Uso de maconha é ligado a risco de morte por hipertensão arterial

0

O uso de maconha é muitas vezes considerado mais seguro do que fumar cigarros, mas um novo estudo sugere que o seu uso pode aumentar o risco de morte de uma pessoa por hipertensão arterial.

Durante o período de estudo de duas décadas, os usuários de maconha, cujo nível e frequência de uso não foram avaliados no estudo, apresentaram mais do que três vezes o risco de morrer de hipertensão do que os indivíduos que não eram usuários. Esse aumento no risco foi maior que o associado ao tabagismo, disseram os pesquisadores.

“O apoio ao uso liberal de maconha é em parte devido a afirmações de que ele é benéfico e, possivelmente, não prejudicial para a saúde”, afirmou a escritora principal do estudo, Barbara Yankey, doutoranda em epidemiologia e bioestatística na Georgia State University. “No entanto, há poucas pesquisas sobre o impacto do uso de maconha na mortalidade cardiovascular e de AVC”. 

Os riscos associados ao consumo de cigarros, por outro lado, estão bem estabelecidos, de acordo com o estudo, publicado no European Journal of Preventive Cardiology.

Os estudos que ligam as mortes por doenças cardíacas e os cigarros, por exemplo, são “extensivos”, levando os pesquisadores a formularem a hipótese de que fumar maconha poderia estar associado a um nível de risco semelhante.

O estudo incluiu mais de 1.200 adultos nos Estados Unidos, que participaram do Inquérito Nacional de Avaliação de Saúde e Nutrição de 2005 (NHANES), uma pesquisa federal realizada anualmente para avaliar dietas e saúde dos americanos.

Como parte da pesquisa, os participantes foram perguntados se alguma vez usaram maconha e, em caso afirmativo, quando eles tentaram pela primeira vez a droga. A pesquisa também coletou dados sobre o uso de cigarros.

Usando dados de 2011 do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, os pesquisadores conseguiram determinar se algum dos participantes no estudo NHANES havia morrido durante o período de estudo.

Usando os dois conjuntos de dados, os pesquisadores estimaram as associações entre uso de maconha e duração do uso com óbitos por hipertensão, doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais.

No final do período de estudo, 73 por cento dos participantes ainda estavam vivos, descobriram os pesquisadores. Quase 35% deles relataram que não usavam maconha ou tabaco; 21% utilizavam apenas maconha (sem tabaco); 4% usavam cigarros (sem maconha); 20% usavam maconha e tabaco; 16% usavam maconha atualmente e fumaram cigarros no passado; e cerca de 5% não usavam maconha ou tabaco atualmente, mas fumaram cigarros no passado.

A duração média do consumo de maconha foi de 12 anos e a duração média do consumo de cigarro foi de 10 anos.

O estudo descobriu que, em comparação com as pessoas que não usaram maconha, aqueles que usaram tiveram um risco 3,4 vezes maior de morte por pressão alta durante o período de estudo. Não houve ligações estatisticamente significativas entre o uso de maconha e o risco de morte por doença cardíaca ou acidente vascular cerebral.

Yankey observou que as descobertas sugerem que o uso de maconha “pode levar ainda a consequências mais pesadas para o sistema cardiovascular do que o já estabelecido para o tabagismo”, mas acrescentou que estudos maiores são necessários para confirmar os resultados.

Mais estudos com a maconha serão necessários

Os pesquisadores reconheceram várias limitações do estudo. Por exemplo, o estudo assumiu que o consumo de maconha era contínuo desde o momento em que os participantes do estudo disseram que tentaram o medicamento pela primeira vez, mas isso pode não ser algo exato.

Mesmo assim, as novas descobertas não são “particularmente surpreendentes” e fazem sentido no contexto de estudos prévios sobre tabagismo com maconha, disse o Dr. Charles Pollack, médico de medicina de emergência do Hospital Universitário Thomas Jefferson, na Filadélfia e diretor da empresa Lambert da universidade Centro para o Estudo de Cannabis Medicinal e Cânhamo.

Mas o estudo teve algumas fraquezas, disse Pollack. Por exemplo, confiar em participantes do estudo para relatar o uso de maconha pode ser “não confiável e inconsistente”. Além disso, “há tantas variedades de maconha lá fora, sem padrões de qualidade (…) tornando difícil a generalização” dos efeitos, acrescentou.

Pollack também observou que o estudo enfocou o uso de maconha recreacional, “o que é diferente da maioria do uso medicinal de cannabis”. Normalmente, a maconha receitada pelos médicos é de maior qualidade, mas em ambos os casos (recreativos e medicinais), “nada neste espaço é bem controlado”.

Na verdade, os autores do estudo escreveram que “não estão contestando os possíveis benefícios medicinais das formulações padronizadas de cannabis”, mas acrescentaram que o “uso recreativo da maconha deve ser abordado com cautela”.

– LiveScience

  O que é a consciência? Físicos procuram respostas



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com