Cientistas acordam homem que estava em estado vegetativo por 15 anos

0

Um homem na França recuperou alguns aspectos da consciência depois de estar em estado vegetativo por 15 anos, depois que os cirurgiões usaram uma técnica para estimular seu cérebro através de um nervo no pescoço.

O rapaz de 35 anos foi diagnosticado em estado vegetativo – agora chamado de “vigília sem resposta” – após um acidente de carro em 2001.

Uma pessoa neste estado pode mostrar movimentos involuntários, mas não tem consciência de si mesma ou de seu meio ambiente. Testes repetidos ao longo dos anos não mostraram melhora na condição do homem.

Isso até que Angela Sirigu, do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica em Bron e seus colegas, testaram uma nova técnica que se concentrou no nervo vago.

O nervo vago corre do cérebro para várias áreas do corpo. Ele modula o sistema nervoso parassimpático, que controla a frequência cardíaca e a função pulmonar, entre outros processos.

O nervo conecta, direta ou indiretamente, áreas do cérebro, incluindo o tálamo – um cubo altamente interconectado de atividade neural, a amígdala, que regula a emoção e o hipocampo, que está fortemente envolvido em memórias.

Ele também estimula o locus coeruleus, a região do cérebro que controla a liberação de substâncias químicas cerebrais envolvidas na excitação e alerta.

A equipe de Sirigu adotou a hipótese de que estimular o nervo vago aumentaria a atividade em regiões cerebrais que poderiam ajudar o homem a recuperar a consciência. “Eu acredito que é o que aconteceu”, disse Sirigu.

Veja também:   Adamantium existe? O metal do esqueleto do Wolverine seria viável?

Estado vegetativo com estimulação constante

Para testar a ideia, a equipe envolveu eletrodos muito finos ao redor do nervo vago no pescoço do homem em estado vegetativo. Ele foi monitorado por um mês antes do nervo ser estimulado.

Eles então o trataram continuamente ao longo de seis meses. Cada tratamento envolveu 30 segundos de estimulação seguido de 5 minutos de repouso. A equipe começou com uma corrente elétrica de 0,25 miliamperes, aumentando em 0,25 por semana, até alcançar 1,5 miliamperes.

Os clínicos acompanharam regularmente as mudanças no comportamento do homem durante o procedimento, enquanto a equipe de Sirigu registrou sinais de EEG (eletroencefalograma) do couro cabeludo antes do início da estimulação e em pontos específicos ao longo do procedimento.

Eles também examinaram o cérebro do homem usando tomografia por emissão de positrônio imediatamente após a implantação dos eletrodos e seis meses depois.

Assim que a estimulação começou, o homem começou a abrir os olhos com mais frequência. Depois de um mês, ele começou a rastrear pessoas ao redor da sala com os olhos. Ele ainda foi capaz de responder aos pedidos para virar a cabeça de um lado para o outro.

Ele também tentou seguir uma instrução para sorrir. A equipe ainda não usou esses movimentos para fazer perguntas, como se ele sofre.

Suas pontuações na “escala de recuperação de coma” sugeriram que ele agora poderia ser definido como sendo em um estado minimamente consciente – em que uma pessoa tem consciência consciente parcial.

Veja também:   Dieta a base de batata frita deixa adolescente cego; entenda

O homem não recuperou a capacidade de falar ou andar, o que ele provavelmente não fará, dado o grande dano ao cérebro. A equipe continua acompanhando seu progresso.

NewScientist



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com