Cometa de fora do Sistema Solar pode ser o maior já registrado

0

Imagine um cometa tão grande que, inicialmente, se pensava que ele fosse um planeta anão. Pois um desses está vindo na direção do Sistema Solar.

  • Beba com moderação, mas tudo em cervejas é na Amazon! Confira a nova seleção de bebidas tradicionais e artesanais em oferta. Entrega rápida e opções com frete GRÁTIS. Clica aqui!

Provavelmente saindo de nuvem de Oort, o cometa não representa nenhum risco para a Terra, mas seu tamanho impressiona e sua passagem permitirá a realização de estudos nunca feitos sobre objetos desse tamanho.

Nomeado C/2014 UN271 (Bernardinelli-Bernstein), o cometa deve passar pelo Sistema Solar na distância da órbita de Saturno, portanto, muito longe da Terra.

Ele traz consigo a possibilidade de analisarmos um objeto de tanta magnitude, que vem de um local onde as origens do Sistema Solar podem ser encontradas.

O cometa gigantesco visitou a nossa vizinhança pela última vez há cerca de 3 milhões de anos, que deve ser o intervalo médio com que ele passa por aqui.

Os cientistas estão empolgados com o fato de que ele foi observado ainda distante, possibilitando que ele seja analisado com muito tempo e cuidado, conforme se aproxima do Sistema Solar.

A área mais externa do sistema é um dos pontos mais misteriosos do espaço para nós, embora seja relativamente próximo.

Na verdade, qualquer coisa que se localize depois da órbita de Netuno é difícil de observar, mas novas tecnologias têm ajudado a aumentar o grau de nitidez das observações, como foi o caso da descoberta do cometa gigante nos últimos meses.

  • Beba com moderação, mas tudo em cervejas é na Amazon! Confira a nova seleção de bebidas tradicionais e artesanais em oferta. Entrega rápida e opções com frete GRÁTIS. Clica aqui!

Lentes melhores para “ver de perto”

O cometa foi descoberto com o auxílio de uma ferramenta que foi feita para “enxergarmos” muito mais longe do que os limites do Sistema Solar.

O Dark Energy Survey (DES) foi feito para analisar energia escura e matéria escura, dois dos principais e mais misteriosos componentes do universo, localizados principalmente fora da galáxia, nos limites do universo observável.

No entanto, a ferramenta também ajuda a analisar objetos que não estão tão longe assim, como aqueles com origem na nuvem de Oort, o chamado limite do Sistema Solar. A aplicação de novas tecnologias em estudos antigos é um método ainda pouco explorado, mas que tem rendido resultados impressionantes.



  • Beba com moderação, mas tudo em cervejas é na Amazon! Confira a nova seleção de bebidas tradicionais e artesanais em oferta. Entrega rápida e opções com frete GRÁTIS. Clica aqui!
Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com