Jornalista mora na Coreia do Norte por 6 meses e revela como é viver no país

0

A jornalista e professora Suki Kim conseguiu um trabalho para dar aulas de inglês na Coreia do Norte. Nascida e criada na Coreia do Sul, Kim é cidadã americana e mudou-se para a chamada “República Popular Democrática da Coreia” (do Norte) após receber o convite, de uma universidade privada de Pyongyang.

Suki Kim aceitou o convite e morou no campus da universidade, onde estudam os filhos homens da elite norte-coreana (definidos como “futuros líderes do país”), por seis meses, no ano de 2011. Quatro anos depois, ela revelou ao mundo como é residir no país mais fechado do mundo no livro ‘Without You, There Is No Us: My Time with the Sons of North Korea’s Elite’ (‘Sem você, não há nós: meu tempo com os filhos da elite norte-coreana’).

Em depoimento ao site da BBC Brasil, Suki Kim disse que todos se vigiam no país, onde o controle governamental “é o pior que se pode imaginar”. Ela afirma, ainda, que sentia “medo constante” e o sentimento era compartilhado por outras pessoas no local.

Inicialmente, Suki Kim comentou que sua família foi separada pela Guerra das Coreias, em 1950. “Meu tio, irmão da minha mãe, ficou no norte, e minha avó nunca voltou a vê-lo. O mesmo ocorreu com os primos do meu pai”, disse.

A jornalista e professora sempre tentou morar no país, para descobrir como as coisas funcionam por lá. Em 2011, ela obteve um emprego na Universidade para a Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST), a única universidade privada do país. A instituição foi fundada por grupos evangélicos de diversos países e os funcionários são, basicamente, professores americanos que atuam como voluntários, pagos pelas igrejas.

‘Paradoxo’ e rigidez

Para Suki Kim, a Coreia do Norte “está cheia de paradoxos”, como a universidade em questão. “A religião aqui não é permitida, e o proselitismo é um crime muito sério, castigado com a morte. O único que se venera no país é o Grande Líder. Mas a comunidade evangélica fez um acordo com a Coreia do Norte: ela bancaria a universidade e não faria proselitismo – apesar de ser óbvio que este era o objetivo de longo prazo”, afirma ela.

Segundo Suki, o governo aprova tudo o que acontece na universidade – até mesmo os estudantes, “principalmente filhos dos funcionários do partido dirigente”. “Na Coreia do Norte, o governo decide tudo sobre o indivíduo: a carreira que seguirá, a escola onde estudará, as atividades que fará”, disse.

A universidade, que só tem alunos homens residentes no campus, é vigiada por militares e ninguém pode sair. “O governo define as escoltas que vivem com os professores no campus e seu trabalho é monitorá-los 24 horas por dia. Eu tive uma escolta me vigiando dia e noite, literalmente, já que dormia no quarto abaixo do meu”, afirmou.

Driblando o monitoramento

Suki Kim disse que, desde sempre, tinha o intuito de escrever um livro sobre a sua experiência. Entretanto, ela tinha medo de suas anotações, feitas em computador, fossem descobertas pelo governo.

“Mantive minhas notas em memórias de USB e sempre as levava comigo. Todos os dias apagava tudo do meu computador e não deixava nenhum rastro do meu trabalho. A possibilidade de que a minha escolta descobrisse essas notas me dava arrepios. No meu quarto, havia microfones ocultos; e todas as aulas que eu dava eram gravadas”, afirmou.

Como eram os estudantes

A jornalista disse que nunca conseguiu entender o que seus alunos pensavam, devido à constante vigilância. “Os estudantes também estão sob um sistema de supervisão constante. Nunca estavam sozinhos. Eles se vigiavam e me vigiavam e informavam sobre mim. Costumavam ter uma reunião semanal na qual informavam sobre os outros estudantes e sobre os professores”, revelou.

Além disso, havia um clima de exército dentro da universidade. “Eles são tratados como soldados. Fazem exercícios em grupo, correm em grupo, cada hora saem para marchar em grupo para honrar o Grande Líder, e constantemente são doutrinados sobre a grandeza do Grande Líder e o ódio aos Estados Unidos”, afirmou.

Suki Kim descreveu seus alunos como “mais inocentes do que outros jovens de 20 anos em outras partes do mundo”. “Eram adoráveis, enérgicos e curiosos. Os típicos estudantes desta idade que fazem piadas o tempo todo, que falam de garotas o tempo todo. Esse aspecto humano é um enorme contraste com o estilo de vida que lhes é imposto e ao qual estão continuamente expostos”, pontuou.

Exterior é banido

De acordo com Suki Kim, tudo o que vem de fora da Coreia do Norte é proibido. “Nesta época, em 2011, os estudantes nunca tinham ouvido falar de internet, e eu era proibida de falar sobre isto. Eu tinha ordens estritas de não revelar nada sobre o mundo exterior e eles não tinham nenhuma informação sobre o que ocorria fora de seus país, não conheciam o Taj Mahal, nem a Torre Eiffel, e tampouco sabiam quem era Michael Jackson”, disse.

Além da proibição da internet, o governo também aplicava grandes restrições ao que havia na mídia. “A televisão na Coreia do Norte tem apenas um canal com programas sobre o Grande Líder. Também são transmitidos programas da China ou da Rússia, todos baseados nos ‘ideais socialistas’. Há apenas um jornal e os artigos publicados também estão vinculados ao Grande Líder. O mesmo ocorre com os livros que leem e com todas as outras formas de educação e entretenimento”, afirmou.

Fora da capital

Em raros momentos – pré-aprovados pelo governo -, Suki Kim saía com os alunos para alguma excursão. “Às vezes, saíamos de Pyongyang para visitar as Grandes Montanhas ou alguma fazenda”, disse.

Alguns detalhes fora da capital chamaram a atenção de Suki Kim. “As estradas estão vazias, não há carros nas ruas. Pude ver que as pessoas fora a capital eram menores. As pessoas com quem tínhamos permissão de interagir, como os estudantes, pareciam com a gente. Mas as pessoas que se veem nas margens de estradas são marcadamente menores e parecem malnutridas. Nunca nos permitiram falar com ninguém nas ruas”, afirmou.

Havia certa manipulação até nos locais que eles poderiam ver. “Os lugares para onde nos levavam pareciam cenários de filme e nunca havia pessoas nesses lugares. Só víamos os outros membros do grupo e, por toda parte, todos os lugares estavam cobertos com milhares de slogans do Grande Líder”, disse.

Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com