Quebrando a barreira do som: como funciona um avião supersônico?

0

Já pensou em cruzar o oceano Atlântico em apenas três horas e meia? Um avião supersônico permite fazer essa viagem nesse tempo, já que viaja a uma velocidade que pode ser até duas vezes a velocidade do som. Essas aeronaves possuem grandes diferenças em relação aos aviões comuns, mas a única tentativa de popularizar voos comerciais supersônicos acabou em tragédia.

Um avião supersônico é uma aeronave capaz de viajar a uma velocidade superior à do som, que é de 340 metros por segundo, ou mais de 1200 quilômetros por hora. A primeira vez que isso aconteceu foi em 1947, quando Charles Elwood “Chuck” Yeager, piloto da Força Aérea Americana, quebrou a barreira do som com um avião Bell X-1. Desde então, diversas aeronaves militares e um modelo usado na aviação civil, superaram a marca.

Para viajar a essa velocidade, o avião é construído de forma totalmente diferente dos veículos aéreos normais. O avião supersônico costuma ter uma fuselagem mais estreita, asas triangulares, rentes ao corpo, e motores com entradas de ar construídas de forma diferente, além de todas as diferenças aerodinâmicas.

Quando rompe a barreira do som, o avião supersônico causa um grande estrondo, conhecido como “sonic boom”, que pode causar danos materiais. Por isso, esse tipo de aeronave só pode atingir velocidade supersônica quando voa por cima dos oceanos ou em áreas desabitadas. Também é possível observar anéis resultantes da onda de choque em volta dos aviões.

Veja também:   Google Earth 'encontra' homem desaparecido há 22 anos no fundo de um lago

Veja alguns exemplos de “sonic boom”:

O Concorde

Produzido em uma parceria entre desenvolvedoras da França e do Reino Unido, o Concorde foi o único avião supersônico usado em transporte comum, entre os anos de 1976 e 2003. Atingia velocidade de cruzeiro de Mach 2, isso é, duas vezes a velocidade do som, além de uma altitude de 80 quilômetros a partir da superfície.

Após um grave acidente com um Concorde operado pela companhia aérea Air France em 2000, que matou 113 pessoas entre passageiros, tripulação e pessoas na terra, a operação do modelo foi suspensa em 2003 e desde então nenhum avião supersônico opera em voos comerciais em todo o mundo.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com