Bullying: polícia explica origens do tiroteio em escola de Goiânia

1

O adolescente de 14 anos que atirou e matou dois alunos e feriu outros quatro no Colégio Goyases, em Goiânia, era estudioso, segundo colegas. Mas, de acordo com eles, o menino tem comportamento estranho e perde a paciência com provocações. O bullying seria a principal justificativa do ataque, ocorrido na última sexta-feira (20).

O atirador era constantemente chamado de “fedorento”, e colegas chegaram até a levar um desodorante à escola para provocá-lo. Procurado nesta sexta-feira (20), por telefone, um diretor da escola, abalado, preferiu não se manifestar.

  10 fatos sobre o Bullying que você não sabia

“Numa prova de ética, ele desenhou o símbolo nazista e, em uma roda literária, levou um livro satânico”, relatou uma menina da turma. O episódio, disse, foi em 2016. O rapaz era “estranho e frio”, contou outra estudante. “Se você fizesse uma brincadeira, ele falava que ia te levar para o inferno, que ia matar sua família e te matar.”

Segundo a Polícia Civil, o crime foi premeditado. “Ele pensava em se vingar há aproximadamente dois meses”, disse o delegado Luiz Gonzaga, da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais, para onde o garoto foi levado. A motivação principal foi um garoto que o “amolava muito”, que seria João Pedro.

O atirador admitiu ter feito pesquisas no Google e no YouTube para aprender a carregar a arma da mãe, que estava em um móvel da casa da família. Ele não pediu desculpas, disse a polícia, mas se mostrou arrependido.

Uma coordenadora do colégio foi responsável por convencer o atirador a parar, quando ele recarregava a pistola .40 da mãe. Diante dela, com quem o adolescente tem um bom relacionamento, ele reagiu apontando a arma para a própria cabeça, em sinal de ameaça de suicídio.

Em seguida, baixou a pistola, deu um tiro no chão e gritou: “Chamem a polícia”. Nesta hora, ele travou a arma e aceitou ir com a coordenadora à biblioteca. De lá, foi conduzido para a delegacia. A coordenadora, que teve o nome preservado na investigação, prestou depoimento.

Havia buracos de tiros, segundo a polícia, pelas paredes e manchas de sangue desde o terceiro andar, onde fica a sala em que aconteceu o tiroteio, até o térreo. A perícia identificou preliminarmente ao menos 11 cápsulas de balas.

Falhas no combate ao bullying

A ação violenta do adolescente põe em debate, segundo especialistas, a fragilidade do combate ao bullying nas escolas. Analistas ainda destacam que ações extremadas, como a registrada na escola, podem ter como origem uma série de fatores – e não apenas as agressões sofridas pelo adolescente.

“A maioria das escolas, tanto públicas como privadas, ainda tem um ambiente hostil e violento. Em geral, elas acreditam que os casos podem ser resolvidos apenas com conversas pontuais ou continuam na negação do problema”, diz Ana Paula Lazzareschi, advogada especialista no tema. Para ela, colégios têm o dever de implementar programas efetivos de combate ao bullying e podem até ser processadas caso não comprovem as ações.

O bullying é caracterizado como ato de violência física ou psicológica que acontece de forma intencional e repetitiva. A intimidação normalmente se dá de forma velada. Desde fevereiro do ano passado, uma lei federal estabelece como responsabilidade das escolas a promoção de medidas de conscientização, prevenção, diagnóstico e combate ao bullying.

“Ele (bullying) ocorre no parque, nas imediações da escola, no recreio. Em sala de aula, vai acontecer quando o professor está de costas ou dando atendimento individual a algum aluno. Por isso, é preciso um olhar atento às pistas que os alunos dão”, diz a psicóloga Luciana Lapa, orientadora da Escola Stance Dual, em São Paulo, e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral (Gepem) das Universidades Estaduais de Campinas (Unicamp) e Paulista (Unesp).

Para Luciana, atitudes violentas podem ser resultado de vários fatores. “A experiência do bullying, o sofrimento prolongado, a falta de ajuda podem resultar em uma ação violenta. Nunca se sabe qual é a personalidade da vítima, sua situação familiar e se há problemas psiquiátricos.”



Discussão1 Comentário

  1. Isso è para esses otarios que gostam de ficar fudendo a vida dos outros pra se acharem superiores, aprenderem que bullying não è brincadeira!!

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com