Cientistas descobrem mistério da formação da antimatéria na Via Láctea

0

Uma equipe de astrofísicos internacionais liderada pela Universidade Nacional Australiana (ANU) mostrou como a maior parte da antimatéria existente na Via Láctea se forma.

A antimatéria é um material composto pelas antipartículas parceiras da matéria comum – quando a antimatéria se encontra com a matéria, elas rapidamente se aniquilam para formar uma enorme explosão de energia na forma de raios gama.

Os cientistas sabem desde o início da década de 1970 que as partes internas da Via Láctea são uma fonte constante de raios gama, o que indica a existência de antimatéria, mas não havia uma visão estabelecida sobre a sua origem.

O pesquisador da ANU, Dr. Roland Crocker, afirmou que a equipe demonstrou que a causa era uma série de explosões fracas de supernovas ao longo de milhões de anos, cada uma criada pela convergência de duas anãs brancas, restos ultracompactos de estrelas não maiores do que dois sóis.

“Nossa pesquisa oferece uma nova visão de uma parte da Via Láctea, onde encontramos algumas das estrelas mais antigas de nossa galáxia”, disse o Dr. Crocker da ANU Research School of Astronomy and Astrophysics.

Dr. Crocker disse que a equipe tinha descartado o buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea, assim como a matéria escura ainda misteriosa, como sendo as possíveis fontes da antimatéria.

Antimatéria de anãs brancas

A antimatéria veio de um agrupamento onde duas anãs brancas formam um sistema binário e colidem uma com a outra. A menor das estrelas perde massa para a estrela maior e termina sua vida como uma anã branca de hélio, enquanto a estrela maior termina como uma anã branca de carbono-oxigênio.

Veja também:   Vombate é o único animal com fezes em cubo - e esse estudo explica o porquê

“O sistema binário passa por um momento final dramático: como as anãs brancas orbitam umas às outras, o sistema perde energia para ondas gravitacionais levando-as a entrar em uma espiral, cada vez mais perto uma da outra”, disse o Dr. Crocker.

Quando elas se aproximam demais, a anã branca de carbono-oxigênio rasga a estrela companheira cujo hélio rapidamente forma uma capa densa cobrindo a estrela maior, levando rapidamente a uma supernova termonuclear que seria a fonte da antimatéria.

Fonte: Phys.Org

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com