Pela 1ª vez, cientistas criam psicoativo da maconha sem a planta

0

Eis mais uma criação da ciência que deve chamar a atenção de muita gente: cientistas da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos EUA, anunciaram que pela 1ª vez, o psicoativo e outros compostos da maconha foram criados em laboratório, sem a necessidade da planta. A novidade foi anunciada nesta quarta-feira (27) e divulgada na renomada revista Nature.

Com o uso da chamada biologia sintética (nova área interdisciplinar que aplica princípios de engenharia à biologia), os cientistas conseguiram reproduzir em laboratório os dois compostos mais conhecidos da planta: o Tetraidrocanabinol, mais conhecido pela sigla THC (responsável por te deixar “virado”), e o canabidiol, o CBD (conhecido por suas propriedades terapêuticas).

O líder do estudo que revelou essa criação foi o bioengenheiro Jay Keasling. Ele e sua equipe passaram anos quebrando a cabeça para descobrir uma forma de criar maconha em laboratório

Tudo começou após os cientistas conseguirem “torcer” os genes de leveduras com a ajuda do DNA da maconha, o que resultou no precursor do THC e do CBD. De início, não deu muito certo, mas as coisas começaram a andar após a equipe focar uma enzima conhecida como CsPT4, o resultou nos ingredientes necessários para a fabricação dos dois compostos.

A grande implicação desta novidade é que ela pode impactar empresas farmacêuticas e startups que desejam produzir medicamentos baseados em maconha para tratar diversos problemas, como epilepsia e artrite. Analistas de Wall Street, por exemplo, acredita que a maconha criada em laboratório deve acelerar a entrada da cannabis no mercado farmacêutico e também na indústria de bens de consumo.

“Ela (a maconha de laboratório) pode se tornar a origem de novos produtos que podem surgir a partir dela”, disse Keasling.

O bioengenheiro, agora, precisa comprovar o procedimento em experimentos de maior escala e que ele é mais barato que os métodos tradicionais. De qualquer forma, ele já patenteou essa tecnologia e disse que está disposto a trabalhar com indústrias farmacêuticas e de alimentação para desenvolver novos produtos.

“De uma perspectiva científica, como todos os canabinóides raros que vamos conseguir produzir, eu acho que vai ser algo bem bacana”, afirmou Keasling.



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com