Vida fora do Sistema Solar pode existir em exolua, teoriza estudo

0

Cientistas têm procurado, de forma incessante, planetas habitáveis fora do nosso Sistema Solar. Mas outros pesquisadores estão enfrentando uma questão semelhante para as luas desses planetas.

As chamadas exoluas ainda não foram encontrados fora do nosso Sistema Solar e uma detecção poderia estar a uma década de distância – ou mais. Mas elas existem em outros sistemas.

E alguns cientistas teorizam uma exolua, do tamanho de Marte, de um planeta gigante de gás, e perguntam se água líquida pode ou não ser encontrada em sua superfície. O estudo foi divulgado por uma recente reportagem do site Seeker.

O que é uma exolua?

Uma exolua, ou lua extrassolar, se refere a um satélite natural que orbita um planeta extrassolar. Como a maior parte dos planetas extrassolares são gigantes gasosos semelhantes a Júpiter, imagina-se que as exoluas não sejam raras.

Em nosso próprio Sistema Solar, o análogo mais próximo é o Ganímedes de Júpiter, a maior lua do sistema solar. Ela tem cerca de 5/6 do tamanho de Marte.

Em 2015, a Agência Espacial Americana (Nasa) confirmou a presença de um oceano líquido em Ganímedes após observações do telescópio espacial Hubble sobre as auroras da lua, que parecem balançar para frente e para trás menos do que o esperado com o campo magnético de Júpiter. A Nasa disse que a atenuação é provável devido a um oceano salgado que existe sob a superfície de Ganimedes.

  'Ciência psicodélica': estudos sobre drogas têm ganhado destaque no mundo

Sobre a exolua teorizada

Quanto a esta exolua teórica de tamanho de Marte, a imagem é turva. Os cientistas consideraram fontes de energia como a radiação estelar (que muda em função da distância à estrela), a luz refletida estelar de um planeta de tamanho Júpiter na Lua, a própria emissão térmica do planeta na Lua, bem como o aquecimento de maré, gerada devido à tração gravitacional em mudança do planeta.

Sabe-se que as taxas de aquecimento das marés diminuem se a lua estiver fundida no interior. A lava cria um mecanismo inerente de feedback negativo, onde o tipo de aquecimento se desliga e a Lua arrefece no seu interior. Isso é chamado de “efeito de termostato de maré”, segundo Rene Heller, co-autor do artigo científico e astrofísico do Instituto Max Planck para Pesquisa em Sistemas Solares na Alemanha.

Para uma estrela parecida com o Sol, os autores descobriram que qualquer Lua em torno de uma gigante gasosa além de três unidades astronômicas – ou três distâncias Terra-Sol – teria um fluxo de energia suficientemente alto para impedir que o efeito do termostato de maré aconteça. Mas se a lua é suficientemente volátil, poderia ter vulcanismo global.

Como seria a exolua em questão

Rene Heller fez, em seu estudo, suposições sobre como seria esta exolua teorizada. “Devido a efeitos de seleção observacional, que preferirão grandes luas em torno de planetas de baixa massa, acho que a primeira exolua será diferente de qualquer coisa que sabemos do Sistema Solar”, disse Heller.

  Depois de um ano isolados, cientistas saem de uma simulação de Marte

Com o que será parecida, então? “Poderia ser uma coisa semelhante a Marte ao redor de um planeta parecido com a Terra, ou uma Terra ao redor de um Netuno, a uma distância de sua estrela que poderia ser semelhante à distância de Mercúrio do Sol (suficientemente perto para que tenhamos trânsitos suficientes para encontrar)”, afirmou o estudioso.

Ele complementa: “Provavelmente será algo que será incrível à primeira vista, como um planeta ao redor de um pulsar ou um Júpiter quente. Estou realmente curioso para saber como será este objeto”, disse.

Apesar da expectativa, não há tecnologia suficiente para focar nas exoluas. Ou seja: será algo de busca pouco prioritária, segundo Heller.

O estudo que discute esta situação pode ser acessado clicando aqui.

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com