Ciência explica por que dias frios não negam aquecimento global

0

O vereador Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, voltou a gerar polêmica recentemente ao questionar a existência do aquecimento global. “Só por curiosidade: quando está quente a culpa é sempre do possível aquecimento global e quando está frio fora do normal como é que se chama?”, escreveu ele em sua conta oficial do Twitter no último domingo (7).

 

Veja:

Assim como o parlamentar, diversas pessoas ao redor do mundo costumam acreditar que a preocupação com o aquecimento global seja “exagero” ou até mesmo uma grande mentira. No entanto, a ciência consegue explicar com bastante facilidade que isso é apenas um caso de desinformação em massa.

A BBC Brasil entrou em contato com alguns especialistas que esclareceram o caso. Eles reiteram que, indubitavelmente, supor que dias muito frios comprovem a inexistência do aquecimento global é absurdamente equivocada. Não apenas isso, os dias frios fazem justamente o contrário: eles reforçam a certeza de que o fenômeno, além de existir, nos afeta de forma cada vez mais intensa.

“Essa fala de Carlos Bolsonaro é muito comum entre os negacionistas (aqueles que negam o aquecimento global). Mas é resultado de uma confusão – intencional ou não – entre os conceitos clima e tempo”, diz Alexandre Köberle, pesquisador do Grantham Institute na Universidade Imperial College London, uma das mais prestigiosas do Reino Unido.

Veja também:   Fim do aquecimento global? Como seria se todos fossem vegetarianos?

Quando falam em “clima”, os cientistas estão se referindo à situação do planeta todo, ao longo do tempo. Ou seja, mesmo que esteja fazendo mais frio que a média em uma região específica, o mundo como um todo está, na média, mais quente – é isso que apontam centenas de estudos feitos por cientistas no mundo todo ao longo de décadas.

Esse aquecimento da temperatura média da Terra – que cientistas creditam aos gases de efeitos estufa produzidos por ação humana – provoca eventos climáticos extremos, desde inundações na África até seca no Brasil, passando por invernos muito mais rigorosos na América do Norte.

A Nasa, em sua página da internet voltada para o público infantil, utiliza de um exemplo extremamente simples para explicar a diferença entre os conceitos de “clima” e de “tempo”: um dia chuvoso na cidade de Phoenix (capital do Estado americano do Arizona) não muda o fato de que o estado do Arizona tem uma clima seco.

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com