Salários, decadência e seleção: 10 curiosidades da indústria pornográfica

0

A indústria pornográfica está em crescente crescimento não apenas no Brasil, mas no mundo todo. Hoje em dia, muitas pessoas apreciam assistir às produções adultas, principalmente após a internet contribuir para a exploração desse mercado. E por conta disso, existem muitos mitos e dúvidas que surgiram na cabeça da população.

Por que as mulheres ganham um salário maior? Quanto que se paga? Como que acontece o processo de seleção? E é realmente preciso ser bonito ou bonita? Essas são apenas algumas das dúvidas que surgem na mente das pessoas.

Confira abaixo 10 curiosidades sobre a indústria pornográfica:

10) As mulheres recebem uma remuneração melhor que a dos homens

Todos sabemos que a questão de que as mulheres costumam receber uma salário menor que o dos homens é um problema que aflige o mundo todo. No Brasil mesmo, a diferença chega a ser de 30%, de acordo com uma pesquisa recente do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE). Mas o oposto ocorre dentro da indústria pornográfica.

Em entrevista ao site de notícias G1, muitas atrizes brasileiras de filmes adultos citaram os motivos para isso: exposição maior das mulheres em frente às câmeras, o preconceito que sofrem na sociedade, desgate físico durante as filmagens, público majoritariamente masculino, tempo de preparação e uma maior predisposição dos homens em trabalhar nesse mercado.

9) Pagamento

indústria pornográfica-pagamento

Clayton Nunes, o dono da famosa produtora nacional Brasileirinhas, disse que o pagamento de atrizes no cenário nacional costuma variar entre 3 e 5 mil reais por mês, dependendo do número e tipo de cenas que gravam. Já os homens recebem em torno de 500 reais pela diária.

O produtor disse que no Brasil, um filme possui um orçamento de 25 mil, e que metade desse valor é gasto apenas para pagar o salários de atores e atrizes.

Já nos Estados Unidos, uma atriz pode receber entre US$ 600 e US$ 800 por cena gravada em um filme.

8) Procura maior de atores

Sim, os homens são mal remunerados nesse mercado, se comparado com as mulheres, que aparentam ser a maioria dentro da indústria dos filmes adultos. Mas por incrível que pareça, a procura deles para ingressar na profissão é muito maior.

Brad Montana, ator, diretor e produtor brasileiro, deu um bom motivo para explicar essa questão: o preconceito que as mulheres sofrem por trabalharem com isso, o que não acontece com os homens.

Veja também:   Entusiastas de ETs se reúnem para 'invadir' a Área 51; veja imagens

“Para a mulher há uma sobrecarga muito maior, no que concerne a preconceito. Enquanto, para o ator, a galera chama o cara para pagar cerveja no barzinho da esquina e perguntar sobre gravação, a menina passa por um constrangimento de ter o portão de casa pichado, sofrer chacota de crianças… É mais pesado”, disse.

É algo confirmado também por Clayton Nunes. Ele disse que recebe cerca de 50 e-mails por dia de homens que desejam ingressar na profissão. Já em relação às mulheres, são apenas 10, diariamente.

7) Disfunção erétil e remédios

indústria pornográfica-remédios

Existe um mito que circula dentro da indústria pornográfica de que por conta do surgimento de remédios para solucinar disfunção erétil, ficou mais fácil ser ator pornográfico e que isso ajudou a desvalorizar os homens e a diminuir seus salários.

E a opinião sobre esse assunto é bem divergente. Nunes disse que sua produtora não faz uso dos remédios para disfunção erétil, e que caso algum ator faça uso deles, não irá admitir tal fato. E garantiu que o site da Brasileirinhas mostra, na íntegra, se o ator “broxou” ou não.

Já Brad Montana disse que o uso de remédios acontece, e que até mesmo os atores mais famosos e conhecidos podem fazer uso deles. Por conta disso, afirmou que, antigamente, “era mais difícil para o cara gravar.”

6) O ápice do mercado no Brasil

O mercado pornográfico brasileiro afirma que viveu seu auge entre os anos de 2004 e 2007. Clayton Nunes cita o quanto  que se pagava para atrizes e o quanto se produzia nessa época: “O máximo que as atrizes já ganharam foi R$ 50 mil por 50 cenas. Mas elas gravavam cinco cenas por mês… O que tinha era uma quantidade absurda de cenas, cheguei a fazer 13 filmes em um mês. Hoje, faço quatro”, disse.

Assim como ocorre nos Estados Unidos, maior produtor de filmes adultos do mundo, o mercado brasileiro teve a concorrência desleal da internet a partir de 2010, o que diminuiu o pagamento e a quantidade de produções. Mas as produtoras se adaptaram, já que fazem a distribuição oficial pela rede mundial de computadores, por exemplo.

