumentar a inteligência de dispositivos móveis. O receio é o de que, à medida que confiamos nos dispositivos para fazer as coisas por nós, perderemos a capacidade de manter essa habilidade.

Isso pode acabar afetando a capacidade cognitiva geral de uma pessoa, ou pelo menos, a sua capacidade de operar sem uma IA – da mesma forma que hoje em dia muitas pessoas já não conseguem decorar números de celular ou realizar contas sem uma calculadora.

De qualquer forma, o resultado bem-sucedido de ter ajuda de uma IA vai sempre depender do usuário ser capaz de seguir as sugestões do aplicativo de forma consciente e crítica, algo que nem todas as pessoas são tão boas em fazer.

Fonte: Phys

  Qual é o som de alguns lugares do Sistema Solar?

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com