Contato com alienígenas pode demorar mais de 1.500 anos

0

Enquanto alguns podem assumir a total falta de contato com alienígenas como um sinal pouco animador de que nossa busca por vida extraterrestre é algo em vão, um novo estudo explica porque não devemos perder as esperança ainda – só precisamos ter um pouco de paciência. Ou talvez muita.

Pelo tamanho da Via Láctea, podem ser necessários até 1.500 anos para recebermos de volta um sinal de qualquer ser inteligente que tenha captado nossas transmissões enviadas da Terra, dizem os astrônomos. Enquanto isso, o que nos resta é esperar por uma resposta, a não ser que eles estejam vindo sem aviso prévio.


Introdução do filme “Contato” (1997)

Por enquanto, nenhum sinal alienígena foi captado. No entanto, como o espaço é gigantesco – para não dizer infinito -, isso não significa que não há ninguém lá fora. A qualquer momento pode ser que captemos algum tipo de sinal vindo do espaço, mas se levarmos em consideração que um sinal seja emitido da Terra hoje, o mais provável é que só receberemos uma resposta a este sinal daqui a 1.500 anos. (Veja também: Será que alienígenas podem nos matar como no filme ‘Independence Day’?)

Paradoxo de Fermi

O estudo que recentemente foi apresentado em uma reunião da American Astronomical Society, em San Diego, Califórnia. é uma análise probabilística, conhecida como o paradoxo de Fermi. Cálculos são utilizados para ajudar a lançar alguma luz sobre porque nunca termos recebido sequer uma mensagem de civilizações alienígenas.

Veja também:   Uso de celular pode fazer crescer 'chifres' na cabeça? Entenda

Criado pelo famoso físico italiano Enrico Fermi, o paradoxo de Fermi destaca o quão estranho é ainda não termos entrado em contato com alienígenas. Afinal, cientistas estimam que podem haver algo entre 100 bilhões a 400 bilhões de estrelas na Via Láctea. É altamente provável que muitas dessas estrelas hospedem planetas habitáveis, capazes de sustentar vida. (Veja também: Aeronáutica brasileira libera gravações da ‘Noite oficial dos OVNIs’)

Estendendo ainda mais o argumento proposto por Fermi, também é provável que algumas dessas formas de vida possam ser especies inteligentes ou avançadas, capazes de desenvolver tecnologias de comunicação poderosas e viajar através do espaço. Se aceitarmos estas coisas, o paradoxo se torna claro.

Até mesmo nossa galáxia não é excepcionalmente grande em comparação a outras, tão vastas além do que podemos imaginar. Esses números são o que fazem o paradoxo de Fermi tão plausível. Nós alcançamos tantas estrelas e planetas que certamente teríamos atingido alguém até agora – e é por isso que temos a impressão de estarmos sozinhos no universo. (Veja também: Prova de vida alienígena em Marte? Confira fotos chocantes da Nasa)

Estamos sozinhos ou é só impressão?

Mas ter a impressão de estar sozinho não é a mesma coisa que estar sozinho, sugerem os pesquisadores. Afinal, transmissões humanas que são capazes de serem captadas em toda a Via Láctea só foram transmitidas por 80 anos, nas formas de sinais de TV e rádio.

Os pesquisadores explicam que estes sinais que se propagam para fora da Terra, em forma de uma esfera, viajam à velocidade da luz. E como eles só estão sendo transmitidos pelos últimos 80 anos, isso significa que nossas transmissões só teriam atingido um raio de 80 anos-luz de distância da Terra. Só para colocar isso em perspectiva, 1 ano-luz tem cerca de 9,5 trilhões de quilômetros. (Veja também: 9 erros cometidos por filmes sobre o espaço)

Essa distância pode soar razoável, mas segundo a análise dos pesquisadores, isso indica o contrário, em termos de expansão global da galáxia. Quaisquer sinais que tenhamos enviado ao espaço ainda não atingiram estrelas e planetas suficientes de tal modo que devemos esperar uma resposta vinda dos mesmos, caso exista vida inteligente e comunicável.

Veja também:   Homens amadurecem só depois dos 40 anos, revela estudo

Segundo a conclusão dos autores do estudo, o paradoxo de Fermi não é, de fato, inesperado. Pelo princípio da mediocridade (que sugere que a vida não seria algo exclusivo da Terra), é realmente improvável que a Terra tenha sido atingida por uma comunicação extraterrestre até o presente momento. Pelos cálculos, os pesquisadores preveem que menos de 1% da galáxia foi atingida até agora.

Espere sentado pelo contato com alienígenas

Assumindo que a Via Láctea contém 200 bilhões de estrelas, os pesquisadores calculam que nossos sinais até o momento atingiram cerca de 8.531 estrelas e 3.555 planetas parecidos com a Terra, mas eles ainda não acham que esses números sejam suficientes para esperarmos uma resposta. Dentro dos próximos 1.500 anos, é bem mais provável que isso aconteça.

Entretanto, isso não significa que temos de ser atingidos por um sinal, para que então comprovemos que não estamos sozinhos no universo. Nós simplesmente estamos dizendo que é pouco provável que captaremos algo antes desse tempo, afirmam os pesquisadores. (Veja também: Como seria se a Lua não existisse?)

Embora 1.500 anos possa parecer um período interminável que a humanidade tenha de esperar, o lado positivo disso é que pelo menos esta pesquisa é sólida, e agora podemos entender um pouco melhor por que ainda não fomos contactados por civilizações avançadas até hoje.

Podemos muito bem receber contatos de alienígenas algum dia. Na verdade, pelo princípio da mediocridade, devemos esperar por isso. Mas esse dia não é hoje, ou qualquer momento em um futuro próximo.

Veja também:   Por que os ouvidos doem em viagens de avião - e como amenizar isso
fonte: sciencealert



Deixe um Comentário

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com