8 maneiras terríveis que o mundo poderia realmente acabar

0

Nossa atmosfera, a proximidade que estamos do Sol e inúmeras outras belas coincidências, não só permitiu que nós, seres vivos, sobrevivêssemos e evoluíssemos, mas também que nos desenvolvêssemos.

No entanto, aqui estamos, seguindo o curso natural de nossas vidas até o inevitável momento de nossa morte. Nascemos, crescemos e nos reproduzimos, como se nossa existência não fosse obra do acaso ou algum tipo de milagre extraordinário. Mas como todas as coisas boas um dia chegam ao seu fim, com a Terra não será diferente, algum dia o nosso planeta será inóspito a qualquer coisa que se pareça com que chamamos de vida.

A vida em nosso planeta, provavelmente, não cessará até bilhões de anos a partir de agora. Mas, dependendo das vicissitudes da astrofísica, esse dia vindouro também poderia acontecer amanhã ou a qualquer instante enquanto você lê este artigo.

Conheça 8 maneiras terríveis que o mundo poderia realmente acabar:

1. O núcleo derretido da Terra pode esfriar

núcleo-terra
A Terra é cercada por um escudo magnético protetor chamado de magnetosfera. Esse campo que nós preteje, é gerado pela rotação da Terra, que faz com que uma espessa camada de ferro líquido e níquel (o núcleo externo) gire em torno de uma bola sólida de metal (o núcleo interno), criando um dínamo elétrico gigante.

O trabalho da magnetosfera é desviar partículas energéticas que emanam do Sol, mudando seu tamanho e forma à medida que é atingida. A inundação resultante de partículas de alta energia que atingem o ar na Terra, pode provocar belas auroras ou, às vezes, perturbadoras tempestades geomagnéticas.

Mas se o núcleo um dia esfriar, perderíamos nossa magnetosfera e também nossa proteção contra ventos solares, que lentamente explodiriam nossa atmosfera no espaço. E foi isso que aconteceu há bilhões de anos atrás ao nosso planeta vizinho Marte. Levando o planeta vermelho, que antes era rico em água e possuía uma atmosfera espessa, à um mundo quase sem ar e aparentemente sem vida que é hoje.

2. O Sol pode começar a morrer e a se expandir

morte-sol
Nossa posição em relação ao Sol, é talvez a parte mais importante de nossa tênue existência. Convertendo hidrogênio em hélio por meio da fusão, o Sol está na metade de sua vida e como qualquer estrela, um dia ele morrerá.

Mas essa fusão não vai durar para sempre. Daqui a bilhões de anos, o Sol ficará com pouco hidrogênio e começará a fundir hélio. Essa, que é uma reação mais energética, empurrará as camadas do sol para fora e, possivelmente, começará a atrair a Terra em sua direção.

O resultado disso? Qualquer vida existente na terra será incinerada e vaporizada ou a Terra será empurrada para fora de sua órbita, o que significa que a Terra seria completamente congelada, pois estaria flutuando pelo vazio, desvinculada de qualquer estrela.

3. A Terra pode ser empurrada para uma órbita mortal

terra-órbita-mortal
Os planetas muitas vezes são expulsos de seus sistemas solares durante a formação. De acordo com simulações recentes, o número de planetas órfãos pode superar em mil por um, a quantidade de estrelas na Via Láctea. E um desses planetas órfãos poderia derivar ao nosso sistema solar e desestabilizar a Terra, colocando-a em uma órbita extrema e inóspita.

Caso um planeta grande o suficiente se aproxime o bastante de nós, ele poderia até mesmo nos expulsar inteiramente do sistema solar ou nos fazer colidir com um de nossos planetas vizinhos, como Vênus ou Mercúrio.

Uma vez fora de sua orbita, a Terra se tornaria basicamente uma bola de gelo. Enquanto isso, um empurrão gravitacional significativo também poderia deixar nossas estações extremas e mortais, alternando entre extremamente frio e extremamente quente.

4. Um planeta ‘perdido’ pode atingir a Terra

terra-atingida
Em vez de apenas atrapalhar a órbita da Terra, um planeta órfão e à deriva, poderia atingir a Terra diretamente. E isso não é um acontecimento sem precedentes. A cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, um pequeno planeta colidiu com um planeta maior no sistema solar, formando a Terra e sua Lua.