5) Complemento de renda

indústria pornográfica-webcam

Justamente por conta dessa concorrência desleal com a internet, que disponibiliza uma quantidade infinita e gratuita de material adulto e diminuiu o pagamento e a quantidade de ofertas de trabalho, muitas atrizes procuram outras alternativas para complementar sua renda.

Veja também:   Netflix faz mal para a saúde das pessoas e do planeta, aponta estudo

A mais famosa é o trabalho de cam girl, ou garotas que se exibem por meio de webcams na internet. Muitas fazem uso dessa alternativa por que ela não pode ser pirateada, já que ocorre ao vivo e de maneira interativa.

Só que muitas também trabalham como garotas de programa, já que costumam cobrar e receber o dobro do que ganhariam como atrizes pornô. Inclusive, algumas atrizes afirmam o oposto: que o filmes seriam o complemento da prostituição.

E para atores, esse cenário é ainda pior, já que prostituição e apresentações em webcams não costumam ser uma alternativa viável.

4) Seleção rigorosa

indústria pornográfica-contrato

Mitos populares afirmam que atrizes pornô fazem o famoso “teste do sofá” para conseguir um emprego nessa área. Mas de acordo com Clayton Nunes, o processo de seleção, pelo menos dentro da Brasileirinhas, é igual a qualquer outro que ocorre em empresas convencionais.

Primeiramente, é preciso enviar um corriqueiro e-mail com currículo para a produtora. Clayton garante que já descarta de cara as candidatas que querem ingressar no ramo apenas pagar dívidas ou ganhar dinheiro, e que é preciso gostar de fazer sexo, ser exibicionista e desejar a fama. E, claro, ter mais de 18 anos de idade. O produtor relata que a média de idade entre as mulheres fica na faixa do 20 a 30 anos de idade.

Depois, as candidatas precisam ir até a produtora e responder a um questionário com várias perguntas, como se prestam serviços de acompanhante, se a família está ciente desse objetivo e se possuem alguma cicatriz no corpo.

E Clayton garante que também toma cuidado com algo em especial. ““Ter filhos não chega a ser restritivo, mas costumo conversar bastante com a candidata para que ela possa ponderar sobre o assunto. Muitas mães acabam se esquecendo de que os filhos pequenos crescem e passam a ter acesso aos conteúdos”, explicou.

3) Sexo anal é quase uma regra

Prática muito apreciada por quem gosta de assistir filmes adultos, o sexo anal é quase uma regra dentro de produtoras.

“É de longe a especialidade mais aprecida pelo público. A mulher pode ser linda, mas se não fizer anal, o filme dela deixa de ser tão acessado”, revela Clayton Nunes. Por conta disso, é quase imprescindível que a candidata goste da prática para conseguir ter sucesso na carreira nos filmes pornográficos. Há até quem diga que é uma espécie de “nota de corte” dentro das produtoras na hora de selecionar novas atrizes.

Veja também:   Dieta a base de batata frita deixa adolescente cego; entenda

E muitas profissionais garantem que não existem qualquer tipo de edição de imagens ou coisa semelhante. Apenas géis para lubrificação e, em alguns casos, o uso de duchas higiênicas, para evitar qualquer problema de higiene.

2) Ser bonita não é uma regra

Diferente do sexo anal, ser bonita não é, necessariamente, uma regra que precisa ser seguida à risca. Sim, ser bonita ajuda bastante no momento da seleção, mas igual a qualquer empresa, ter um rostinho bonito não é sinônimo de garantia e sucesso e as produtoras preferem valorizar o desempenho das atrizes.

“O que importa é o desempenho na gravação das cenas. Já recrutamos garotas lindíssimas que decepcionaram”, disse Nunes. E o dono da Brasileirinhas disse que a aspirante de atriz pornográfica já precisa passar boa impressão na cena teste.

E o mesmo vale para atores. Nunes afirma que o candidato  precisa manter a ereção por, no mínimo, 40 minutos, dar ângulos para as filmagens dos cinegrafistas e ejacular apenas quando o diretor dar a ordem.

1) Organização impecável

Por fim, mais um mito que muitos divulgam por aí é que por conta de sua natureza, os filmes da indústria pornográfica são uma verdadeira “bagunça” (esperamos que você já tenha entendido o recado). Mas saiba que se trata também de mais um trabalho sério como qualquer outro. Existem prazos, horários e organização. E os atores só fazem sexo justamente no momento da gravação.

Por exemplo, muitas atrizes costumam chegar ao set de filmagens por volta das 10h e saem apenas às 17h, o mostra que esse é um trabalho com horários e prazos, como ocorre com qualquer outro.

Existe até mesmo uma preocupação para garantir um pouco de privacidade para os atores. Em um set de filmagens, apenas o diretor, cinegrafista, fotógrafo e o maquiador costumam permanecer no local.

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com