Como Seria o Fim da Terra Para um Buraco Negro

1

Como você provavelmente está ciente, existem inúmeras maneiras em que o Universo poderia matar todos nós, destruindo a Terra e quaisquer sinais de vida humana, ou a vida em geral, existente em nosso planeta. Erupções de raios Gamma, ejeções de massa coronais, ou apenas um asteróide estranho batendo contra a Terra tiraria facilmente a maior parte da vida em nosso planeta. Mas, o que acontece com os buracos negros? Nós temos que se preocupar com eles, também? Poderia um buraco negro destruir toda a vida na Terra, sugando-nos a todos no esquecimento? É possível, mas não muito provável. E quando digo não muito provável, é calculado que as chances de ser morto por um buraco negro é de uma em um trilhão.

Veja o que existe do outro lado de um Buraco Negro.

Primeiro, um buraco negro tem de chegar à Terra. Há duas maneiras de isso acontecer. A primeira é que criemos um nós mesmos, a segunda que um buraco negro vagando pela galáxia viesse para cima de nosso Sistema Solar, e serpenteie em direção ao Sol. Vamos começar com o primeiro cenário: criar a nossa própria destruição.

Como poderíamos fazer nosso próprio buraco negro? Bem, teoricamente, quando você colide prótons com força suficiente, há o potencial para a criação de um buraco negro pequeno, de curta duração. Aceleradores de partículas como o Large Hadron Collider (LHC), em Genebra, Suíça, pode criar buracos negros minúsculos através das colisões de prótons. Havia muitas manchetes da mídia sobre o potencial do LHC para criar buracos negros fugitivos que iriam encontrar o seu caminho para o centro da Terra e devorá-la a partir do interior, causando a “destruição total.” Parece assustador, não? Duas pessoas chegaram a abrir um processo para parar o LHC devido o perigo que eles pensavam que representava.

Veja também:   Chemtrails: rastros de aviões vão nos matar, diz teoria da conspiração

No entanto, o LHC de nenhuma maneira vai destruir a Terra. Isso ocorre porque qualquer buraco negro criado pelo LHC irá quase instantaneamente evaporar, devido ao que é chamado Bekenstein-Hawking radiation, que teoriza que os buracos negros de fato, irradiam energia e portanto, têm uma duração limitada. Um buraco negro com a massa de, digamos, alguns prótons, evaporaria em bilionésimos de segundo. E mesmo se fosse para ficar por perto, não seria capaz de fazer muito dano: ele provavelmente passaria através da matéria, como se ela não existisse. Se você quer saber se o LHC pode destruir a Terra, clique aqui.

Claro, existem outras maneiras de criar buracos negros, ou seja, os raios cósmicos que batem em nossa atmosfera em uma base regular. Se estes estão criando mini buracos negros de todos os tempos, nenhum deles parece estar engolindo toda a Terra … ainda. Outros experimentos científicos também visam estudar as propriedades dos buracos negros aqui mesmo na Terra, mas o perigo destas experiências é muito, muito pequena.

Agora que sabemos que buracos negros criados aqui na Terra não são susceptíveis a matar todos nós, vamos prosseguir. Mas e um buraco negro a partir das profundezas do espaço em nossa vizinhança? Os buracos negros geralmente vêm em dois tamanhos: supermassivos e estelares. Buracos negros supermassivos residem nos corações das galáxias, e uma delas não é provável que venha em nossa direção. Buracos negros estelares formam-se a partir de uma estrela moribunda que, no final de sua luta contra a gravidade, implode. O menor buraco negro que pode se formar a partir deste processo é de cerca de 12 milhas de diâmetro. O buraco negro mais próximo de nosso sistema solar é Cygnus X-1, que está de cerca de 6.000 anos-luz de distância, longe demais para representar uma ameaça real (embora existam outras formas que ele possa nos prejudicar se estivesse mais próximo, como nos explodir com um jato de raios-X, mas isso é uma outra história). O processo de criação de um buraco negro desta variedade – uma supernova – poderia potencialmente lançar um buraco negro por toda a galáxia, se a supernova acontecesse em um sistema binário e a explosão fosse assimétrica.

Veja também:   A teia de aranha mais forte do mundo, que supera até o Kevlar

Se um buraco negro estelar passasse através do Sistema Solar, seria muito feio. O objeto provavelmente seria acompanhado por um disco de acreção de matéria aquecida, radioativa, que iria anunciar a presença do buraco negro por super aquecimento de nossa atmosfera com raios gama e raios-X. Acrescente a isso as forças de maré do buraco negro perturbando o Sol e outros planetas, e você tem uma grande confusão em suas mãos, para dizer o mínimo. É possível que um número de planetas, e até mesmo o Sol, poderia ser arremessado para fora do Sistema Solar, dependendo da massa, velocidade e abordagem do buraco negro.

buraco negro engolindo terraAí reside uma última possibilidade de buracos negros para causar a destruição na Terra: Buracos negros primordiais. Estes são os buracos negros em miniatura teorizados como tendo sido criados nas intensas energias do Big Bang (que o LHC pretende imitar em uma escala muito menor). Muitos deles provavelmente evaporaram-se bilhões de anos atrás, mas um buraco negro que começou com a massa de uma montanha (10 bilhões de toneladas) poderia ainda estar à espreita ao redor da galáxia. Um buraco desse tamanho iria brilhar a uma temperatura de bilhões de graus de radiação de Bekenstein-Hawking, e é provável que fôssemos vê-lo chegando devido à observatórios como o Swift da NASA.

A partir de alguns metros de distância, a gravidade do buraco negro seria quase imperceptível, de modo que este tipo de buraco negro não teria um efeito sobre a gravidade do Sistema Solar. Em menos de uma polegada, no entanto, a gravidade poderia ser intensa. Iria sugar o ar que passaria através da atmosfera da Terra, e começar a fazer um disco de acreção pequena. Para um buraco negro tão pequeno, a Terra pareceria como um vácuo, por isso, provavelmente, deixaria somente um rastro de radiação em seu caminho e nada mais.

Veja também:   Tremores estão fazendo a Lua encolher, revela estudo

buraco-negro-terra
Um buraco negro desta variedade com a massa da terra, no entanto, seria mais ou menos do tamanho de um amendoim, e seria capaz de potencialmente mandar a Lua em linha reta na direção da Terra, dependendo, é claro, da trajetória e da velocidade do buraco negro. Não só isso, se fosse para impactar com a Terra, a devastação seria total: como ele entrou na atmosfera, iria sugar até muitos gases e formaria um disco de acreção radioativo. À medida que se aproximasse, pessoas e objetos na superfície seriam sugados para dentro dele. Uma vez que colidisse com a superfície, ele iria começar a engolir a Terra, e provavelmente egolir tudo pela frente. Neste cenário, a Terra iria acabar por ser nada mais do que um disco fino de detritos em torno do buraco negro restante.

Fontes: Discover Magazine, NASA

Discussion1 Comentário

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com