Mesmo que a Terra não seja atingida, uma colisão em outro planeta próximo poderia enviar detritos por todo o sistema solar e consequentemente para a Terra. O que causaria serias catástrofes.

5. A Terra pode ser bombardeada por asteroides

asteroide-terra
Hollywood ama colocar a Terra a merce de impactos por asteroides. Estas rochas espaciais de grande e pequeno porte, podem ser bastante destrutivas. E foi uma delas que varreu os dinossauros da face da terra, e isso poderia acontecer novamente.

A Terra foi fortemente bombardeada por asteroides por centenas de milhões de anos após a sua formação. Os impactos foram tão intensos que os oceanos ferveram por ‘anos inteiros’. Naquele período, toda a vida era unicelular e apenas os micróbios mais tolerantes ao calor resistiram. Mas as formas de vida maiores de hoje, quase certamente, não fariam o mesmo. Se sofrêssemos uma catástrofe semelhante, as temperaturas do ar poderiam chegar facilmente a mais de 480 graus Celsius por várias semanas.

6. A Terra pode passar muito perto de um buraco negro

buraco-negro-proximo-terra
Os buracos negros são tão misteriosos e assustadores, que até mesmo o seu nome soa de forma sinistra e atrai a atenção de muitos. Nós não sabemos muito sobre eles, mas sabemos que eles são tão densos que nem mesmo a luz pode escapar além do Horizonte de Eventos, uma fronteira teórica ao redor de um buraco negro a partir da qual a força gravitacional é tão forte que nada é capaz de escapar.

Os cientistas acreditam que assim como os planetas órfãos, os buracos negros estão lá fora vagando pelo espaço. E não é inconcebível que eles possam passar pelo nosso sistema solar. Um pequeno buraco negro poderia, inofensivamente, passar pela Terra, embora qualquer coisa maior que a massa da Lua causaria grandes problemas.

Se a luz não pode escapar, a Terra definitivamente também não. Há duas idéias sobre o que poderia acontecer caso a Terra fosse atraída por um buraco negro grande o suficiente. Além do Horizonte de Eventos, os átomos poderiam se esticar até o ponto em que são inteiramente separados. Outros físicos teorizam que se isso acontecesse, seria o nosso fim ou acabaríamos em outro universo completamente diferente.

Mesmo que um buraco negro não atraia a Terra, ele pode passar perto o suficiente para causar terremotos, nos levar em direção ao Sol ou até mesmo nos expulsar do sistema solar.

7. A atmosfera da Terra pode ser destruída por uma explosão de raios gama

terra-explosão-raios-gama
As erupções de raios gama são um dos fenômenos mais poderosos do Universo. A maioria delas é o resultado de estrelas maciças que colapsam quando morrem. Apenas uma pequena explosão é capaz de emitir mais energia do que o nosso Sol emitirá durante todo o seu curso de vida.

Essa energia tem o potencial de erradicar toda a camada de ozônio, inundar a Terra com luz ultravioleta altamente perigosa e desencadear um resfriamento global acelerado. Na verdade, uma erupção de raios gama apontada diretamente para a Terra, pode ter causado a primeira extinção em massa a 440 milhões de anos atrás.

Felizmente, David Thompson, vice-diretor de projeto do Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi, diz que as erupções de raios gama não são realmente uma grande preocupação. Thompson brinca dizendo que as chances seriam equivalentes ao “risco que ele correria ao encontrar um urso polar no guarda-roupas de sua casa em Maryland, Estados Unidos”.

8. O universo pode chegar ao seu inevitável fim

fim-do-universo
Esta é a coisa que poderia realmente acabar não somente com a Terra, mas com todo o universo. A ideia é que uma força misteriosa chamada de energia escura está acelerando a expansão do universo em um ritmo cada vez mais rápido. E se isto continuar acelerando, como parece estar acontecendo agora, talvez daqui a 22 bilhões de anos, a força que mantém os átomos juntos falhará e toda a matéria no universo se dissolverá em radiação.

Mas assumindo que o fim do universo, mais conhecido como Big Rip não aconteça, será que a vida na terra sobreviveria durante essa expansão? É possível que alguns micróbios sobrevivam e restabeleçam formas de vida mais complexas, mas a vida como a conhecemos, provavelmente seria extinta.



Se a nossa destruição for total, esperemos que pelo menos alguma forma de vida inteligente lá fora saiba que um dia existimos.

Fonte

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com