Como os cintos de castidade eram realmente?

0

Os cintos de castidade, que foram usados por mulheres durante a Idade Média para evitar a relação sexual, são muitas vezes lembrados na cultura popular como um método extremo de impor fidelidade. Mas esses dispositivos, curiosamente, não constam na maioria dos textos medievais legítimos. E isso, inicialmente, acabou confundindo vários historiadores. Mas então, quais eram os cintos de castidade que as mulheres realmente usavam?

De acordo com os curadores do Museu Semmelweis em Budapest, na Hungria, que em 2010 fizeram uma exposição sobre a história do cinto de castidade, os cintos foram pensados para serem apresentados como uma resposta a promiscuidade feminina descontrolada, quando cavaleiros partiam para as batalhas, peregrinações ou cruzadas religiosas.

De onde veio a ideia dos cintos de castidade?

Albrecht Classen, autor do livro “The Medieval Chastity Belt: A Myth-Making Process” (O Cinto de Castidade Medieval: O Processo de Criar Um Mito), disse à revista Time que os dispositivos foram mencionadas pela primeira vez em um tratado sobre máquinas de guerra, escritos por Konrad Kyeser em 1405. De acordo com Classen, Konrad Kyeser foi um engenheiro e artista alemão, e o conceito para o cinto de castidade apareceu no epílogo de seu tratado. Inicialmente, eles foram descritos como uma brincadeira imaginativa, mas os cintos acabaram se tornando um tema popular e satírico na época.

Muitos acadêmicos começaram a questionar a autenticidade dos tais dispositivos, quando eles não conseguiram encontrar nenhuma menção sobre os cintos de castidade em qualquer contexto histórico sério.

Veja também:   É verdade que Hitler tinha um avô judeu? Estudo indica que é possível

Segundo Classen, nenhum autor da literatura ou escritor de textos didáticos e jurídicos, mencionou o cinto de castidade, provavelmente porque a ideia básica por trás dele desafia as necessidades básicas do corpo humano (feminino).

Não apenas são escassas as evidências históricas de que os cintos de castidade eram uma roupa intima na Idade Média, como também não há nenhuma lógica para apoiar a sua existência.

Como esses ásperas objetos duros poderiam ser usados diretamente em contato com a virilha, sem causar feridas cuticulares profundas e gradualmente dentro de alguns dias, mais e mais infecções? Questionam os especialistas do Museu Semmelweis.

cinto-castidade-mediaval

Lesley Smith, uma historiadora do final do século XVI e curadora do Castelo Tutbury no Reino Unido, concorda com Classen. Em um artigo escrito em 2007 para o “British Medical Journal”, Lesley relatou que viajando pelo exterior, ela viu inúmeras coleções de arte e, segundo ela, não achou se quer um cinto de castidade que provasse ser de origem medieval.

A inclinação de acreditar no mito do cinto de castidade é compreensível. Já que na Europa medieval, qualquer atividade sexual que não levasse a concepção deveria ser proibida.

Classen compara o mito do cinto de castidade com outra crença amplamente difundida (mas da mesma forma incorreta): em que pessoas da Idade Média pensavam que a Terra era plana. Em seu livro, Classen levanta a hipótese de que esse mito se criou de um desejo de demonstrar a falta de civilidade durante a Idade Média.

Veja também:   Como seria se um hacker roubasse suas impressões digitais?

Em última análise, a existência do cinto de castidade como um artefato histórico legítimo, deve ser colocada na categoria de mitos, dizem os especialistas. No entanto, uma recente inovação tecnologia, concebida para proteger as mulheres de violência sexual, tem sido criticada como uma releitura moderna do cinto de castidade.

“Cintos de castidade” nos dias de hoje?

AR Wear, uma marca de roupas, lançou uma linha de peças, que a própria marca descreve como, “uma proteção vestível para quando as coisas dão errado”. Basicamente são roupas intimas e outras peças de vestuário que seriam difíceis, se não impossíveis, para um alguém remover.

ar-wear-proteção-mulheres
O controverso produto, que foi acusado por muitos de colocar o ônus da prevenção da violação sobre as vítimas em vez dos criminosos, ganhou notoriedade em 2013, depois que a empresa lançou uma campanha de crowdfunding (uma especie de financiamento coletivo online) no site Indiegogo. Segundo AR Wear, os tecidos das tais peças de vestuário não podem ser rasgados ou cortados, para que as mulheres e meninas tenham mais poder para controlar o resultado no caso de uma eventual agressão sexual.

AR Wear atingiu sua meta de financiamento e finalizou um protótipo em 2015, mas atualmente seus produtos ainda não estão disponíveis comercialmente.

fonte: livescience



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com