10 curiosidades sobre a Operação Lava Jato

0

A Operação Lava Jato é uma investigação realizada pela Polícia Federal (PF), responsável por expor supostos casos de corrupção envolvendo políticos e empresários brasileiros. Os fatos trazidos à tona pela apuração causou um rebuliço no cenário político do Brasil. Conheça 10 fatos sobre a operação que está na boca do povo:

1. A grandeza

(Foto: Agência Brasil)
O político José Dirceu é conduzido (Foto: Agência Brasil)

A Operação Lava Jato é considerada, pela PF, a maior investigação de lavagem de dinheiro da história do Brasil. Mais de 100 mandados de busca e apreensão, prisão temporária e condução coercitiva foram cumpridos. A PF crê que o esquema tenha movimentado entre R$ 10 bilhões e R$ 40 bilhões.

2. O nome ‘Operação Lava Jato’

(Foto: Agência de Notícias da PF)
O Posto da Torre, em Brasília (Foto: Agência de Notícias da PF)

A Operação Lava Jato foi deflagrada em março de 2014 com o intuito de investigar uma casa de câmbio de valores que ficava em um posto de combustíveis, chamado Posto da Torre, em Brasília (DF). A suspeita era de que o local movimentava dinheiro de forma ilícita. O nome foi mantido mesmo após a operação ter tomado proporções gigantescas, ao envolver empresários de outras áreas, partidos políticos, a estatal Petrobras e até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Curiosamente, o posto nunca teve um lava-jato – somente uma lavanderia de roupas.

3. A origem

(Foto: Reprodução / YouTube)
O empresário Hermes Magnus (Foto: Reprodução / YouTube)

A origem da Operação Lava Jato é de 2008, após uma denúncia do empresário Hermes Magnus. Ele revelou a existência do esquema após ser abordado pelos chefes da organização criminosa na tentativa de lavar dinheiro em sua empresa. Em recentes entrevistas, Magnus afirma ter perdido tudo em função das investigações e da exposição de seu nome e ter o intuito de pedir asilo político à Alemanha. Ele diz se sentir abandonado pela Justiça brasileira.

Veja também:   Marte? Céu fica vermelho na Indonésia por causa de queimadas; veja

4. A demora (como tudo no Brasil)

(Foto: Geraldo Magela / Agência Senado)
O doleiro e empresário Alberto Youssef (Foto: Geraldo Magela / Agência Senado)

Com origem em 2008, a Operação Lava Jato demorou muito para ter uma sequência. Somente entre 2011 e 2012, a Justiça Federal autorizou a execução de interceptação de ligações telefônicas e de e-mails. A partir daí, chegaram aos nomes de Alberto Youssef (doleiro e empresário), Paulo Roberto Costa (diretor de abastecimento da Petrobras entre 2004 e 2012) e José Janene (ex-deputado morto em 2010, após um AVC).

5. A devolução

(Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)
Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobras (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)

De acordo com informações divulgadas pela coluna “O caçador de mitos”, do site da revista “Veja”, cinco investigados na Operação Lava Jato prometeram devolver R$ 472 milhões. Confira a relação:

  • Pedro Barusco, ex-gerente de serviços da Petrobras, se comprometeu a devolver R$ 289 milhões;
  • Alberto Youssef, doleiro e empresário, se comprometeu a devolver R$ 50 milhões;
  • Júlio Camargo e Augusto Ribeiro, da empresa Toyo Setal, se comprometeram a devolver R$ 50 milhões;
  • Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobras, se comprometeu a devolver: US$ 26 milhões (de contas na Suíça e Ilhas Cayman), US$ 181 mil, R$ 762 mil e € 10,9 mil (apreendidos em sua casa), uma lancha de R$ 1,1 milhão, um terreno em Mangaratiba (RJ) de R$ 3,2 milhões e uma caminhonete Range Rover de R$ 300 mil.

6. E se fosse para o nosso bolso?

(Foto: Pixabay / divulgação)
Grana, muita grana… (Foto: Pixabay / divulgação)

Segundo estimativa da PF, o esquema pode ter lavado entre R$ 10 bilhões e R$ 40 bilhões. O Brasil tem população estimada em 204 milhões de habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Caso o valor movimentado pelos investigados na Operação Lava Jato fosse devolvido para o bolso da população, cada brasileiro receberia entre R$ 49 e R$ 196. Ajuda a pagar as contas do mês, né?

Veja também:   Conheça o homem se alimenta exclusivamente de carne crua; saiba o motivo

7. O juiz Moro, cheio de moral

(Foto: Agência Brasil)
O juiz Sergio Moro (Foto: Agência Brasil)

Nas recentes manifestações contra o atual governo federal, é comum ver pessoas prestando apoio ao trabalho de Sergio Moro, juiz da 13ª Vara Federal do Paraná, responsável por decisões da Operação Lava Jato. Entre as características mais peculiares do trabalho do jurista, estão o uso constante de prisões preventivas e delações premiadas para obter cada vez mais resultados em suas investigações. Em 2004, quando já trabalhava nas operações do Banestado (que investigou o desvio de US$ 30 bilhões do banco estatal de mesmo nome) e Farol da Colina (que prendeu dezenas de doleiros acusados de lavagem de dinheiro), Moro justificou, em um texto, o motivo do uso da delação premiada como recurso investigativo. “Um criminoso que confessa um crime e revela a participação de outros, embora movido por interesses próprios, colabora com a Justiça e com a aplicação das leis de um país”, disse.

8. O nipônico

(Foto: Agência Brasil)
Newton Hidenori Ishii, agente da PF (Foto: Agência Brasil)

O agente da PF Newton Hidenori Ishii também ganhou notoriedade com a Operação Lava Jato. O policial participou da escolta de diversos presos na investigação e tornou-se figura pública, ganhando o apelido de ‘Japonês da Federal’. Ele começou a trabalhar na PF em 1976, mas foi preso em 2003 após ser flagrado em contrabando durante a Operação Sucuri. Uma decisão judicial o liberou e permitiu que voltasse a trabalhar. Ishii, porém, decidiu retirar-se em seguida, voltando à corporação somente em 2014, após a aposentadoria ser revogada. Ishii ainda é investigado pela Operação Sucuri e, recentemente, teve recurso negado.

Veja também:   Como a fórmula secreta da Coca-Cola é protegida há tanto tempo

9. Os partidos mais investigados

(Foto: divulgação)
Partido Progressista (Foto: divulgação)

O partido mais afetado com a Operação Lava Jato foi o Partido Progressista (PP), com 31 políticos investigados. Na sequência, estão o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e o Partido dos Trabalhadores (PT), com sete investigados cada. Entre os nomes de destaque, estão o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ex-presidente do Brasil e Fernando Collor de Mello (PTB-AL). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não foi relacionado à lista de investigados, apesar dos recentes fatos, pois prestou depoimento na condição de informante.

10. A série de TV?

(Foto: Carmen Levy / Wikimedia)
O cineasta José Padilha (Foto: Carmen Levy / Wikimedia)

O cineasta José Padilha, conhecido por trabalhos como “Narcos” e “Tropa de Elite”, revelou, em entrevista à revista “Veja”, que fará uma série sobre a Operação Lava Jato. “O objetivo é narrar a operação policial em si e mostrar inúmeros detalhes esclarecedores que a própria imprensa desconhece”, disse. O intuito é levar a história para a televisão internacional. O projeto, em fase inicial, deve ser inspirado em um livro ainda inédito, com entrevistas feitas com os envolvidos.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com