NASA detecta maior erupção solar dos últimos 12 anos

0

Na última quarta-feira (6), a NASA detectou a maior erupção solar dos úlimos 12 anos, o que causou a interrupção da transmissão de rádios na Terra. Foram duas ocorrências de alta intensidade, sendo que a segunda foi mais intensa desde 2005.

A erupção interrompeu a comunicação via rádio por uma hora, no lado da Terra que estava voltado para o sol, bem como comunicações de baixa frequência, que são utilizadas para navegação.

Especialistas dizem que a Ejeção de Massa Coronal (EMC), causada pela erupção, deve chegar ao planeta em um ou dois dias, e deve causar algum dano a satélites e sistemas de comunicação e energia da Terra. Uma imensa e impressionante aurora boreal ambém deve surgir no hemisfério norte do planeta.

As erupções de quarta-feira são de classe X, considerada a mais forte de todas. Elas foram detectadas pelo satélite do Observatório de Dinâmica Solar da NASA

A primeira chegou na categoria X2.2, a mais forte registrada desde 2015, só que a segunda alcançou X9,3. Já a que ocorreu no ano de 2005 chegou à marca de X17.

As duas erupções ocorreram em uma região ativa do sol, no qual uma erupção de intensidade intermediária ocorreu no último dia 4.

O atual ciclo do sol, que teve início em dezembro de 2008, viu a intensidade da atividade solar decair bruscamente, o que ganhou a alcunha de “mínimo solar.”

  O que é fibromialgia, a doença que fez Lady Gaga cancelar seu show no Rock In Rio

Os ciclos solares duram, em média, 11 anos, e no final de sua fase ativa, essas erupções se tornam extremamente raras, mas ainda podem ser muito poderosas.

As erupções solares são o resultado de explosões na superfície do sol, que são causadas por mudanças repentinas em seu campo magnético. Um buraco na camada mais externa da estrela faz o campo se “esticar” muito mais do que o usual, o que pode causar um aumento gradual dos ventos solares.

Durante as erupções solares de maior proporção, o sol também é capaz de lançar uma nuvem de plasma energético, o que recebeu o nome de Ejeção de Massa Coronal, citada no início do texto. Foi exatamente o que ocorreu na erupção da última quarta-feira.

“Algumas emissões de rádio sugerem que existe uma potencial EMC. No entanto, nós precisamos esperar até que algumas imagens capturadas no evento nos deem uma resposta definitiva”, explicou o cientista espacial Rob Steenburg.

As erupções maiores são conhecidas como “erupções de classe X”, e são baseadas em um sistema de classificação que divide o fenômeno, de acordo com a sua força.

As menores são as erupções de classe A, seguida pelos níveis B, C, M e X.

De forma semelhante à escala Richter, utilizada nos terremotos, cada letra representa um aumento, em 10 vezes, na quantidade de energia liberada. Assim, X é 10 vezes mais forte que M e 100 vezes mais poderosa que C. E dentro de cada uma delas, existe uma segunda escala, que vai de 1 a 9 (excluindo X)

  Novas (e incríveis) fotos de Júpiter são divulgadas pela Nasa

Se a erupção chegar ao nosso planeta, a radiação liberada pelo fenômeno pode interromper transmissões de rádio e comunicações via GPS, pois ela é capaz de perturbar o campo magnético da erra.

As erupções maiores podem até mesmo afetar e derrubar o fornecimento de energia do planeta.

Fonte: Daily Mail

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com