Pesquisadores descobrem múmia egípcia mais jovem já encontrada

0

De acordo com pesquisadores do Museu Fitzwilliam, em Cambrid, Inglaterra, um caixão em miniatura descoberto a mais de um século atrás, detém os restos do egípcio mais jovem já embalsamado como uma múmia.

A tomografia computadorizada do caixão revelou que o caixão não continha órgãos internos mumificados, como os pesquisadores suspeitavam, mas sim uma pequena múmia de um feto humano. A mumificação de fetos normalmente ocorria quando o feto era abortado com cerca de 16 a 18 semanas de gestação.

Esta descoberta é uma evidência notável da importância que era dada aos rituais funerários oficiais no antigo Egito, mesmo para vidas que eram perdidas prematuramente.

A Escola Britânica de Arqueologia originalmente descobriu o caixão de 44 centímetros de comprimento em Giza, no ano de 1907. E naquele mesmo ano o caixão foi acrescentado a coleção do museu. O caixão de madeira de cedro é uma miniatura perfeita de um caixão de tamanho regular usado no Egito, e provavelmente datado de cerca de 644 a.C. à 525 a.C. Ele ainda tem pequenas meticulosas esculturas sobre ele.

Durante anos, os curadores do museu achavam que dentro do caixão tinham órgãos internos, que eram rotineiramente removidos durante o processo de embalsamento egípcio. Mas o que eles descobriram no caixão era surpreendente.

Tíbia esquerda (osso da perna) mostrado em verde.
Tíbia esquerda (osso da perna) mostrado em verde.
O caixão de madeira continha um pequeno pacote embrulhado, encadernado em ataduras e coberto com uma resina preta derretida. O resultado do raio X do caixão foi inconclusivo, mas sugeriu que o recipiente mantinha um pequeno esqueleto. Com isso, os investigadores examinaram o pequeno pacote fazendo uma micro tomografia computadorizada.

  Qual é o alimento que tem maior risco de contaminação por agrotóxico?

O resultado das imagens revelou que o caixão continha os restos de um esqueleto minúsculo, o que deixou os pesquisadores bem surpresos.

Imagens feitas a partir de tomografias computadorizadas tem sido usadas com sucesso pelo museu para vários projetos nos últimos anos, mas esta é a descoberta mais bem sucedida do museu até o momento. A capacidade de examinar o funcionamento interno de tais artefatos sem causar-lhes qualquer dano estrutural, se tornou uma algo ainda mais valioso depois dessa descoberta, o que permite os pesquisadores avaliarem anomalias no feto e tentar envelhecê-lo com a maior precisão possível.

As tomografias mostraram que o feto tinha cinco dedos em cada uma de suas mãos e pés, assim como pernas longas claramente visíveis e ossos no braço. No entanto, não está claro se era um menino ou uma menina, e também a causa do aborto, se isso é o que realmente aconteceu.

As imagens também indicam que os braços do feto estavam cruzados sobre seu peito. Este posicionamento intrincado, juntamente com o detalhe extraordinário sobre o caixão, sugere que os antigos egípcios davam grande importância ao sepultamento de fetos.

Segundo Julie Dawson, curador chefe do Museu Fitzwilliam, o cuidado na preparação deste pequeno feto, demonstra claramente o valor atribuído à vida no antigo Egito, mesmo nas primeiras semanas de vida.

Apesar desta descoberta ser surpreendente, não é a única de seu tipo. A tumba do rei Tutancâmon continha dois fetos mumificados que pelas estimavas, tinham cada um de 25 à 37 semanas de gestação. Os arqueólogos também descobriram alguns outros exemplos de bebês abortados em antigos funerais egípcios.

  Nova descoberta da Nasa reforça que Mercúrio está encolhendo
fonte livescience

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com