Duas misteriosas nuvens de poeira são descobertas orbitando a Terra

0

Desde a década de 50, cientistas suspeitavam que nuvens de poeira ficassem entre as órbitas da Terra e da Lua. Agora elas foram oficialmente descobertas e sabe-se que são pelo menos duas. As chamadas nuvens de Kordylewski funcionam quase como satélites naturais do nosso planeta, estando sujeitas ao campo gravitacional terrestre e lunar ao mesmo tempo.

A confirmação da existência das nuvens se deu através dos pesquisadores da Universidade Eötvös Loránd, na Hungria. “As nuvens de Kordylewski são alguns dos objetos mais difíceis de detectar, e apesar de estarem tão próximos da Terra e da Lua, eles são largamente deixados de lado pelas pesquisas astronômicas”, afirmou Judit Slíz-Balogh, astrônoma e principal autora do estudo.

As nuvens de poeira foram encontradas em locais denominados pontos de Lagrange. Tratam-se de 5 pontos específicos localizados entre as órbitas de quaisquer corpos celestes que se relacionem entre si, como a Terra e a Lua, ou a Terra e o Sol, onde objetos menores ficam submetidos à gravidade de ambos, ficando assim presos em uma espécie de limbo gravitacional, a não ser que uma força ainda maior os empurre para fora desses pontos.

Embora fossem especuladas desde os anos 1950, foi em 1961 que a primeira evidência fotográfica das nuvens foi obtida, pelo astrônomo polonês Kazimierz Kordylewski, que acabou por batizar os pseudo-satélites da Terra.

Utilidades

Entender como funcionam e que tipo de coisas estão presas nos pontos de Lagrange entre a Terra e a Lua pode trazer facilidades no futuro próximo da exploração espacial. O limbo gravitacional torna esses locais muito mais estáveis do que outros pontos próximos, fazendo com que possam servir como espécies de “estacionamentos” de satélites, sondas e outros objetos de estudo enviados ao espaço pelo homem.

Veja também:   Teerã, capital do Irã, está afundando lentamente e de forma irreversível

A dificuldade em detectar as nuvens de poeira se dá principalmente pela forma com que a luz solar incide sobre as partículas e a compreensão do fenômeno das nuvens de Kordylewski também proporciona avanço nesses estudos.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com