ISIS destruiu dois dos monumentos arqueológicos mais simbólicos da Síria

0

Recentemente o Ministério da Defesa da Federação Russa divulgou imagens (capturadas por um drone) de toda destruição que o ISIS causou a antiga cidade de Palmira na Síria – um dos locais romanos mais famosos do Oriente Médio.

O famoso e imponente anfiteatro romano de Palmira, está agora em ruínas, e a maior parte de seu Tetrápilo – um monumento único de 16 colunas, datado de mais de 1.700 anos atrás – está ao pedaços.

As imagens capturadas pelo drone russo mostram os resultados da mais recente ofensiva do Estado Islâmico (ISIS) na antiga cidade.

Mas não é de hoje que esse tipo de destruição vem acontecendo. Em maio de 2015, os militantes do ISIS conseguiram invadir Palmira e a mantiveram por quase 12 meses, durante o qual deliberadamente destruíram uma série de monumentos históricos da cidade.

Em março de 2016, forças sírias e russas conseguiram expulsa-los, mas só puderam proteger a cidade até o final do ano passado, quando a notícia de uma nova ofensiva do ISIS surgiu, logo após relatos de que os militantes haviam destruído duas das cidades mais importantes do mundo – Dur-Sharrukin e Nimrud.

Agora, a grande fachada do anfiteatro romano está completamente em ruínas, e apenas duas das 16 colunas do Tetrápilo permanecem de pé.

Confira as imagens comparativas do antes e depois:

  Confira 10 terríveis previsões para 2017

O ativista Khaled al-Homsi, que é de Palmira, confirmou a escala do dano. Segundo al-Homsi, a face do teatro romano agora é apenas uma pilha de escombros e apenas quatro das 16 colunas do Tetrápilo parecem estar de pé.

Apenas para lhe dar uma ideia de como essas estruturas eram incríveis e importantes para a cultura local, confira abaixo uma foto tirada em março de 2016, durante a apresentação de uma das orquestras mais antigas da Rússia, a Orquestra Mariinsky. A presentação no anfiteatro era uma comemoração do fim da primeira ofensiva do ISIS a antiga cidade.

E aqui está como era o Tetrápilo antes de ser destruído. Com quatro conjuntos de colunas, o Tetrápilo marca a interseção das duas principais passagens de Palmira.

tetrápilo-palmyra

Embora, a maioria das colunas eram réplicas modernas, uma delas era original, datada do século III d.C. – mais de 1.700 anos atrás.

A diretora geral da UNESCO, Irina Bokova, classificou a destruição deliberada de Palmira como um “crime de guerra”.

Palmira não é apenas uma antiga importante cidade para os sírios que vivem na região, é o local de alguns dos sítios arqueológicos mais importantes do mundo, o que deu ao lugar a reputação de “Pérola do Deserto”, por conta de seus achados.

  Hackers russos atacaram programa de eleição dos Estados Unidos, diz documento

Um dos seus momentos mais interessantes na história, foi durante o século III, quando a lendária Rainha Zenóbia governou a cidade quando ainda estava cheio de calcário e dolomita.

Muitas vezes descrita como a “rainha guerreira” de Palmira, Zenóbia nasceu em Palmira e ficou conhecida por suas proezas militares e desafios ao Império Romano.

Rainha Zenóbia por Herbert Schmalz
Rainha Zenóbia por Herbert Schmalz

Com poucos anos de reinado, ela já havia conquistado o controle de quase 1/3 das terras do Império Romano, incluindo alguns de seus territórios mais valiosos, o Egito e a Turquia moderna.

Segundo Richard Stoneman, professor de história antiga na Universidade de Exeter, Reino Unido, Zenóbia era bonita, altamente educada e se tornou uma governante em uma época onde o mundo e, especificamente, o deserto árabe, era um lugar majoritariamente masculino.

Ela assumiu o poder de Roma, o maior império do mundo, e quase conseguiu criar um estado separatista.

Agora, o que nos resta, é esperar que o ISIS algum dia seja parado, antes que destrua outras cidades históricas e a civilização moderna em si.

Isto não é apenas a destruição de ruínas antigas, é a destruição da civilização, disse Maamoun Abdulkarim, Ministro de Antiguidades da Síria.

Fonte

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com