Deepmind: Inteligência Artificial do Google aprendeu a “dormir”

0

O Google tem estado bastante à frente da curva quando se trata de pesquisas sobre inteligência artificial. O mundo ficou chocado quando a sua IA derrotou um jogador humano campeão mundial no jogo de Go.

Mais recentemente, a empresa ensinou a sua IA a usar a imaginação e até a fazer previsões. O último truque na pesquisa de aprendizado de máquinas do Google? Dormir.

O Google está tornando sua IA mais humana – em um grau surpreendente. Foi ensinado à DeepMind, a famosa inteligência artificial da empresa, como dormir. Em uma postagem recente do blog, a empresa disse:

“À primeira vista, pode parecer contra-intuitivo construir um agente artificial que precise “dormir”. Afinal, é suposto que eles deveriam se dedicar a um problema computacional por muito tempo, mesmo depois que seus programadores foram para a cama.

Mas este princípio foi uma parte fundamental da nossa rede-Q profunda (DQN), um algoritmo que aprende a dominar uma gama diversificada de jogos do Atari 2600 em um nível sobre-humano, com apenas os pixels em bruto e a pontuação como insumos.

A DQN imita a “experiência de repetição”, armazenando um subconjunto de dados de treinamento que analisa “offline”, permitindo que ele continue aprendendo de sucesso ou falhas ocorridas no passado.

Pesquisadores da DeepMind estão ensinando os computadores a aprender. Redes neurais, IAs, algoritmos de aprendizagem em máquina – todas as palavras que você ouviu por aqui – o que se resume é ensinar ao computador a descobrir algo por conta própria.

  IAs serão capazes de nos vencer em tudo em 2060, dizem especialistas

Os carros de auto-condução precisam tomar decisões sobre o tráfego, os algoritmos de análise de dados precisam decidir como agrupar segmentos de informação e a IA precisa ser capaz de pensar como uma pessoa. Caso contrário, qual é o objetivo de tudo isso?

O novo método do Google significa que mesmo se um computador estiver usando seus recursos funcionais completos para descobrir um problema, ele pode salvar informações para sonhar (e pensar) mais tarde, enquanto ele está offline.

O computador já não precisa estar trabalhando diretamente em um problema para resolvê-lo. Ele vai falhar em alguma coisa, vai ficar offline por algum tempo e poderá ter sucesso nessa tarefa assim que estiver de volta online. Ele vai aprender mesmo estando longe do objeto.

No futuro, quando o seu computador entrar no modo de suspensão, ele pode estar tramando a sua próxima vitória.

TheNextWeb



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com