Os 10 bizarros enterros de bruxas

0

A natureza extrema dos enterros de “bruxas” reflete o quão profundo nosso medo sobre a feitiçaria vai – mesmo do além-túmulo. Não é incomum para as bruxas serem enterradas muito fundas ou terem seus maxilares forçados a abrir. A designação “bruxa” é política. Porque a crença na adivinhação e nas maldições é universal para os seres humanos, os conjuradores são sempre um bode expiatório fácil. Muitas vezes, doenças inexplicáveis e desgraças são atribuídos à feitiçaria. Muitas dessas “bruxas” sofriam de deformidades físicas, revelando nosso profundo preconceito contra alguém fora da norma.

bruxas

Confira os 10 mais bizarros enterros de bruxas

 

10. A bruxa pregada

bruxa pregada

Em 2011, os arqueólogos desenterraram os restos de 800 anos de uma bruxa, que tinha sete pregos dirigidos através de sua mandíbula. Localizado em Toscana, o local foi considerado um cemitério de bruxas após uma descoberta anterior de uma mulher enterrada com 17 dados. O jogo foi proibido para as mulheres há 800 anos. Acredita-se que ambas mulheres tenham tido entre 25 e 30 anos de idade e foram encontradas em valas rasas sem caixões ou até mesmo mortalhas de enterro. Além dos sete pregos na mandíbula da bruxa, ela estava cercada por 13 pregos, o que provavelmente cobriu suas roupas.

9. Rita de Rollright Stones

rita de rollright

Em 2015, um caçador de tesouros amador descobriu os restos de uma bruxa saxã de 1.400 anos perto das Rollright Stones em Warwickshire, Inglaterra. Segundo a lenda, o local neolítico foi criado quando uma bruxa transformou um rei com fome de poder e seus cavaleiros em pedras. A mulher foi descoberta com um utensílio religioso saxão antigo conhecido como pátera, o que levou alguns a especularem que ela era uma bruxa pagã. A pequena feiticeira saxã foi apelidada de “Rita .”

Veja também:   Maior serial killer do Brasil deixa a prisão, vira youtuber e comenta crimes

8. A Bruxa viking

bruxa viking

Em 2013, os arqueólogos identificaram um misterioso artefato de metal descoberto em uma sepultura do século IX como uma varinha mágica. A haste de metal curvada de 90 centímetros tinha sido um objeto de especulação desde que entrou na coleção do Museu Britânico em 1894. Descoberto na província de Romsdal na Noruega, o artefato foi originalmente pensado para ser um espeto de assar carne ou um gancho de pesca. No entanto, os pesquisadores agora acreditam que era uma ferramenta mágica usada por uma feiticeira.

7. Sepultura da última bruxa escocesa

bruxa escocesa

Em 2014, os arqueólogos descobriram o que acreditam ser o local de descanso final da última bruxa da Escócia em uma praia de Torryburn. No início dos anos 1700, Lilias Adie foi acusada de trazer problemas de saúde para seus vizinhos. Foi presa e confessou ser uma bruxa. Ela revelou que aceitou o Diabo como seu amante e mestre. Antes que pudesse ser julgada e queimada, Adie morreu na prisão e foi enterrada sob uma laje de pedra.

6. Bruxa de Tiree

bruxa de tiree

Em 2015, os arqueólogos descobriram um túmulo misterioso de uma mulher na ilha escocesa de Tiree. Apelidado de “Bruxa de Tiree”, a mulher sofria do primeiro caso conhecido de deficiência de vitamina D das Ilhas Britânicas. Com idade entre 25 e 30 anos, a bruxa de Tiree mostrou sinais de raquitismo grave. Ela ficou apenas 1,45 metros em uma época em que a média das mulheres era de de 1,65. A análise de seus restos revelou que a bruxa de Tiree viveu entre 3340 e 3090 a.C. e era um local, mas ela não comia peixes, o que poderia ter evitado raquitismo.

Veja também:   Pais e mães gostam mais dos filhos de acordo com o gênero, diz estudo

5. Natufian She-Shaman

she-shaman

Em 2008, os arqueólogos descobriram o túmulo de uma bruxa de 12.000 anos no norte de Israel. Ao lado dela estavam 50 cascos de tartarugas, uma pélvis de leopardo, asas de águias douradas, rabos de vacas, dois crânios de Martas (mamíferos mustelídeos), um antebraço de javali e um pé humano. A mulher tinha aproximadamente 45 anos e possuía uma deformação espinhal que a fazia mancar e arrastar o pé. Dez pedras pesadas foram colocadas em seu corpo. Isso pode ter sido para desencorajar animais – ou poderia ter sido para manter seu espírito no túmulo.

4. A bruxa enterrada de bruços

escoburto

Em 2014, arqueólogos descobriram o túmulo de uma bruxa de 13 anos no norte da Itália. Descoberto no complexo de San Calocero, em Albenga, a menina foi enterrada de bruços. De acordo com crenças antigas, a alma deixou o corpo através da boca. Um enterro virado para baixo era uma precaução contra um espírito impuro que escapava para ameaçar os vivos. Datada de meados de 1400, os restos da menina foram descobertos mais profundamente no túmulo do que outros corpos, e em uma parte isolada do cemitério, que era tipicamente reservada para a elite.

3. Rebecca Nurse Homestead

enfermeira rebecca

Em Danvers, Massachusetts, pode-se encontrar o Rebecca Nurse Homestead e Cemitério, bem como o túmulo de uma vítima de histeria de bruxa. Em 1692, a família Putnam acusou sua vizinha de 71 anos, Rebecca Nurse, de praticar bruxaria durante uma disputa de terras. Um júri considerou a enfermeira inocente. No entanto, eles posteriormente a condenaram à morte depois que o juiz lhes pediu para reconsiderar. Em 19 de julho de 1692, a enfermeira foi enforcada e enterrada em terreno não consagrado perto da forca. Sob a cobertura da escuridão, sua família a desenterrou e deu-lhe um enterro adequado em sua terra da família.

Veja também:   Qual é a chance de um asteroide destruir a Terra? Entenda

2. Vampiro de Veneza

vampiro de veneza

Em 2009, arqueólogos italianos descobriram os restos de uma bruxa em uma sepultura do século 16 de vítimas de peste perto de Veneza. A boca da mulher fora forçada a abrir-se com um tijolo. Na época, inserir objetos na boca dos mortos era uma prática comum para impedi-los de prejudicar os vivos. Apelidada de “Vampiro de Veneza”, ela era provavelmente vista como uma causa da praga. O tijolo pode ter sido uma tentativa grosseira de parar a propagação da doença.

1. Bruxa do convento

convento

Em 2015, enquanto escavavam um convento beneditino medieval em Oxford, os arqueólogos descobriram uma série de “enterros muito incomuns”. Desenterraram os restos de um leproso, uma vítima de violência, e um filho natimorto (aquele que já nasce morto). No entanto, os restos mais enigmáticos eram de uma jovem mulher que estava enterrada de bruços. Muitas vezes, essa humilhante posição de descanso final era reservada para bruxas. Curiosamente, suas pernas foram mais tarde removidas para dar lugar a um bebê morto – uma raridade em um convento de freiras.

 

FONTE



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com